Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Estadual - PI [email protected]

Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – AM [email protected]

Pr. Wesley Santos

Pr. Wesley Santos

Sede Estadual – PR [email protected]

Pr. Emerson Stevanelli

Pr. Emerson Stevanelli

Sede Estadual – PB [email protected] [email protected]

Pr. Gilvan Gomes

Pr. Gilvan Gomes

Sede Estadual - SE [email protected]

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – BA   [email protected]

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Internacional – SP   [email protected]  

Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Distrital – DF   [email protected]

Pr. Raphael Batista

Pr. Raphael Batista

Sede Estadual – RS [email protected]

Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Estadual – MG [email protected]

Pr. Dionatan Freitas

Pr. Dionatan Freitas

Sede Estadual - GO [email protected]

Pr. Leonardo Pinheiro

Pr. Leonardo Pinheiro

Sede Estadual – MA [email protected]

Pr. Crescio Rezende

Pr. Crescio Rezende

Sede Estadual - RN [email protected]

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – PE [email protected]

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – RJ [email protected]

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal [email protected]

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – AL [email protected]

Pr. Reinaldo Rosário

Pr. Reinaldo Rosário

Sede Estadual – CE [email protected]

Excesso de açúcar eleva risco cardiovascular (até nos saudáveis)

De acordo com um novo estudo, três meses consumindo quantidades elevadas de açúcar é o suficiente para alterar o risco de pessoas saudáveis.

Segundo um novo estudo publicado no periódico científico Clinical Science, até mesmo pessoas saudáveis que consomem açúcar em excesso correm um risco maior de desenvolverem doença cardiovascular. Isso acontece porque a ingestão de um alto teor da substância altera o metabolismo da gordura, o que aumenta a probabilidade de problemas cardíacos.

O estudo

Pesquisadores da Universidade de Surrey, no Reino Unido, acompanharam 11 homens com a doença doença hepática gordurosa não alcoólica (esteatose hepática), caracterizada pelo acúmulo de gordura no fígado, e outros 14 homens saudáveis. Durante 24 semanas, todos os participantes passaram por dois tipos de dieta: uma rica em açúcar, na qual a substância equivalia a 26% das calorias diárias, e outra com baixo nível, onde o açúcar correspondia a apenas 6% do total. Ambas continham a mesma quantidade de calorias totais.

Cada participante, independente do grupo ao qual pertencia (com ou sem doença hepática) foi selecionado de forma aleatória para seguir por 12 semanas uma das dietas e, em seguida, mais 12 semanas da outra.

À medida em que os voluntários seguiram as dietas, Os cientistas compararam as mudanças em vários biomarcadores do metabolismo da gordura no sangue, como os níveis de lipídios e colesterol. Os resultados mostraram que apenas três meses com uma alimentação rica em açúcar foram o suficiente para alterar o metabolismo de gordura dos participantes, condição que já foi associada, em outros estudos, ao aumento do risco cardiovascular.

A alteração foi observada tanto nos participantes com doença hepática quanto nos saudáveis. Além disso, os participantes saudáveis também apresentaram maior acúmulo de gordura no fígado após seguirem a dieta rica em açúcar.

Diante desses resultados, os cientistas acreditam que o fígado, que desempenha um papel importante no processamento da gordura no organismo, lida com os ipídeos de forma diferente durante dietas ricas em açúcar do que em dietas com menos açúcares.

Jovens
De acordo com os autores, esse padrão de dieta, com quantidades elevadas de açúcar, é muito comum entre crianças e adolescentes, o que pode oferecer um risco ainda maior. Embora a doença hepática afete geralmente adultos, há evidências que sugerem a incidência da doença em quase 10% das crianças entre dois e 19 anos nos Estados Unidos.

“Isso suscita preocupação com a futura saúde da população mais jovem, especialmente em vista da prevalência alarmantemente alta de doença hepática em crianças e adolescentes e aumento exponencial da doença hepática fatal em adultos”, disse Bruce Griffin, professor de metabolismo nutricional da Universidade de Surrey e um dos autores do estudo.

Fonte: VEJA


bannerMemorial

Aguarde Novas Atualizações

 

   

 



 

Qual destas três Mensagens abaixo você gostaria de ouvir na segunda-feira 30/07/2018?