Pr. Gilson Marques

Pr. Gilson Marques

Sede Estadual – RS pr.gilsonmarques@pazevida.org.br

Pra. Marta Aguiar

Pra. Marta Aguiar

Sede Estadual – SC pra.martaaguiar@pazevida.org.br

Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Distrital – DF   pr.sandropinheiro@pazevida.org.br

Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Internacional – SP   pr.joaquimneto@pazevida.org.br  

Pr. Jean Vilela

Pr. Jean Vilela

Sede Estadual - RN pr.jeanvilela@pazevida.org.br

Pr. Ubyratan Araújo

Pr. Ubyratan Araújo

Sede Estadual – BA pr.ubyratan@pazevida.org.br

Pr. Gilvan Gomes

Pr. Gilvan Gomes

Sede Estadual - SE pr.gilvamgomes@pazevida.org.br

Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – PE pr.luciano@pazevida.org.br

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – PB pr.reginobarros@pazevida.org.br

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – MG pr.danyelpagliarin@pazevida.org.br

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – AL pr.carlospinheiro@pazevida.org.br

Pr. Alex Oliveira

Pr. Alex Oliveira

Sede Estadual – PA pr.alexoliveira@pazevida.org.br

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Estadual - PI pr.marciodasilva@pazevida.org.br

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal pr.fabiohenrique@pazevida.org.br

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Estadual – RJ pr.neilton@pazevida.org.br

Pr. Luiz Carlos

Pr. Luiz Carlos

Sede Estadual – MA pr.luizcarlos@pazevida.org.br

Pr. Elianderson Castro

Pr. Elianderson Castro

Sede Estadual – AM pr.elianderson@pazevida.org.br

Pr. Crescio Rezende

Pr. Crescio Rezende

Sede Estadual – CE pr.crescio@pazevida.org.br

Pr. Rodrigo Rosa

Pr. Rodrigo Rosa

Sede Estadual - GO pr.rodrigorosa@pazevida.org.br

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – PR pr.delson@pazevida.org.br

7. O SALVADOR: O SACRIFÍCIO PERFEITO E DEFINITIVO

Cremos que o próprio Deus se propôs a passar por todas as nossas aflições e fraquezas, para provar que era possível ao homem superar-se. Por isso, gerou-se em ventre humano por obra e graça do Espírito Santo (Mt 1:18-25; Lc 1:26-38), conforme estava profetizado em Is 7:14. Na vida de Cristo, Deus mostrou tudo o que pretendia ao criar os homens. Cristo era humano no sentido mais absoluto e perfeito. Teve mãe humana, cresceu e desenvolveu-se humanamente. Esteve sujeito à toda as tentações do homem e não pecou. Não apenas comeu e bebeu, como também passou fome, sede e cansaço. Tinha todas as emoções e necessidades humanas. Sua humanidade foi a mais elevada e a mais santa que este mundo já viu ou possa ver (Mt 4:2; 8:24; 26:28; Mc 3:5; 6:34; 10:14-21; Lc 2:40,52; 22:44; 24:39; Jo 4:6; 8:40; 11:33-36; 12:27; 19:28; I Tm 2:5).

A Bíblia deixa bem claro que Cristo é o filho de Deus, tendo, aqui na terra, permanecido preso ao corpo humano e suas conseqüências: morreu e foi sepultado como homem (Mt 27:45,66; Mc 15:33-47; Lc 23:44-56; Jo 19:28-42).

Cremos que Jesus sempre teve plena consciência de que a sua missão de libertar os homens da escravidão do pecado só teria êxito se ele assumisse o lugar do cordeiro, inocente, oferecendo o seu corpo “sem defeito, sem culpa, e sem mancha”, para que o seu sangue fizesse expiação em favor dos pecadores (Jo 3:14; 8:28; 12: 24; Mt 20:28; 26:24).

A inocência de Jesus era tão comovente que até as pessoas que não eram do seu rebanho, como o governador Pôncio Pilatos, Judas que o traiu, o Centurião que o crucificou, o ladrão que morreu ao seu lado, disseram, respectivamente: “estou inocente do sangue deste justo” (Mt 27:24) – “Pequei, traindo sangue inocente” (Mt 27:4) – “verdadeiramente este homem era justo” (Lc 23:47) – “porque recebemos o castigo que os nossos atos merecem; mas este nenhum mal fez” (Lc 23:41). Jesus sempre soube a hora que iria ser sacrificado (Jo 7:30; 8:20; 12:23; 13:1; 17:1; Lc 22:53) e deixou-se prender para cumprir a vontade do Pai e salvar os homens, através do seu sacrifício definitivo (Jo 10:18). Do principio ao fim, o Novo Testamento salienta: “Eis aqui o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”.

Cremos que na cruz, agonizante, estava o Messias triunfante.

O próprio Paulo declarava: “Cristo morreu pelos nossos pecados, de acordo com as Escrituras” (I Co 15:3). Cremos que na Cruz, Deus se revela aos homens (Mt 27:51; Mc 15:38; Lc 23:45). No momento em que Cristo expirou, o véu do templo em Jerusalém se rasgou de alto a baixo, eliminando a barreira que existia entre o homem e o seu Deus (Mt 27:51).

Cremos que a Cruz de Cristo traz o homem a Deus e leva Deus aos homens (Hb 10:19-20). Cremos que, na Cruz, Cristo se identificou com todos os pecadores, com os quais andava em toda a sua vida, chamado-os de “irmãos” (Hb 2:11). Até na hora de morrer, colocou-se entre dois criminosos. Tudo isso voluntariamente, pois Ele mesmo disse: “ninguém tira a minha vida; Eu espontaneamente a dou”. E a deu por mim e por você. Cremos que morreu o JUSTO pelos injustos, o inocente pelos culpados, para nos conduzir a Deus (I Pe 3:18). Cremos que Deus considera justo aquele que aceita e confia na justiça que o próprio Deus oferece: Jesus Cristo.

bannerMemorial

Aguarde Novas Atualizações

 

   

 



 

Qual destas três Mensagens abaixo você gostaria de ouvir na segunda-feira 26/06/2017?