Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Estadual – MG [email protected]

Pr. Crescio Rezende

Pr. Crescio Rezende

Sede Estadual - RN [email protected]

Pr. Emerson Stevanelli

Pr. Emerson Stevanelli

Sede Estadual – PB [email protected] [email protected]

Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – AM [email protected]

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – BA   [email protected]

Pr. Leonardo Pinheiro

Pr. Leonardo Pinheiro

Sede Estadual – MA [email protected]

Pr. William Alves

Pr. William Alves

Sede Estadual – [email protected]

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – RJ [email protected]

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Estadual - PI [email protected]

Pr. Raphael Batista

Pr. Raphael Batista

Sede Estadual – RS [email protected]

Pr. Reinaldo Rosário

Pr. Reinaldo Rosário

Sede Estadual – CE [email protected]

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – AL [email protected]

Pr. Gilvan Gomes

Pr. Gilvan Gomes

Sede Estadual - SE [email protected]

Pr. Dionatan Freitas

Pr. Dionatan Freitas

Sede Estadual - GO [email protected]

Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Distrital – DF   [email protected]

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal [email protected]

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Internacional – SP   [email protected]  

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – PE [email protected]

Pr. Wesley Santos

Pr. Wesley Santos

Sede Estadual – PR [email protected]

Focus: Após Copom, previsões de PIB sobem, e de inflação caem

mercado financeiro elevou a previsão para crescimento da economia brasileiraem 2018, de 2,83% para 2,89% segundo o último Boletim Focus, divulgado pelo Banco Central nesta segunda-feira. A estimativa para o ano que vem permanecem em 3% pela oitava semana consecutiva.

As apostas para a inflação ao fim deste ano baixaram pela sexta semana seguida, indo de 3,63% para 3,57%. Para 2019, houve recuo de 4,20% para 4,10%. As metas para ambos os anos são de 4,50% e 4,25%, respectivamente – há margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual nos dois casos.

As mudanças nas previsões ocorrem após a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) em fazer na última quarta-feira um novo corte na Selic, que foi de 6,75% a 6,50%. O órgão do BC justificou a decisão devido a um comportamento da inflação mais fraco que o esperado, e sinalizou que fará uma outra redução na taxa básica de juros na próxima reunião, marcada para maio.

A informação incomodou agentes do mercado, por causa do caráter inesperado. Apesar da indicação pouco comum do BC sobre um possível corte futuro na Selic, os analistas mantêm a expectativa de que a taxa básica de juros chegará ao fim do ano ainda em 6,50%. Para 2019, a aposta é de que suba a 8%.

Fonte: VEJA


bannerMemorial

Aguarde Novas Atualizações