Pr. Rodrigo Rosa

Pr. Rodrigo Rosa

Sede Estadual - GO pr.rodrigorosa@pazevida.org.br

Pr. Ubyratan Araújo

Pr. Ubyratan Araújo

Sede Estadual – BA pr.ubyratan@pazevida.org.br

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – PB pr.reginobarros@pazevida.org.br

Pr. Gilson Marques

Pr. Gilson Marques

Sede Estadual – RS pr.gilsonmarques@pazevida.org.br

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – PR pr.delson@pazevida.org.br

Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – PE pr.luciano@pazevida.org.br

Pr. Gilvan Gomes

Pr. Gilvan Gomes

Sede Estadual - SE pr.gilvamgomes@pazevida.org.br

Pr. Jean Vilela

Pr. Jean Vilela

Sede Estadual - RN pr.jeanvilela@pazevida.org.br

Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Distrital – DF   pr.sandropinheiro@pazevida.org.br

Pr. Elianderson Castro

Pr. Elianderson Castro

Sede Estadual – AM pr.elianderson@pazevida.org.br

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal pr.fabiohenrique@pazevida.org.br

Pra. Marta Aguiar

Pra. Marta Aguiar

Sede Estadual – SC pra.martaaguiar@pazevida.org.br

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Estadual – RJ pr.neilton@pazevida.org.br

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – MG pr.danyelpagliarin@pazevida.org.br

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – AL pr.carlospinheiro@pazevida.org.br

Pr. Alex Oliveira

Pr. Alex Oliveira

Sede Estadual – PA pr.alexoliveira@pazevida.org.br

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Estadual - PI pr.marciodasilva@pazevida.org.br

Pr. Luiz Carlos

Pr. Luiz Carlos

Sede Estadual – MA pr.luizcarlos@pazevida.org.br

Pr. Crescio Rezende

Pr. Crescio Rezende

Sede Estadual – CE pr.crescio@pazevida.org.br

Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Internacional – SP   pr.joaquimneto@pazevida.org.br  

Propina paga pela Odebrecht chegou a 18% do lucro da empresa

O ex-diretor do setor de operações estruturadas da Odebrecht Hilberto Mascarenhas afirmou em sua delação premiada no âmbito da Operação Lava Jato que a empreiteira distribuiu US$ 3,39 bilhões de propina entre os anos de 2006 e 2014.

Os relatos do executivo impressionam ainda mais ao comparar os valores desembolsados ilicitamente com os lucros apresentados pelos balanços anuais da empreiteira.

Em 2012, ano em que a empresa conquistou um Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de US$ 3,957 bilhões, o valor pago em propina alcançou os US$ 730 milhões.

Significa dizer que a empreiteira desembolsou naquele ano um valor correspondente a 18,45% de seu faturamento líquido para os pagamentos ilegais.

Foi neste momento que Mascarenhas, chefe do departamento que cuidava dos repasses a políticos, conta ter conversado com o então presidente da construtora, Marcelo Odebrecht, sobre o “suicídio” financeiro que estava em andamento em função do alto volume de repasses ilegais.

— Fui ao Marcelo [Odebrecht] várias vezes e disse: não tem condição, US$ 730 milhões é bilhão. Nenhum mercado tem essa disponibilidade de dinheiro por fora e não tem como operar isso. É suicídio.

Dinheiro repassado pela Odebrecht a políticos investigados bancaria mais de 1 milhão de cestas básicas

A orientação de Odebrecht após a afirmação do ex-executivo teria sido para “segurar” os repasses. No ano seguinte, o valor destinado pela construtora para o pagamento de propina saltou para US$ 750 milhões, segundo Mascarenhas. A quantia equivale a 15,39% do lucro de US$ 4,874 bilhões obtido pela empreiteira em 2013.

No ano de 2014, o valor pago pela empresa em propina teria caído 40%, para US$ 450 milhões, de acordo com a planilha apresentada à força-tarefa da Lava Jato. Apesar da redução, o dinheiro representa 7,18% do Ebitda da empresa, que totalizou US$ 6,267 bilhões nos 12 meses daquele ano. 

O período compreendido entre 2009 e 2011 também mostra os repasses de propina equivalentes a mais de 10% do Ebitda contabilizado pela empreiteira. Entre 2006 e 2008, os balanços da Odebrecht eram apresentados com os valores apenas em reais, impossibilitando a comparação. No período, Mascarenhas relata o pagamento de, respectivamente, US$ 60 milhões, US$ 80 milhões e US$ 120 milhões.

A planilha com os gastos detalhados da Odebrecht foi apresentada à PGR (Procuradoria-Geral da República) e ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Ao todo, os valores citados por Mascarenhas apontam para um repasse de US$ 3,39 bilhões (R$ 10,64 bilhões na cotação atual do dólar) entre 2006 e 2014.

Fonte: R7


bannerMemorial

Aguarde Novas   Atualizações

 

   

 



 

Qual destas três Mensagens abaixo você gostaria de ouvir na segunda-feira 18/12/2017?