Pr. Luiz Carlos

Pr. Luiz Carlos

Sede Estadual – MA pr.luizcarlos@pazevida.org.br

Pr. Jean Vilela

Pr. Jean Vilela

Sede Estadual - RN pr.jeanvilela@pazevida.org.br

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – MG pr.danyelpagliarin@pazevida.org.br

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Estadual – RJ pr.neilton@pazevida.org.br

Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Internacional – SP   pr.joaquimneto@pazevida.org.br  

Pr. Gilvan Gomes

Pr. Gilvan Gomes

Sede Estadual - SE pr.gilvamgomes@pazevida.org.br

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – AL pr.carlospinheiro@pazevida.org.br

Pr. Gilson Marques

Pr. Gilson Marques

Sede Estadual – RS pr.gilsonmarques@pazevida.org.br

Pr. Crescio Rezende

Pr. Crescio Rezende

Sede Estadual – CE pr.crescio@pazevida.org.br

Pr. Ubyratan Araújo

Pr. Ubyratan Araújo

Sede Estadual – BA pr.ubyratan@pazevida.org.br

Pr. Rogério Soares

Pr. Rogério Soares

Sede Estadual – SC pr.rogeriosoares@pazevida.org.br

Pr. Elianderson Castro

Pr. Elianderson Castro

Sede Estadual – AM pr.elianderson@pazevida.org.br

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal pr.fabiohenrique@pazevida.org.br

Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – PE pr.luciano@pazevida.org.br

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Estadual - PI pr.marciodasilva@pazevida.org.br

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – PR pr.delson@pazevida.org.br

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – PB pr.reginobarros@pazevida.org.br

Pr. Alex Oliveira

Pr. Alex Oliveira

Sede Estadual – PA pr.alexoliveira@pazevida.org.br

Pr. Rodrigo Rosa

Pr. Rodrigo Rosa

Sede Estadual - GO pr.rodrigorosa@pazevida.org.br

Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Distrital – DF   pr.sandropinheiro@pazevida.org.br

Empresas investigadas ainda mantêm contratos no RJ, diz MPF

O esquema criado no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into) e na Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro, que chegou a desviar 300 milhõesde reais dos cofres do estado entre 2007 e 2016, ainda pode estar em vigor, segundo o Ministério Público Federal (MPF). O ex-secretário de Saúde Sérgio Côrtes foi preso na manhã desta terça-feira na deflagração da Operação Fatura Exposta, desdobramento da Operação Lava Jato no Rio.

Côrtes comandou um esquema de cartelização na área da Saúde de 2007 a 2016 que era responsável por uma mesada de 450 000 reais à quadrilha montada pelo ex-governador Sérgio Cabral (PMDB). Segundo o MPF, os contratos oriundos do esquema ainda estão em vigor em âmbito estadual e federal. “Os contratos ainda estão em vigor, sabemos que essa contratação ainda existe, mas continuaremos as investigações para verificar se a corrupção permanece tanto no governo do estado como em âmbito federal”, afirmou o procurador Rodrigo Timóteo.

De acordo com as investigações, as fraudes aconteceram em importações, licitações internacionais e superfaturamento em contratos com órgãos públicos e os valores podem ser ainda maiores dos que os já descobertos pela investigação. “Não é algo setorizado. O governo Cabral roubou em todas as áreas. Essa é mais uma perna. Até o fim do ano, vamos mostrar isso”, afirmou o procurador Eduardo El Hage. Além de Côrtes, foram presos nesta manhã os empresários Miguel Iskin, presidente da Oscar Iskin, uma das maiores distribuidoras de material médico, e seu sócio, Gustavo Estellita Cavalcanti Pessoa.

A operação deflagrada nesta manhã investiga fraudes em procedimentos licitatórios do Into e da Secretaria Estadual de Saúde. A força-tarefa também identificou que Côrtes tentou “embaraçar as investigações” pedindo ao delator César Romero, ex-subsecretário da pasta, que não fechasse acordo de delação premiada.

“Côrtes tentou combinar versões. O próprio delator apresentou gravações e imagens à força-tarefa para comprovar. Nós já estávamos com as tratativas de delação premiada quando ele (Côrtes) procurou o colaborador para oferecer pagamentos de advogados e combinar versões de depoimentos”, afirmou El Hage. Além de responder por corrupção ativa e lavagem de dinheiro, Côrtes  responderá criminalmente por tentar embaraçar as investigações da Lava Jato. A VEJA ainda não localizou a defesa dos envolvidos.

Ao longo das investigações, a força-tarefa da Lava Jato identificou também diversos bilhetes no escritório de Luiz Carlos Bezerra, um dos operadores de Cabral preso na Operação Calicute, que remetem aos valores de propina. “Luiz Carlos Bezerra usava anotações manuscritas, bilhetes e mandava e-mails para si próprio com a contabilidade do esquema. Nesses bilhetes, Miguel Iskin era apontado como ‘xerife’ que é o nome de uma das empresas dele, a Xerife Serviços e Participações”, afirmou o procurador.

Fonte: VEJA


bannerMemorial

Dom. dia 30/04, às 8h SEDE PARAÍBA                     A Ciência dos Edificadores   Av. Pres. Epitácio Pessoa, 445 - Bairro dos Estados - João Pessoa - PB

 

   

 



 

Qual destas três Mensagens abaixo você gostaria de ouvir na terça-feira 02/05/2017?