Pr. Rodrigo Rosa

Pr. Rodrigo Rosa

Sede Estadual - GO pr.rodrigorosa@pazevida.org.br

Pra. Marta Aguiar

Pra. Marta Aguiar

Sede Estadual – SC pra.martaaguiar@pazevida.org.br

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Estadual - PI pr.marciodasilva@pazevida.org.br

Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Distrital – DF   pr.sandropinheiro@pazevida.org.br

Pr. Crescio Rezende

Pr. Crescio Rezende

Sede Estadual – CE pr.crescio@pazevida.org.br

Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Internacional – SP   pr.joaquimneto@pazevida.org.br  

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – PB pr.reginobarros@pazevida.org.br

Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – PE pr.luciano@pazevida.org.br

Pr. Alex Oliveira

Pr. Alex Oliveira

Sede Estadual – PA pr.alexoliveira@pazevida.org.br

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – AL pr.carlospinheiro@pazevida.org.br

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – MG pr.danyelpagliarin@pazevida.org.br

Pr. Luiz Carlos

Pr. Luiz Carlos

Sede Estadual – MA pr.luizcarlos@pazevida.org.br

Pr. Jean Vilela

Pr. Jean Vilela

Sede Estadual - RN pr.jeanvilela@pazevida.org.br

Pr. Elianderson Castro

Pr. Elianderson Castro

Sede Estadual – AM pr.elianderson@pazevida.org.br

Pr. Gilson Marques

Pr. Gilson Marques

Sede Estadual – RS pr.gilsonmarques@pazevida.org.br

Pr. Gilvan Gomes

Pr. Gilvan Gomes

Sede Estadual - SE pr.gilvamgomes@pazevida.org.br

Pr. Ubyratan Araújo

Pr. Ubyratan Araújo

Sede Estadual – BA pr.ubyratan@pazevida.org.br

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – PR pr.delson@pazevida.org.br

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Estadual – RJ pr.neilton@pazevida.org.br

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal pr.fabiohenrique@pazevida.org.br

Conheça o transtorno que torna a pessoa incapaz de ter emoções

A despersonalização é mais comum do que se imagina. Segundo estudos sobre o tema, estima-se que uma em cada 100 pessoas sofre com o distúrbio.

despersonalização é um transtorno que transforma a realidade de quem a enfrenta no dia a dia. Para Sarah, uma atriz que sofre com o problema, os sentimentos funcionam apenas em teoria. Acredita-se que esse efeito seja um mecanismo de defesa contra traumas, ansiedade ou desencadeado pelo uso de entorpecentes, de acordo com informações da rede britânica BBC.

Sem emoções

“Relacionamentos perdem sua qualidade essencial”, explicou Sarah, que preferiu manter seu sobrenome em sigilo. “Você sabe que ama sua família, mas sabe disso apenas em termos acadêmicos, em vez de sentir do jeito normal.”

Estima-se que uma em cada 100 pessoas seja afetada pelo distúrbio, que pode acarretar em surtos. No caso de Sarah, foram três episódios, que chegaram a durar anos. O primeiro aconteceu quando ela ainda estava na universidade sob efeito do estresse. “Era repentino. As coisas pareciam alienígenas ou ameaçadoras”, disse ela à BBC.

Durante os episódios crônicos, Sarah também tinha ataques de pânico. “Lugares familiares, como seu próprio apartamento, ficam parecendo sets de filmagem, e as suas coisas se parecem objetos cenográficos”, explicou, ressaltando a característica da condição.

Mundo modificado

Além da sensação de estar dentro de um filme, a o transtorno transforma a experiência da pessoa em algo irreal, modificando a própria percepção do corpo, como se o mundo estivesse achatado. Foi dessa forma que Sarah sentiu o segundo surto. “Eu estava lendo, segurando o livro, e de repente minhas mãos pareciam uma foto de um par de mãos. Eu sentia uma espécie de separação entre o mundo físico e minha percepção sobre ele.”

De acordo com a médica Elaine Hunter, responsável pelo único centro de tratamento para o transtorno no Reino Unido, o problema pode se desenvolver durante a adolescência. Uma de suas pacientes começou a sentir os primeiros sinais quando ainda tinha 13 anos. A adolescente não conseguia reconhecer os próprios pais e tinha muita dificuldade para sair de casa e ataques de pânico diários.

Pouco conhecido

A despersonalização, apesar de ser reconhecido como transtorno há décadas, ainda não é amplamente conhecida pela comunidade médica. Segundo os especialistas, a condição tem incidência próxima ao transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) e à esquizofrenia. “Passei por até 20 especialistas, entre enfermeiras psiquiátricas, clínicos gerais, terapeutas e orientadores psicológicos, que não sabiam do que eu estava falando”, confessou Sarah.

Tratamento

Como tratamento, são indicadas sessões de terapia cognitivo comportamental e medicamentos para os casos mais graves. A terapia funcionou para a gerente de vendas Sarah Ashley. “Olhava para o espelho e era como se eu estivesse vendo uma outra pessoa. Eu não conseguia comer, dormir. Agora, continuo enfrentando episódios, mas consigo lidar com eles rapidamente.”

Fonte: VEJA


bannerMemorial

Terça, dia 24/10, às 19h Reunião do PROVER     SEDE INTERNACIONAL     Av. Cruzeiro do Sul, 1965 - Santana - São Paulo - SP

 

   

 



 

Qual destas três Mensagens abaixo você gostaria de ouvir na segunda-feira 30/10/2017?