Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – PR [email protected]

Pr. Márcio Candido

Pr. Márcio Candido

Sede Estadual – PE [email protected]

Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Estadual – CE   [email protected]  

Pr. Dionatan Freitas

Pr. Dionatan Freitas

Sede Estadual - GO [email protected]

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Nacional – SP   [email protected]  

Pr. Alexandre Teodoro

Pr. Alexandre Teodoro

Sede Estadual – RJ [email protected]

Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – AM [email protected]

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – MA [email protected]

Pr. Weslley Santos

Pr. Weslley Santos

Sede Estadual – AL [email protected]

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – PB [email protected]

Pr. Marcelo Torres

Pr. Marcelo Torres

Sede Estadual - SE [email protected]

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Distrital – DF   [email protected]

Pr. Jean Vilela

Pr. Jean Vilela

Sede Estadual – MG [email protected]

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – BA   [email protected]

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal [email protected]

Pr. Wadson Medeiros

Pr. Wadson Medeiros

Sede Estadual – RS [email protected]

Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Estadual - PI [email protected]

Pr. Ademir Pereira

Pr. Ademir Pereira

Sede Estadual - RN [email protected]  

Pr. David Scarinci

Pr. David Scarinci

Sede Estadual – PA   [email protected]

Alimentos ultraprocessados aumentam o envelhecimento celular

É necessário reduzir o consumo de alimentos ultraprocessados para reduzir a contribuição de gorduras trans e substâncias tóxicas.

O consumo de alimentos ultraprocessados ​​é capaz de aumentar o envelhecimento celular. As escassas contribuições dos micronutrientes desses produtos e sua alta densidade calórica contribuem para promover os processos de oxidação. Isso também pode levar a um risco aumentado de desenvolver doenças a médio e longo prazo.

Uma dieta saudável deve ser baseada no consumo de alimentos frescos. Os vegetais, por exemplo, têm altas quantidades de fitoquímicos que ajudam a combater o aparecimento de radicais livres. Esses micronutrientes também são capazes de reduzir os danos sofridos pelas células ao longo do tempo.

A seguir, contaremos por que você deve eliminar, ou pelo menos reduzir, o consumo de alimentos ultraprocessados ​​em sua dieta diária.

Os alimentos ultraprocessados ​​contêm gorduras trans

Os lipídios são necessários para o organismo. Eles participam de uma infinidade de reações fisiológicas. Além disso, são responsáveis, entre outras coisas, pela homeostase hormonal e pelo transporte e reserva de vitaminas lipossolúveis.

No entanto, existem diferentes tipos de lipídios:

Os mono e os poli-insaturados: são considerados saudáveis ​​e seu consumo é incentivado.

Gorduras saturadas: quanto a elas, há alguma controvérsia. São necessárias mais pesquisas para lhes atribuir uma classificação precisa.

Gorduras trans, presentes em alimentos ultraprocessados: em relação a elas, existe um consenso uniforme. Comer esse tipo de lipídio regularmente aumenta os processos inflamatórios e o envelhecimento celular, como afirma um artigo publicado na revista Advances in Nutrition.

A acrilamida está presente nos alimentos ultraprocessados

Além desses lipídios com capacidade anti-inflamatória, os alimentos ultraprocessados ​​contêm outras substâncias prejudiciais à saúde. Um exemplo delas é a acrilamida, um resíduo obtido ao submeter amidos a altas temperaturas.

Esta substância tem a capacidade de acelerar os processos de danos e envelhecimento celular. Sua ingestão habitual está associada a um risco aumentado de desenvolver doenças complexas, como o câncer, de acordo com um artigo publicado no International Journal of Cancer.

Por esse motivo, recomenda-se reduzir o consumo de alimentos que possam conter esse tipo de substância em sua composição. Tanto os alimentos ultraprocessados quanto as frituras e empanados são suscetíveis a apresentar essa substância tóxica.

Para evitar a formação de acrilamida, é aconselhável cozinhar alimentos ricos em amido em baixas temperaturas. Fervê-los em água é a melhor opção quando se trata de reduzir sua atividade teratogênica.

Sua densidade energética é alta

Os alimentos ultraprocessados ​​são caracterizados por serem ricos em gorduras e açúcares. Isso aumenta sua densidade energética, enquanto piora os marcadores associados à saúde metabólica.

Esse consumo excessivo de açúcares e gorduras trans também é capaz de danificar a microbiota. Mudanças ocorrem em sua diversidade, causando problemas na digestão e na assimilação de nutrientes.

Por esse motivo, é recomendável reduzir o consumo desse tipo de produto. Em vez disso, é aconselhável priorizar a ingestão de alimentos frescos, como peixes e vegetais. É essencial garantir o fornecimento de antioxidantes alimentares, a fim de ajudar o corpo a combater os processos de envelhecimento.

Reduza o consumo de alimentos ultraprocessados

Como já dissemos, os alimentos ultraprocessados ​​são caracterizados por ter uma alta densidade calórica e um baixo conteúdo de micronutrientes essenciais. Eles são ricos em açúcares simples e substâncias que prejudicam a saúde metabólica.

Além disso, eles contêm gorduras trans, causando inflamação e promovendo o envelhecimento celular. Como se isso não bastasse, sua composição também possui resíduos como a acrilamida. Essas substâncias favorecem o aparecimento do câncer e aumentam o risco de desenvolver doenças complexas.

Por esse motivo, é recomendável restringir a sua ingestão. No entanto, é difícil eliminá-los completamente, pois eles estão muito presentes em nossas rotinas. Um grande passo seria reduzir o seu consumo e aumentar a ingestão de alimentos frescos.

É importante garantir o consumo de produtos do reino vegetal, ricos em antioxidantes e que se encarregam de combater a formação de radicais livres e o envelhecimento celular.

Fonte: melhorcomsaude


bannerMemorial

Aguarde Novas Atualizações