Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – PE pr.luciano@pazevida.org.br

Pr. Gilson Marques

Pr. Gilson Marques

Sede Estadual – RS pr.gilsonmarques@pazevida.org.br

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Estadual – RJ pr.neilton@pazevida.org.br

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – MG pr.danyelpagliarin@pazevida.org.br

Pr. Rogério Soares

Pr. Rogério Soares

Sede Estadual – SC pr.rogeriosoares@pazevida.org.br

Pr. Crescio Rezende

Pr. Crescio Rezende

Sede Estadual – CE pr.crescio@pazevida.org.br

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – PR pr.delson@pazevida.org.br

Pr. Luiz Carlos

Pr. Luiz Carlos

Sede Estadual – MA pr.luizcarlos@pazevida.org.br

Pr. Gilvan Gomes

Pr. Gilvan Gomes

Sede Estadual - SE pr.gilvamgomes@pazevida.org.br

Pr. Rodrigo Rosa

Pr. Rodrigo Rosa

Sede Estadual - GO pr.rodrigorosa@pazevida.org.br

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – AL pr.carlospinheiro@pazevida.org.br

Pr. Alex Oliveira

Pr. Alex Oliveira

Sede Estadual – PA pr.alexoliveira@pazevida.org.br

Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Distrital – DF   pr.sandropinheiro@pazevida.org.br

Pr. Elianderson Castro

Pr. Elianderson Castro

Sede Estadual – AM pr.elianderson@pazevida.org.br

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – PB pr.reginobarros@pazevida.org.br

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal pr.fabiohenrique@pazevida.org.br

Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Internacional – SP   pr.joaquimneto@pazevida.org.br  

Pr. Jean Vilela

Pr. Jean Vilela

Sede Estadual - RN pr.jeanvilela@pazevida.org.br

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Estadual - PI pr.marciodasilva@pazevida.org.br

Pr. Ubyratan Araújo

Pr. Ubyratan Araújo

Sede Estadual – BA pr.ubyratan@pazevida.org.br

Prótese orgânica pode tratar cegueira degenerativa

Novo dispositivo devolveu fotossensibilidade a ratos com retinite pigmentosa e deve ser testado em humanos ainda neste ano.

Cientistas italianos desenvolveram uma nova prótese de retina que pode devolver parte da visão a quem sofre de cegueira degenerativa. Em ratos, o experimento proporcionou uma significativa restauração das funções visuais, permitindo que os animais se orientassem pela luz. O estudo foi publicado na semana passada na revista científica Nature Materials, e os testes em humanos devem começar no segundo semestre de 2017.

Retinite pigmentosa

A retinite pigmentosa é um tipo de degeneração da retina que leva à perda da visão. Pacientes afetados sentem, inicialmente, cegueira noturna seguida de redução do campo visual.

Mais de 20 milhões de pessoas ao redor do mundo são cegas ou estão em risco de ficar por causa de doenças degenerativas que afetam a retina, como a degeneração macular e a retinite pigmentosa. Nos olhos saudáveis, quando uma imagem entra na retina, ela é transformada em padrões de impulsos elétricos que são transportados ao cérebro pelos neurônios. Essas doenças danificam algumas das células responsáveis por fazer essa tradução, os fotorreceptores, enquanto outras ficam intactas.

Nova prótese de retina

O novo mecanismo é formado por camadas fotoativas de polímeros e de fibroína – proteína insolúvel criada por aranhas e bicho-da-seda. Quando instalados cirurgicamente, no meio da retina dos animais cegos, esses materiais respondem à luz e ativam os neurônios restantes no olho degenerado. No entanto, os cientistas admitiram no artigo que “o processo detalhado da atuação da prótese permanece incerto”.

Segundo o estudo, a invenção difere das outras próteses já concebidas e estudadas por ser totalmente orgânica, ter total autonomia de operação e alta duração. Além disso, o material é “flexível e confortável”, sendo mais tolerável para o corpo. Outra vantagem é que, como a prótese é feita com ingredientes naturais, não apresenta a necessidade de recarga ou manutenção frequente.

Para testar sua eficácia, os pesquisadores utilizaram ratos com retinite pigmentosa herdada geneticamente e ratos saudáveis. Eles inseriram a prótese em parte dos animais cegos e não trataram o restante, para comparação. Depois de trinta dias da inserção, o reflexo das pupilas dos ratos operados à luz não foi muito melhor que a dos não tratados quando estimulados com uma iluminação fraca, um pouco mais brilhante que a de uma lua cheia. Mas, com uma claridade mais forte, como a de um crepúsculo, a resposta dos animais com a prótese foi bem melhor, semelhante à de indivíduos saudáveis.

Por meio de tomografias, os cientistas observaram que o cérebro dos animais tratados apresentava um aumento de atividade no córtex visual primário, que processa a informação visual. Eles acreditam que esse é o caminho para curar a cegueira provocada por doenças degenerativas, como a retinite pigmentosa, com próteses totalmente orgânicas, compatíveis com o olho humano e autônomas.

Tratamentos para a cegueira

Atualmente, já estão disponíveis os implantes de olhos biônicos. Eles também são próteses colocadas na retina, mas, nesse caso, se trata de um receptor eletrônico desenvolvido para interpretar imagens capturadas por uma microcâmera de vídeo, instalada em um par de óculos. Outro tratamento foi concebido em 2012 por pesquisadores da Universidade de Cornell, nos Estados Unidos. Eles desenvolveram um modelo similar ao italiano, só que artificial. O dispositivo americano reproduz o código normalmente usado pela retina para se comunicar com o cérebro, permitindo aos ratos cegos enxergarem novamente. Há também uma terapia genética, desenvolvida em 2010, que restaura as células afetadas pela retinite pigmentosa.

Fonte: VEJA


bannerMemorial

Dom. dia 30/04, às 8h SEDE PARAÍBA                     A Ciência dos Edificadores   Av. Pres. Epitácio Pessoa, 445 - Bairro dos Estados - João Pessoa - PB

 

   

 



 

Qual destas três Mensagens abaixo você gostaria de ouvir na terça-feira 02/05/2017?