Pr. Leonardo Pinheiro

Pr. Leonardo Pinheiro

Sede Estadual – MA [email protected]

Pr. Raphael Batista

Pr. Raphael Batista

Sede Estadual – RS [email protected]

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – AL [email protected]

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – PE [email protected]

Pr. Dionatan Freitas

Pr. Dionatan Freitas

Sede Estadual - GO [email protected]

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Internacional – SP   [email protected]  

Pr. Gilvan Gomes

Pr. Gilvan Gomes

Sede Estadual - SE [email protected]

Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Estadual – MG [email protected]

Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – AM [email protected]

Pr. Reinaldo Rosário

Pr. Reinaldo Rosário

Sede Estadual – CE [email protected]

Pr. Crescio Rezende

Pr. Crescio Rezende

Sede Estadual - RN [email protected]

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – RJ [email protected]

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal [email protected]

Pr. William Alves

Pr. William Alves

Sede Estadual – PA [email protected]

Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Distrital – DF   [email protected]

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Estadual - PI [email protected]

Pr. Emerson Stevanelli

Pr. Emerson Stevanelli

Sede Estadual – PB [email protected]

Pr. Wesley Santos

Pr. Wesley Santos

Sede Estadual – PR [email protected]

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – BA   [email protected]

Dieta líquida pode reverter diabetes tipo 2, revela estudo

Pesquisadores afirmam que 46% dos participantes acima do peso que se alimentaram de sopas e shakes por três meses conseguiram reverter a doença.

Seguir uma dieta líquida (baseada em sopas e shakes) pode reverter quadros de diabetes tipo 2, aponta estudo publicado esta semana na revista científica The Lancet: Diabetes & Endocrinology. A mudança alimentar conseguiu reverter a doença em 46% das pessoas no primeiro ano depois do estudo. Além disso, 64% dos indivíduos que perderam mais de 10 quilos mantiveram os resultados de reversão dois anos após o fim da pesquisa.

Os pesquisadores acreditam que a reversão da doença foi possível porque a dieta rigorosa consegue alterar a gordura ao redor do pâncreas, o que ajuda a recuperar a produção de insulina, hormônio responsável por controlar a glicemia (taxa de glicose no sangue). “Esses resultados mostram um desenvolvimento significativo e finalmente derrubam a era do diabetes tipo 2 como uma doença progressiva e vitalícia”, comentou Roy Taylor, da Universidade de Newcastle, no Reino Unido, à revista americana Time

Apesar disso, a equipe salientou que evitar o retorno do peso é fundamental para manter a condição sob controle. Isso significa que se o indivíduo voltar a ganhar peso em algum momento da vida, o diabetes pode retornar também. Segundo especialistas, o número de pessoas com diabetes tipo 2 no mundo tem crescido em decorrência da epidemia de obesidade. Portanto, esses achados trazem soluções tanto para a obesidade quanto para o diabetes.

Dieta

O estudo inicial envolveu 300 pessoas com idade entre 20 e 65 anos, diagnosticadas com diabetes tipo 2 e índice de massa corporal (IMC) entre 27 e 45 quilos por metro quadrado (kg/m2), o que corresponde a um índice entre sobrepeso e obesidade grave. Os participantes foram divididos em dois grupos: o primeiro recebeu o tratamento padrão para a doença; já o segundo participou de um programa para controle de peso no qual precisavam seguir uma dieta líquida de 12 a 20 semanas.

Esse tipo de dieta consiste em se alimentar apenas de sopas e shakes em pó e a ingestão diária não deve passar de 850 calorias, distribuídas em quatro pequenas refeições ao longo do dia. Para alguns especialistas, esse tipo de alimentação ajuda a manter a disciplina, especialmente para quem já falhou em seguir diversas dietas.

Em entrevista à rede britânica BBC, Joe McSorley, um dos participantes do estudo, disse que achou difícil se alimentar apenas de shakes de baixa caloria todos os dias. No entanto, os resultados positivos não demoraram a aparecer: uma perda de 17 quilos em apenas 12 semanas.

Ao final do estudo, o grupo da dieta recebeu apoio de um profissional de saúde (enfermeira ou nutricionista) para ajudá-los a reintroduzir comida sólida na alimentação, de maneira que pudessem manter a perda de peso. Mesmo após o fim da dieta líquida, os pesquisadores continuaram acompanhando os participantes pelos dois anos seguintes e notaram o reflexo do menor peso na diabetes tipo 2: um ano depois, 46% dos participantes haviam revertido o quadro diabético.

Ainda assim, entre o primeiro e segundo ano pós-estudo, os participantes recuperaram um pouco do peso – o que era esperado pelos pesquisadores. McSorley, por exemplo, ganhou quatro quilos, mas conseguiu manter o peso estabilizado na última avaliação. Por causa do retorno do peso, no segundo ano, apenas 36% dos participantes mantiveram a reversão do diabetes. Ainda assim, 64% daqueles que perderam mais de 10 quilos conservaram os resultados após dois anos de acompanhamento.

Diabetes revertida

Segundo a equipe, 75% dos pacientes diabéticos que participaram da pesquisa vinham lutando para estabilizar a doença através de medicações para controlar os níveis de açúcar. “Tudo o que eu poderia imaginar para o futuro era continuar tomando os medicamentos para sempre”, comentou McSorley. Felizmente, ao final do estudo, a porcentagem de participantes com necessidade de remédio caiu para 40%. Enquanto isso, no grupo de controle – que recebeu o tratamento padrão – o índice de medicação subiu de 77% para 84%.

Para confirmar o estado de remissão dos pacientes (sem diabetes), os cientistas mediram os níveis de glicose no sangue a longo prazo: aqueles que, sem a medicação, conseguiram manter a taxa em menos de 48 mmol/mol foram considerados com a diabetes revertida.

Perda de peso

Embora os resultados sejam positivos, especialistas afirmam que a perda de peso pode não ser suficiente para reverter o quadro de diabetes tipo 2. Isso porque 16% dos participantes que perderam 15 quilos ou mais ao longo dos dois anos de acompanhamento continuaram com a doença. “É possível que o maior tempo de convivência com o diabetes antes de perder peso ou talvez fatores dietéticos ou genéticos possam ter contribuído para esse resultado”, explicou Nicola Guess, do King’s College London, no Reino Unido, à BBCPor esse motivo, a equipe destacou a necessidade de mais pesquisas para compreender porque esse fenômeno ocorre em alguns pacientes. 

Além disso, dietas restritivas podem não gerar os mesmos resultados para todas as pessoas. Portanto, recomenda-se procurar um profissional de saúde antes de iniciar qualquer dieta para receber boas orientações a respeito da mudança alimentar.

Fonte: VEJA


bannerMemorial

Dom. dia 02/06, às 8h Reunião do Santo Jejum     SEDE GUARULHOS           Av. Guarulhos, 80 - Centro - Guarulhos - SP