Pr. Dionatan Freitas

Pr. Dionatan Freitas

Sede Estadual - GO [email protected]

Pr. David Scarinci

Pr. David Scarinci

Sede Estadual – PA   [email protected]

Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Estadual – CE   [email protected]  

Pr. Wadson Medeiros

Pr. Wadson Medeiros

Sede Estadual – RS [email protected]

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal [email protected]

Pr. Ademir Pereira

Pr. Ademir Pereira

Sede Estadual - RN [email protected]  

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – PB [email protected]

Pr. Márcio Candido

Pr. Márcio Candido

Sede Estadual – PE [email protected]

Pr. Jean Vilela

Pr. Jean Vilela

Sede Estadual – MG [email protected]

Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – AM [email protected]

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Distrital – DF   [email protected]

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – MA [email protected]

Pr. Weslley Santos

Pr. Weslley Santos

Sede Estadual – AL [email protected]

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Nacional – SP   [email protected]  

Pr. Marcelo Torres

Pr. Marcelo Torres

Sede Estadual - SE [email protected]

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – BA   [email protected]

Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Estadual - PI [email protected]

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – PR [email protected]

Pr. Alexandre Teodoro

Pr. Alexandre Teodoro

Sede Estadual – RJ [email protected]

Quais são as causas da intolerância à lactose?

A intolerância à lactose causa uma incapacidade de digerir esse açúcar devido a uma deficiência da enzima lactase. Quais são os fatores que podem gerar essa condição?

Não conseguir digerir a lactose é um problema que afeta um número cada vez maior de pessoas, já que há a influência não só de fatores genéticos, mas também ambientais. Felizmente, isso às vezes pode ser corrigido, mas é essencial prestar atenção às causas da intolerância à lactose.

Em primeiro lugar, cabe destacar que uma intolerância não é o mesmo que uma alergia. Enquanto uma alergia é uma reação autoimune desproporcional diante de um antígeno, a intolerância geralmente é a incapacidade de digerir ou de metabolizar um determinado nutriente.

Principais causas da intolerância à lactose

A intolerância à lactose pode ter uma etiologia muito diversa. Existe um componente genético que foi identificado e evidenciado em um estudo publicado na revista Gut.

Por esse motivo, certas pessoas não têm as informações genéticas necessárias para desenvolver a enzima que metaboliza o açúcar conhecido como lactase.

No entanto, em outras ocasiões, o problema pode ser bacteriano. Uma disbiose intestinal, ou alteração da biodiversidade da microbiota intestinal, pode condicionar o aparecimento de uma intolerância à lactose transitória.

Assim afirma uma pesquisa publicada na revista Critical Reviews in Food Science and Nutrition. Felizmente, esse problema responde muito bem ao tratamento com probióticos e pode ser resolvido em pouco tempo.

Além disso, a intolerância à lactose pode ser gerada a partir de uma supressão temporária do seu consumo.

Assim, se a ingestão de lactose for completamente suprimida durante tempo suficiente, o corpo para de produzir a lactase, pois entende que não precisa dela e esse processo custa energia. Quando o nutriente é reintroduzido na dieta, ele pode não ser mais digerido adequadamente.

A lactose não é ruim

Apesar das alegações atuais que afirmam o contrário, a lactose não é um nutriente prejudicial para a saúde. Não foi demonstrado que ela é capaz de causar um estado inflamatório prejudicial ao organismo, pelo menos não nas doses dietéticas habituais.

Por isso, exceto no caso de intolerância genética corretamente diagnosticada, não há motivos para restringir a sua ingestão.

Além disso, nos casos de intolerância à lactose, uma boa opção antes de eliminar completamente a presença desse açúcar na dieta pode ser experimentar o tratamento com probióticos.

Esses microrganismos têm se mostrado muito eficazes para a prevenção dos sintomas associados ao problema. Eles conseguem até mesmo reverter a situação, estimulando a produção de lactase pelas bactérias que vivem no intestino.

A importância de uma alimentação variada

Um aspecto que deve ser levado em consideração para a elaboração de uma dieta é a necessidade de que ela seja variada e balanceada.

Os grupos de alimentos não devem ser restringidos sem orientação médica prévia derivada da existência de uma patologia diagnosticada. Caso contrário, o remédio pode ser pior do que a doença.

O ideal é incluir alimentos frescos. Só é necessário evitar os produtos ultraprocessados e os tóxicos, como o álcool, por exemplo. Esse tipo de substância não oferece nenhum nutriente benéfico para o organismo e, além disso, também é capaz de aumentar a incidência de patologias crônicas e complexas.

Não restrinja a lactose se você não for intolerante

A intolerância à lactose é um mal comum em algumas comunidades que suprimiram a ingestão de laticínios há muitos anos. Um exemplo é o povo chinês. No entanto, nos países ocidentais, exceto em casos específicos de alterações genéticas, esse nutriente é digerido de forma adequada.

Atualmente, muitas das causas da intolerância à lactose correspondem a um quadro de disbiose intestinal. Isso é corrigido adequadamente por meio do uso de suplementos probióticos. Dessa forma, a digestão deste açúcar é melhorada e os sintomas associados são reduzidos.

No entanto, se você acha que a lactose faz você se sentir mal, o melhor a fazer é procurar um especialista para avaliar o problema. Se você for diagnosticado com uma intolerância, comece experimentando um tratamento conservador.

Se ele não surtir efeito, pode ser que a origem seja genética, então a melhor solução será remover a lactose da dieta ou introduzir a enzima lactase de forma exógena.

Fonte: Fitpeople


bannerMemorial

Aguarde Novas Atualizações