Pr. William Alves

Pr. William Alves

Sede Estadual – [email protected]

Pr. Gilvan Gomes

Pr. Gilvan Gomes

Sede Estadual - SE [email protected]

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Estadual - PI [email protected]

Pr. Wesley Santos

Pr. Wesley Santos

Sede Estadual – PR [email protected]

Pr. Emerson Stevanelli

Pr. Emerson Stevanelli

Sede Estadual – PB [email protected] [email protected]

Pr. Leonardo Pinheiro

Pr. Leonardo Pinheiro

Sede Estadual – MA [email protected]

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – RJ [email protected]

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal [email protected]

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Internacional – SP   [email protected]  

Pr. Raphael Batista

Pr. Raphael Batista

Sede Estadual – RS [email protected]

Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Distrital – DF   [email protected]

Pr. Reinaldo Rosário

Pr. Reinaldo Rosário

Sede Estadual – CE [email protected]

Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – AM [email protected]

Pr. Dionatan Freitas

Pr. Dionatan Freitas

Sede Estadual - GO [email protected]

Pr. Crescio Rezende

Pr. Crescio Rezende

Sede Estadual - RN [email protected]

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – PE [email protected]

Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Estadual – MG [email protected]

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – AL [email protected]

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – BA   [email protected]

36% dos alimentos das feiras contém agrotóxicos acima do normal

Foi o que revelou levantamento do Greenpeace com 113 quilos de amostras de alimentos coletados em São Paulo e Brasília.

Uma pesquisa inédita realizada pela ONG Greenpeace, divulgada nesta terça-feira, 31, revelou que 36% de alimentos comuns à dieta do brasileiro, coletados em feiras livres de São Paulo e Brasília contêm resíduos de agrotóxicos proibidos ou acima do permitido.

Os testes foram realizados pelo Laboratório de Resíduos de Pesticidas (LRP) do Instituto Biológico de São Paulo, ligado ao governo do Estado, com amostras coletadas dos  centros de distribuição em setembro.

A  organização coletou amostras de 12 tipos: arroz branco e integral,  feijão preto e carioca, mamão formosa, tomate, couve, pimentão verde, laranja, banana nanica, banana prata e café.  Dessas amostras, 60% continham resíduos de agrotóxicos — o que não significa irregularidade, necessariamente.

A preocupação ficou por conta de 36% dos alimentos coletados. De acordo com o teste, estas amostragens apresentaram pesticidas totalmente proibidos no Brasil para qualquer alimento ou continham níveis de produtos proibidos para aquela cultura específica, ou contavam com resíduos acima do limite permitido por lei.

Os resultados são consistentes com pesquisa feita pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) com amostras coletadas entre 2014 e 2015. Durante o trabalho,  a agência mostrou que 58% dos alimentos tinham algum resíduo de agrotóxico.

Parte dos alimentos foi escolhida por serem representativos na dieta do brasileiro — de acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) –, e a outra parte por apresentarem altos índices de agrotóxico (como couve, pimentão e tomate).

Testes realizados pela Proteste em 2016 também já mostraram que mais de um terço dos alimentos tinha agrotóxicos ilegais. A entidade testou amostras de oito tipos de alimentos.

Apesar do campo de pesquisa ser restrito e ter sido considerado uma amostragem pequena, para o Greenpeace não há dúvida que o cenário é semelhante em todas as demais feiras e mercados do país.

Fonte: VEJA


bannerMemorial

Dom. dia 21/10, às 8h     Reunião do Santo Jejum   SEDE ZONA LESTE         Av. Celso Garcia, 6076 - Penha - São Paulo - SP