Pr. Danilo Queiroz

Pr. Danilo Queiroz

Sede Estadual – CE   [email protected]  

Pr. Márcio Candido

Pr. Márcio Candido

Sede Estadual – PA [email protected]

Pr. Raphael Batista

Pr. Raphael Batista

Sede Estadual – RS [email protected]

Pr. Weslley Santos

Pr. Weslley Santos

Sede Estadual – AL [email protected]

Pr. Jean Vilela

Pr. Jean Vilela

Sede Estadual – MG [email protected]

Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Estadual – PE [email protected]

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – BA   [email protected]

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – MA [email protected]

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – PR [email protected]

Pr. Dionatan Freitas

Pr. Dionatan Freitas

Sede Estadual - GO [email protected]

Pr. Ademir Pereira

Pr. Ademir Pereira

Sede Estadual - RN [email protected]  

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – PB [email protected]

Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Estadual - PI [email protected]

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Nacional – SP   [email protected]  

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Distrital – DF   [email protected]

Pr. Alexandre Teodoro

Pr. Alexandre Teodoro

Sede Estadual – RJ [email protected]

Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – AM [email protected]

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal [email protected]

Pr. Marcelo Torres

Pr. Marcelo Torres

Sede Estadual - SE [email protected]

Insônia: como dormir bem em tempos de quarentena e pandemia

Especialistas explicam que a falta de rotina, exercícios e luz do sol, combinada com ansiedade e medo dos riscos iminentes, afetam diretamente a qualidade do sono. Saiba como contornar isso

A pandemia de Covid-19 transformou repentinamente a vida das pessoas. O distanciamento  social, medida que ajuda a achatar a curva de contágio do novo coronavírus (Sars-CoV-2), nos obrigou a reorganizar o dia a dia dentro de casa, muitas vezes aumentando o nível de estresse.

Uma das consequências de tanta mudança e tensão é a insônia, que nada mais é do que a dificuldade para pegar no sono ou dormir uma noite inteira. Dados disponibilizados pelo Google com exclusividade a GALILEU mostram que abril foi o mês em que mais se buscou o termo "insônia" na plataforma. O assunto está quase sempre relacionado a quarentena e medicamentos — a pesquisa por "remédio para insônia" aumentou 130% nos mês passado.

Se esse é o seu caso, tenha calma: a dificuldade para dormir pode ser normal diante desse momento de incertezas, más notícias e medo dos riscos envolvendo saúde e trabalho. Mas alguns hábitos podem ajudar a melhorar o descanso noturno — e a falta deles tende a piorá-lo. 

A diminuição da exposição ao sol é um desses fatores, já que ela é uma das formas de sincronizar o ritmo biológico, fazendo com que o corpo saiba qual é a hora de estar acordado e qual é a hora de dormir. "A falta de sol inibe a liberação da melatonina, hormônio que regula o sono. Sincronizada com o fim da luminosidade do dia, ela é produzida para nos preparar para o período noturno", explica a neurologista Gisele Minhoto, professora da Escola de Medicina da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Assim, um dos jeitos de ajudar o corpo a combater a insônia pode ser abrir as janelas e cortinas durante o dia e se expor à luz solar pela manhã. 

Outra prática que não deve ser deixada de lado são as atividades físicas. Ficar parado afeta a quantidade de energia que deveria ser gasta ao longo do dia, e ficamos menos cansados quando vamos dormir. "Praticar exercícios, mesmo dentro de casa, é essencial para regular o organismo. As academias disponibilizam aplicativos fáceis para que os usuários tenham seu treino guiado", recomenda Minhoto.

Outras orientações para ajudar a manter a insônia longe é comer em horários regulares, diminuir o ritmo de atividades ao cair da tarde, evitar o uso de tablets e celulares pelo menos duas horas antes de ir para a cama e fazer o possível para deitar e levantar sempre no mesmo horário. "Fazer atividades monótonas, como ler um livro ou ouvir uma música calma se não estiver conseguindo dormir, pode ajudar o sono a chegar. Entretanto, ficar pensando que é preciso dormir logo pode aumentar o estresse e afastar o sono", ressalta a médica.

Apesar de a insônia não oferecer um risco à saúde por si só, ela pode se tornar crônica e acabar afetando o corpo e a mente de outras formas. Segundo o médico Gustavo Moreira, pesquisador do Instituto do Sono, em São Paulo, não dormir bem por muito tempo pode causar cansaço, ansiedade, irritabilidade e até depressão.

Preste atenção se tiver insônia mais de três vezes por semana por, ao menos, três meses consecutivos. Nesses casos, a orientação de um especialista pode ser necessária.

*Com supervisão de Luiza Monteiro

Fonte: revistagalileu


bannerMemorial

Aguarde Novas Atualizações