Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Distrital – DF   [email protected]

Pr. Gilvan Gomes

Pr. Gilvan Gomes

Sede Estadual - SE [email protected]

Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – AM [email protected]

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – RJ [email protected]

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – BA   [email protected]

Pr. Crescio Rezende

Pr. Crescio Rezende

Sede Estadual - RN [email protected]

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – AL [email protected]

Pr. Emerson Stevanelli

Pr. Emerson Stevanelli

Sede Estadual – PB [email protected] [email protected]

Pr. Raphael Batista

Pr. Raphael Batista

Sede Estadual – RS [email protected]

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Estadual - PI [email protected]

Pr. Reinaldo Rosário

Pr. Reinaldo Rosário

Sede Estadual – CE [email protected]

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – PE [email protected]

Pr. William Alves

Pr. William Alves

Sede Estadual – PA [email protected]

Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Estadual – MG [email protected]

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal [email protected]

Pr. Wesley Santos

Pr. Wesley Santos

Sede Estadual – PR [email protected]

Pr. Dionatan Freitas

Pr. Dionatan Freitas

Sede Estadual - GO [email protected]

Pr. Leonardo Pinheiro

Pr. Leonardo Pinheiro

Sede Estadual – MA [email protected]

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Internacional – SP   [email protected]  

Celular não causa câncer no cérebro, define estudo

Os aparelhos podem, no entanto, agravar tumores cerebrais já existentes.

Celulares não causam câncer no cérebro, aponta estudo publicado na revista Environment International. Apesar de ter sido associada a danos genéticos e câncer, os pesquisadores afirmam que não foi encontrada nenhuma evidência que comprove que a radiação de campo eletromagnético (EMF, na sigla em inglês) provinda dos telefones móveis possa desencadear o problema. No entanto, os resultados mostraram que a exposição ao EMF pode piorar o câncer cerebral, ou seja, pessoas com a doença apresentam risco de agravamento ao utilizarem o celular.

A pesquisa, realizada pelo Instituto de Saúde Global de Barcelona, na Espanha, analisou cerca de 9.000 pessoas de sete países; destas, 5.000 já tinham tumor no cérebro. A equipe ainda tentou determinar por meio de entrevistas se os participantes trabalhavam com fontes de radiação além do celular: 10% foram considerados com alta exposição e 1% com valores intermediários por causa da profissão ou de exames médicos, como raio-X. Esse foi o maior estudo do gênero até agora.

Risco de câncer

Alguns órgão de saúde têm alertado a população sobre o risco de câncer pela radiação presente nos celulares. Em 2011, por exemplo, a Agência Internacional para Pesquisa sobre o Câncer (IARC)agência intergovernamental que faz parte da Organização Mundial de Saúde (OMS), classificou o EMF como possivelmente causador de câncer em humanos. Estudos tentaram compreender as consequências do contato com o celular; alguns até mesmo conseguiram associar a exposição a outros problemas, como aborto espontâneo.

Entretanto, os cientistas não conseguiram encontrar qualquer evidência de que o câncer cerebral possa ser causado pelo dispositivo.

Aborto espontâneo

De acordo com estudo publicado no ano passado, os telefones celulares aumentam em 48% o risco de aborto espontâneo; o mesmo resultado foi encontrado diante do Wi-Fi. Os resultados indicam que mulheres grávidas que se expõem a altos níveis de radiação EMF, como dispositivos móveis, linhas de energia e torres de celular tem maiores chances de perder o bebê do que as que têm menor contato.

A pesquisa indica que os níveis mais altos trazem 24,2% de chance, enquanto valores menores apresentaram 10,4%.  A explicação é simples: o campo magnético causa estresse no corpo, provocando danos genéticos que podem levar ao aborto espontâneo. Os pesquisadores ressaltaram que o risco é o mesmo para mulheres que já passaram pela perda involuntária do bebê e as que nunca apresentaram o quadro, independente do período da gestação.

As descobertas confirmam a preocupação da OMS, que já tinha recomendado a investigação dos efeitos da radiação na gravidez.

Desenvolvimento cerebral

Um estudo de 2012, publicado no periódicoNature Scientific Reports, apontou que a radiação dos celulares usados durante a gravidez pode prejudicar o desenvolvimento cerebral dos bebês, elevando o risco de problemas como hiperatividade ansiedade, sintomas associados ao transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). A pesquisa experimental foi feita em camundongos fêmeas grávidas; os animais foram expostos a duas situações: celular ligado e no modo silencioso (recebendo ligações) e celular desligado.

Os resultados indicaram que os fetos expostos à radiação do aparelho (ligado) tinham maior probabilidade de ser hiperativos e mais ansiosos, além de ter capacidade de memória reduzida. Os pesquisadores atribuíram essas alterações comportamentais a um efeito que ocorreu durante a gravidez que afetou o desenvolvimento dos neurônios na região cerebral do córtex pré-frontal.

Fonte: VEJA


bannerMemorial

Segunda, dia 10/12, 19h Reunião Geral de Líderes e Obreiros       SEDE INTERNACIONAL     Av. Cruzeiro do Sul, 1965 - Santana - São Paulo - SP