Entenda a tensão entre Rússia e Ucrânia na fronteira entre os países

Tropas russas a postos, próximas à fronteira entre as duas nações, levantam temores de que Moscou possa iniciar uma invasão nas próximas semanas ou meses.

As tensões entre a Ucrânia e a Rússia estão em seu ponto mais alto dos últimos anos, com uma tropa russa a postos próxima à fronteira entre as duas nações, levantando temores de que Moscou possa iniciar uma invasão nas próximas semanas ou meses.

A Ucrânia alertou ao fato de que a Rússia estaria tentando desestabilizar o país antes de qualquer invasão militar. Autoridades ocidentais aconselharam repetidamente a Rússia nas semanas recentes contra avanços mais agressivos.

O Kremlin nega estar planejando um ataque e nega que o apoio da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) à Ucrânia – que inclui maiores suprimentos de armamento e treinamento militar – constitua uma ameaça crescente ao flanco oeste da Rússia.

Qual é a situação atual na fronteira?

Os Estados Unidos e a Otan descreveram os movimentos e concentrações de soldados dentro e ao redor da Ucrânia como “incomuns”.

Cerca de 100 mil soldados russos permanecem acumulados na fronteira ucraniana, apesar de alertas do presidente dos EUA, Joe Biden, e líderes europeus para sérias consequências no caso de Vladimir Putin avançar com uma invasão. Os serviços de inteligência norte-americanos estimaram que a Rússia poderia começar uma ofensiva militar na Ucrânia “tão logo quanto o início de 2022”.

No final de 2021, fotos feitas por satélites revelaram aparelhagem russa – incluindo armas autopropulsionadas, tanques de guerra e veículos de infantaria – em movimento em uma aréa de treinamento a cerca de 300 quilômetros da fronteira. Poucas outras informações foram divulgadas ao público para endossar as alegações ocidentais de um aumento da ameaça.

Muitas das bases militares da Rússia estão a Oeste do vasto país – a direção onde a maioria das ameaças chega, como sugere a história. O ministro da Defesa da Rússia disse em 1 de dezembro que havia começado seus treinos militares “tradicionais” de inverno na região Sul, parte que divide fronteira com a Ucrânia. Os exercícios envolvem mais de 10 mil soldados, disse.

Enquanto isso, as regiões Donetsk e Luhansk, áreas da divisão com a Rússia, conhecidas como Donbas, estão sob controle de separatistas apoiados pelos russos desde 2014. As forças russas também são presentes na área, referidas pela Ucrânia como “territórios temporariamente ocupados”, título negado pela Rússia.

As linhas de frente do conflito mal se moveram nos últimos cinco anos, mas há frequentes choques de pequena escala e ataques de franco-atiradores. A Rússia enfureceu-se quando forças ucranianas implantaram um drone de combate feito na Turquia pela primeira vez em outubro, para atacar uma posição mantida por separatistas pró-Rússia.

A Rússia também possui forças na casa das dezenas de milhares em sua enorme base naval na Crimeia, o território ucraniano que anexou em 2014. A península da Crimeia, que está no Sul do resto da Ucrânia, está agora conectada por uma ponte à Rússia Continental.

Qual a história do conflito entre Ucrânia e Rússia?

As tensões entre Ucrânia e Rússia, ambos ex-estados soviéticos, escalaram em 2013, após um acordo político e comercial histórico com a União Europeia. Após o então presidente pró-Rússia, Viktor Yanukovych, suspender os diálogos – supostamente sob pressão de Moscou – semanas de protestos em Kiev explodiram em violência.

Então, em março de 2014, a Rússia anexou a Crimeia, uma península autônoma no sul da Ucrânia, com lealdade forte à Rússia, com o pretexto de que estaria defendendo os interesses locais e dos cidadãos de herança russa.

Primeiramente, milhares de soldados de herança russa, apelidados de “pequenos homens verdes” e posteriormente reconhecidos por Moscou como soldados russos, invadiram a península da Crimeia. Dentro de dias, a Rússia completou sua anexação em um referendo que foi apontado pela Ucrânia e por vários outros países como ilegítimo.

Pouco tempo depois, separatistas pró-Rússia nas regiões ucranianas de Donetsk e Luhansk declararam sua independência de Kiev, levando a meses de conflitos. Apesar de Kiev e Moscou terem assinado um acordo de paz em Minsk, em 2015, intermediado pela França e pela Alemanha, ocorreram repetidas violações do cessar-fogo.

De acordo com dados da Organização das Nações Unidas (ONU), ocorreram mais de 3 mil mortes de civis relacionadas ao conflito no leste da Ucrânia desde março de 2014.

A União Europeia e os Estados Unidos impuseram uma série de medidas em resposta às ações russas na Crimeia e no leste ucraniano, incluindo sanções econômicas mirando indivíduos, entidades e setores específicos da economia russa.

O Kremilin acusa a Ucrânia de causar tensões no leste do país e violar o acordo de cessar-fogo de Minsk.

Qual a visão da Rússia?

O Kremlin negou repetidamente que a Rússia planeja invadir a Ucrânia, insistindo que a Rússia não impõe uma ameaça a ninguém e que as tropas que se movimentam dentro do território não deviam causar alarme.

Moscou enxerga o crescente apoio da Otan à Ucrânia – em termos de armamento, treinamento e pessoal – como uma ameaça à própria segurança. Também acusa a Ucrânia de aumentar seus próprios números de tropas em preparação para uma tentativa de retomar a região de Donbas, uma alegação que o país negou.

O presidente russo, Vladimir Putin, pediu por acordos legais específicos que impediriam uma maior expansão da Otan em direção às fronteiras russas, dizendo que o Ocidente não cumpriu suas afirmações verbais prévias.

Putin também disse que o envio de armas sofisticadas para a Ucrânia por parte da Otan, como sistemas de mísseis, é cruzar uma “linha vermelha” para a Rússia, em meio às preocupações de Moscou sobre o aumento do poder bélico ucraniano patrocinado pela Otan.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse em novembro que armas e conselheiros militares já estavam sendo fornecidos para a Ucrânia pelos Estados Unidos e outros estados-membro da Otan. “E tudo isso, claro, leva a uma agravação futura da situação na fronteira”, disse.

Se os EUA e seus aliados não mudarem de curso na Ucrânia, o ministro de Relações Exteriores russo, Sergey Lavrov, alertou que Moscou tem o “direito de escolher formas de garantir seus interesses legítimos de segurança”.

Qual a visão ucraniana?

O governo ucraniano insiste que Moscou não pode impedir Kiev de construir laços mais próximos com a Otan, caso queira.

“A Rússia não pode impedir a Ucrânia de se aproximar da Otan, e não tem direito de ter voz em discussões relevantes”, disse o ministro de Relações Exteriores em posicionamento a CNN, em resposta a pedidos russos de que a Otan pare seu avanço na direção leste.

“Quaisquer propostas russas para discutir com a Otan ou os EUA as tão ditas garantias de que a Aliança não se expandiria para o Leste são ilegítimas”, acrescentou.

A Ucrânia insiste que a Rússia está buscando desestabilizar o país, com o presidente, Volodymyr Zelensky, dizendo recentemente que um planejamento de golpe, envolvendo russos e ucranianos, foi descoberto.

O ministro de Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, avisou que um golpe poderia ser parte do plano russo anterior a uma invasão militar. “A pressão militar externa anda de mãos dadas com a desestabilização doméstica do país”, ele disse.

As tensões entre os dois países foram exacerbadas pelo agravamento de uma crise energética na Ucrânia, que Kiev acredita ter sido causada propositalmente por Moscou.

Ao mesmo tempo, o governo de Zelensky enfrenta desafios em muitas frentes. A popularidade do governo estagnou em meio a diversas polêmicas de política doméstica, incluindo uma terceira onda de infecções pela Covid-19 nas últimas semanas e uma economia desequilibrada.

Muitas pessoas também estão insatisfeitas com o fato de que o governo não entregou benefícios prometidos e não terminou o conflito no Leste do país. Protestos anti-governo ocorreram em Kiev.

O que a Otan diz?

O secretário-geral Jens Stoltenberg disse que “a Russia terá um preço alto a pagar” se ela invadir novamente a Ucrânia, um parceiro da Otan.

“Temos uma ampla gama de opções: sanções econômicas, sanções financeiras, restrições políticas”, disse Stoltenberg, em entrevista à CNN em 1º de dezembro.

Depois que a Rússia invadiu a Ucrânia em 2014, a Otan aumentou suas defesas “com grupos de batalha prontos para o combate na parte oriental da Aliança, nos países bálticos, na Letônia…mas também na região do Mar Negro”, disse Stoltenberg.

A Ucrânia não é membro da Otan e, portanto, não tem as mesmas garantias de segurança que os membros. Mas Stoltenberg deixou aberta a possibilidade de a Ucrânia se tornar membro da Organização, dizendo que a Rússia não tem o direito de dizer à Ucrânia que não pode buscar a adesão.

O que dizem os Estados Unidos?

O presidente Joe Biden disse ao presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, em um telefonema em janeiro de 2022, que os EUA e seus aliados “responderão de forma decisiva se a Rússia invadir ainda mais a Ucrânia”.

Os dois falaram poucos dias depois de Biden ter instado Putin a aliviar a crise na fronteira, e antes que autoridades russas e americanas se encontrem pessoalmente em Genebra no final deste mês. O secretário de Estado, Antony Blinken, também alertou a Rússia que “qualquer agressão pode desencadear consequências graves.”

Os EUA entregaram cerca de US$ 450 milhões em assistência à segurança para a Ucrânia em 2021, disse o Pentágono, incluindo um pacote de armas pequenas e munições em dezembro.

O governo Biden também ponderou o envio de conselheiros militares e novos equipamentos, incluindo armamento mais substancial, à Ucrânia para se preparar para uma possível invasão, disseram fontes familiarizadas com as deliberações à CNN em novembro.

O governo Obama foi pego de surpresa quando a Rússia invadiu a Crimeia em 2014 e apoiou uma insurgência na região de Donbas. Autoridades americanas dizem que estão determinadas a não serem estarrecidos por outra operação militar russa.

“Nossa preocupação é que a Rússia possa cometer um erro grave ao tentar refazer o que empreendeu em 2014, quando reuniu forças ao longo da fronteira, cruzou em território ucraniano soberano e o fez alegando falsamente que foi provocada”, disse Blinken em novembro.

Que outros fatores estão em jogo?

Outra grande questão gira em torno do fornecimento de energia. A Ucrânia vê o polêmico gasoduto Nord Stream 2 – conectando os suprimentos de gás da Rússia diretamente à Alemanha – como uma ameaça à sua própria segurança.

O Nord Stream 2 é um dos dois oleodutos que a Rússia instalou debaixo d’água no Mar Báltico, além de sua rede tradicional de oleodutos terrestres que atravessa a Europa Oriental, incluindo a Ucrânia.

Kiev vê os oleodutos em toda a Ucrânia como um elemento de proteção contra uma invasão da Rússia, uma vez que qualquer ação militar poderia interromper o fluxo vital de gás para a Europa.

Analistas e legisladores dos EUA levantaram preocupações de que o Nord Stream 2 aumentará a dependência europeia do gás russo e poderia permitir que Moscou visasse seletivamente países como a Ucrânia com cortes de energia, sem interrupção mais ampla do abastecimento europeu. Contornar os países do Leste Europeu também significa que essas nações seriam privadas das lucrativas taxas de trânsito que a Rússia pagaria de outra forma.

Em maio de 2021, a administração Biden renunciou às sanções contra a empresa por trás do Nord Stream 2, dando-lhe o sinal verde. Autoridades americanas dizem que a medida é do interesse da segurança nacional dos Estados Unidos, pois busca reconstruir relações desgastadas com a Alemanha.

Em novembro, os EUA impuseram novas sanções a uma entidade ligada à Rússia e a um navio ligado ao Nord Stream 2.

Alguns senadores americanos pediram a imposição de mais sanções para impedir a Rússia de usar o oleoduto como arma; A Ucrânia também pediu medidas mais duras.

Fonte: CNN Brasil

Algas podem ser solução para crise do plástico do mundo

Startup londrina, Notpla está desenvolvendo embalagens que podem ser compostadas, dissolvidas ou até ingeridas após o uso.

Depois de terminar as suas batatas fritas, coma o sachê de ketchup. Quando colocar uma massa na água para ferver, jogue também o saco dentro da panela. 

As instruções parecem esquisitas, mas não para quem já conhece a Notpla, uma startup com sede em Londres (Inglaterra) que está criando um substituto à base de algas para embalagens de plástico descartáveis. Fundada em 2014, a empresa encerrou no mês passado uma rodada de financiamento de 10 milhões de libras esterlinas (cerca de R$ 76,9 milhões), liderada pela empresa VC Horizons Ventures, para escalar e desenvolver ainda mais a sua linha de produtos. 

Espera-se que os produtos da Notpla sejam compostáveis ou dissolvidos após o uso –e alguns são até comestíveis. As opções atuais incluem sachês de condimentos, água e até álcool; uma película para produtos da despensa ou banheiro, como café ou papel higiênico; e caixas para alimentos entregues no delivery que substituem o revestimento à base de plástico por um de algas para torná-las totalmente biodegradáveis. 

A diretora de design da Notpla, Karlijn Sibbel, diz que sua equipe olha para a natureza como inspiração “para a embalagem ideal”, tal qual a pele numa fruta. “Uma casca é sempre usada (como nutriente) pela natureza, desaparece e se torna parte do ciclo”, exemplificou. 

Trata-se de uma abordagem especialmente relevante enquanto o mundo lida com os efeitos de décadas de produção de plástico sem restrições. De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), 331 milhões de toneladas de resíduos plásticos são produzidos globalmente todos os anos, e dos estimados 9,15 bilhões de toneladas de plástico produzido desde o início da década de 1950, cerca de 60% foram jogados em aterros ou descartados ao ar livre. Microplásticos (partículas minúsculas que são, frequentemente, o resultado de plásticos maiores que se desmembram) poluem o oceano, o ar e nossos corpos. 

Ao longo dos últimos anos, tem havido um movimento crescente contra os plásticos de uso único. Muitos especialistas argumentam que os produtos são desnecessários e nocivos, e as empresas foram atacadas por utilizá-los excessivamente – por exemplo: em 2019, uma imagem de laranjas descascadas e empacotadas individualmente pela rede norte-americana Whole Foods viralizou na internet. Nos Estados Unidos, alguns estados e municípios tomaram medidas nesse sentido. O estado de Nova York proibiu a maior parte dos sacos de plástico para compras. Miami Beach tornou ilegal o uso de canudos de plástico. A União Europeia proibiu os plásticos de uso único em meados do ano passado, e a Índia planeja seguir o exemplo no próximo ano, conforme o governo anunciou em agosto. 

“Está cada vez mais claro o tamanho do problema do plástico”, disse Sibbel. Os fabricantes estão “usando materiais que duram milhares dos anos” para os produtos que serão usados “por alguns minutos”. 

“Essa incompatibilidade é algo que precisamos resolver”, acrescentou.

Os fundadores da Notpla, Rodrigo García González e Pierre Paslie, inicialmente procuraram algas como solução para o problema plástico do mundo porque elas são abundantes, crescem rapidamente, não competem com lavouras e sequestram o carbono do ar, conforme explicou a diretora da empresa. 

Há também muitas espécies diferentes de algas marinhas, e elas podem ser colhidas ou cultivadas. A Notpla utiliza espécies plantadas. 

“As algas não usam a terra, não precisam de pesticidas. Podem crescer nos oceanos e nos mares, para os quais trazem benefícios ao criar ecossistemas para que outros organismos prosperem”. 

Desde a sua fundação, a startup recebeu subsídios da agência governamental britânica Innovate UK e da organização sem fins lucrativos de economia circular Ellen MacArthur Foundation para o seu primeiro produto, o sachê Ooho, que embala porções individuais de líquidos. A nova rodada de financiamento busca aumentar a produção dos revestimentos Ooho e Notpla, ao mesmo tempo que desenvolve ainda mais o novo papel de algas marinhas e as películas multiuso. 

O papel é feito com fibras deixadas a partir da criação de outros produtos Notpla e pode ser aplicado em itens como embrulho para presente ou etiquetas de roupa. Já o filme ou película pode embrulhar a maioria dos produtos secos ou molhados com baixo teor de água. 

“O que é empolgante é que esta é uma película que pode substituir a maior parte das embalagens flexíveis que usamos no dia a dia”, contou Sibbel. Entre os potenciais produtos estão café moído, papel higiênico ou parafusos para montagem de mobiliário. Para os alimentos, tais como massas, eles até experimentaram a adição de sabores à embalagem, permitindo que a sua dissolução adicione um tempero ao prato. 

“É possível cozinhar com a embalagem. Como isso, podemos começar a repensar o que é possível fazer com esses materiais”, explicou. 

Alguns dos produtos da Notpla estão disponíveis online. Além disso, a empresa fechou parcerias importantes no Reino Unido e na Europa Ocidental para fornecer bebidas em festivais como o DGTL em Amsterdã, nos Países Baixos, e o Glastonbury em Somerset, Inglaterra. Em 2019, a Notpla distribuiu 36 mil Oohos cheios da bebida energética Lucozade Sport durante a Maratona de Londres, e forneceu cápsulas comestíveis Glenlivet na London Cocktail Week. 

No ano passado, a startup testou 30 mil caixas de delivery em diferentes restaurantes do Reino Unido, em colaboração com o serviço de encomenda de alimentos online Just Eat. Planos para oferecer as caixas em toda a Europa em 2022 estão em curso. 

Com a ampliação da oferta, a equipe da Notpla espera que as algas possam substituir o plástico de uso único na cadeia de suprimentos de forma mais ampla. No entanto, Sibbel sabe que a tarefa é imensa, dado o volume de plásticos usados em todo o mundo. 

“Eu não acho que um material ou solução vai resolver tudo, mas as algas de fato se encaixam nos pontos certos”, comentou. 

Repensar quando e por qual razão utilizamos o plástico será crucial para que a Notpla atue em outros setores. “O plástico pode fazer muitas coisas. Mas é sempre importante se perguntar ele é de fato necessário para este ou aquele uso”. 

A executiva cita como exemplo a embalagem de tomates, que tem buracos para deixar os alimentos respirar. 

“As propriedades do plástico não são necessárias. Então, para quê usá-los?”, Sibbel perguntou, rindo. “Espero ver o setor se mexendo e abraçando a mudança de uma forma positiva”. 

Fonte: CNN Brasil

Covid: capitais voltam a vacinar após Ano-Novo. Veja programação

Em Belo Horizonte, a prefeitura aplica a dose de reforço em trabalhadores do transporte coletivo e da limpeza urbana.

A vacinação contra a Covid-19 no Brasil volta à sua programação normal nesta segunda-feira (3), após interrupções e alterações de calendário entre 31 de dezembro e 2 de janeiro, e as capitais brasileiras imunizam novos grupos e faixas etárias.

Em Belo Horizonte, por exemplo, a prefeitura aplica a dose de reforço em trabalhadores do transporte coletivo e rodoviário de passageiros, metroviários, aeroviários, ferroviários, caminhoneiros, trabalhadores da limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos.

Confira como será a vacinação contra a Covid-19 em capitais brasileiras nesta segunda (3):

São Paulo

A cidade de São Paulo volta a oferecer a vacina contra a Covid-19 em todos os seus postos nesta segunda. A prefeitura segue com a imunização de reforço para os que completaram o esquema vacinal, com a primeira e a segunda dose, há pelo menos quatro meses. Continua também na capital a aplicação de uma dose adicional em todas as pessoas que tomaram o imunizante da Janssen há dois meses.

Adolescentes de 12 a 17 anos e adultos que ainda não receberam a primeira dose podem se imunizar. A segunda é destinada aos públicos elegíveis. Veja mais informações no Vacina Sampa.

Rio de Janeiro

A Prefeitura do Rio de Janeiro continua aplicando a dose de reforço nas pessoas a partir de 55 anos, bem como em qualquer adulto que tenha recebido a segunda dose há pelo menos quatro meses e nos imunossuprimidos com 12 anos ou mais cuja vacinação tenha sido concluída há pelo menos 28 dias.

A primeira e a segunda dose também estão disponíveis para adolescentes a partir dos 12 anos.

Belo Horizonte

A Prefeitura de Belo Horizonte aplica a dose de reforço em trabalhadores do transporte coletivo e rodoviário de passageiros, metroviários, aeroviários, ferroviários, caminhoneiros, trabalhadores da limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos, desde que a data da segunda dose tenha completado quatro meses. Saiba mais no site da prefeitura.

Goiânia

A Prefeitura de Goiânia aplica a primeira dose em adolescentes de 12 a 17 anos, bem como na população acima de 18 anos que ainda não se vacinou. A segunda dose da AstraZeneca e da Pfizer será aplicada naqueles que receberam a primeira há oito semanas (até o dia 8 de novembro), e a da CoronaVac naqueles com data marcada para 3 de janeiro ou em atraso. Quem recebeu a primeira dose da Janssen até 3 de setembro também pode tomar o reforço do mesmo imunizante.

A terceira dose será aplicada nas pessoas a partir de 18 anos que receberam a segunda dose até 3 de setembro e nos imunossuprimidos com 18 anos ou mais que receberam a segunda há pelo menos 28 dias (até 5 de dezembro).

Já a quarta dose é destinada aos imunossuprimidos acima de 18 anos com quatro meses de intervalo da terceira dose (até 3 de setembro). Saiba mais neste link.

Porto Alegre

A prefeitura da capital gaúcha continua aplicando a primeira dose no público a partir dos 12 anos, além de oferecer a segunda dose aos públicos elegíveis. Quem recebeu a CoronaVac até 6 de dezembro já pode ir aos postos, bem como aqueles que tomaram a Pfizer ou a AstraZeneca até 8 de novembro.

A terceira dose será destinada às pessoas acima de 18 anos vacinadas com a segunda dose até 3 de setembro e aos imunossuprimidos com esquema vacinal completo até 6 de dezembro.
Quem recebeu a Janssen até 30 de outubro também já pode tomar o reforço.

João Pessoa

A cidade de João Pessoa (PB) aplica a primeira dose no público a partir de 12 anos e a segunda em quem tomou a CoronaVac há mais de 28 dias, a AstraZeneca há três meses ou mais e a Pfizer há 60 dias.

A dose de reforço será disponibilizada para o público acima de 18 anos e trabalhadores da saúde, desde que tenham cumprido quatro meses da segunda dose, e para os imunossuprimidos que concluíram o esquema vacinal há pelo menos 28 dias. Todos devem agendar a aplicação pelo aplicativo Vacina João Pessoa ou site vacina.joaopessoa.pb.gov.br. Confira os pontos de vacinação e seus horários de funcionamento neste link.

Florianópolis

A Prefeitura de Florianópolis aplica a dose de reforço em imunossuprimidos que receberam a segunda dose até 5 de dezembro, bem como em qualquer adulto que tenha concluído o esquema vacinal até 2 de setembro. O reforço da Janssen é oferecido a quem recebeu a primeira dose do mesmo imunizante há pelo menos dois meses.

A segunda dose continua sendo aplicada nos públicos elegíveis, bem como a primeira em todos a partir de 12 anos que ainda não se imunizaram.

Fonte: R7

Salários de até R$ 60 mil: Saiba quais as profissões mais promissoras para 2022

Destacam-se as posições ligadas à transformação digital, ao comércio eletrônico e à inovação.

Para quem planeja um ano novo com trabalho novo, um levantamento feito pela PageGroup pode animar, apontando quais são as 39 profissões mais promissoras para 2022. Em algumas posições, o salário pode chegar a até R$ 60 mil por mês.

O estudo revela que a tecnologia irá continuar ditando os rumos do mercado de trabalho neste ano. Destacam-se as posições ligadas à transformação digital, ao comércio eletrônico e à inovação. A pesquisa contempla profissões consideradas de alto escalão, média e alta gerência, níveis técnicos e de apoio à gestão, além de terceiros e temporários.

De acordo com o presidente do PageGroup no Brasil, Gil van Delft, o avanço da vacinação e retorno das atividades econômicas têm oferecido cada vez mais buscas por profissionais do marketing e tecnologia.

“Também vimos uma tendência de contratações de executivos ligados a planejamento financeiro, redução de custos e expansão de novos mercados, além de um maior volume de posições ligadas à diversidade e inclusão”, diz.

O executivo também reforça que sua expectativa é de retomada e crescimento pós-pandemia e que, com isso, a expansão de empresas em negócios online deverá seguir em alta em 2022.

Para fazer o levantamento de cargos mais promissores, o grupo consulta, todos os anos, empresas de todos os portes de 14 setores distintos.

“A partir dessa conversa e do entendimento das reais necessidades de contratação, os consultores consolidam essas informações e produzem a relação final dos cargos com maior possibilidade de demanda das empresas”, explica a PageGroup.

Confira, abaixo, a lista completa de profissões e salários:

AGRONEGÓCIO

Desenvolvedor de software – AgroTechs
O que faz: parte integrante do time técnico de desenvolvimento de software, buscando novos produtos e soluções para atender o mercado.
Salário: R$ 7 mil a R$ 15 mil + remuneração variável

Gerente de desenvolvimento de negócios
O que faz: é a conexão entre o campo e a empresa, educando os produtores sobre as plataformas e novas soluções, fechando parcerias para melhoria do desempenho operacional.
Salário: R$ 15 mil a R$ 25 mil + remuneração variável

DIGITAL

Coordenador de mídias e performance
O que faz: responsável pela estratégia de mídia online, com foco em performance, conversão e alocação de orçamento para campanhas.
Salário: R$ 8 mil a R$ 12 mil

Especialista em SEO
O que faz: profissional especializado em melhoria de conteúdo e navegação para sites, comércio eletrônico, com o objetivo de melhorar o tráfego orgânico dentro dessas plataformas. Pretende facilitar o acesso dos usuários que buscam por determinado produto ou serviço on-line.
Salário: R$ 7 mil a R$ 10 mil

Analista de Business Intelligence
O que faz: responsável por coletar, organizar, transformar e monitorar os dados de determinado setor, transformando-os em gráficos, relatórios; identificar gargalos em processos e sistemas de forma a aumentar a eficácia do negócio e gerar dados relevantes sobre tendências futuras para tomadas de decisões estratégicas; analisar dados de companhias concorrentes e identificar quais as estratégias que podem ser aplicadas de forma a aperfeiçoar e tornar a companhia mais competitiva.
Salário: R$ 4 mil a R$ 11 mil
Engenharia, Manufatura e Logística 

Gerente de suprimentos
O que faz: a cadeira de suprimentos CAPEX é responsável pela aquisição de equipamentos, materiais e serviços voltados a projetos de investimento, o que em geral, apresentam elevado aporte financeiro. O profissional possui como principal contato os setores técnico e jurídico. É um profissional mais experiente, analítico, com grande ligação ao corporativo da companhia e forte habilidade em negociação de contratos nacionais e internacionais de alto orçamento.
Salário: R$ 10 mil a R$ 20 mil

Gerente de produção e manutenção
O que faz: responsável pela manutenção e controle da produção da indústria. Engenheiros e técnicos de manutenção elétrica, mecânica, metalúrgica e afins. São responsáveis por assegurar a promoção do foco no cliente e na organização, garantindo que os processos internos da companhia entreguem as saídas pretendidas. Possui foco nos processos de produção, análise e tratamento de não-conformidades por meio da implementação de ações corretivas e preventivas, com o objetivo principal de manter seus processos produtivos em funcionamento.
Salário: R$ 12 mil a R$ 20 mil

Gerente de logística
O que faz: responsável por gerir os processos da cadeia de suprimentos. Ele cuida de toda a circulação de serviços, mercadorias e informações a fim de garantir a máxima eficiência para a empresa, dirigindo, melhorando e coordenando o ciclo completo de pedidos, relacionar-se e negociar com fornecedores, fabricantes, varejistas e consumidores.
Salário: R$ 12 mil a R$ 22 mil

FINANÇAS

Product owner (Dono do Produto)
O que faz: responsável por descobrir e coordenar a implementação de novidades de mercado e melhorias para produtos da companhia.
Salário: R$ 10 mil a R$ 20 mil + variável

Head (líder) de crédito & cobrança
O que faz: responsável por garantir bom funcionamento da esteira de crédito e cobrança, assim como gestão de equipes.
Salário: R$ 20 mil e R$ 25 mil + variável

Analista contábil
O que faz: rotina de fechamento contábil, análise de balancetes, balanço, demonstrativo de resultados, índices financeiros, relatórios de entrada e saída, relatórios de contas específicas (como caixa e bancos, ativo imobilizado, fornecedores, etc).
Salário: R$ 7,5 mil a R$ 9 mil

Analista de planejamento financeiro
O que faz: baseia-se em análises e informações do passado (geralmente fornecidos pela contabilidade e controladoria) para projetar o futuro; elaboração de relatórios gerenciais, desenvolvimento de orçamento e previsão, cria cenários para dar suporte à tomada de decisão.
Salário: R$ 8 mil a R$ 9 mil

JURÍDICO

Gerente jurídico
O que faz: esta cadeira é a figura principal do jurídico das organizações, que atua no consultivo interno, e com olhar do que pode ser evitado, com a finalidade da mitigação de riscos e foco no planejamos das questões preventivas.
Salário: R$ 20 mil a R$ 30 mil

PCD (PESSOAS COM DEFICIÊNCIA)

Aquisição de Talentos – PCD
O que faz: responsável pela captação estratégica de talentos, atua no processo para encontrar, avaliar e contratar pessoas com potencial para contribuir com a empresa.
Salário: R$ 6 mil a R$ 7,5 mil

SAÚDE

Diretor de operações hospitalar
O que faz: tem a responsabilidade de gerenciar a unidade hospitalar perante a cadeia operacional: atendimento, nutrição, higienização e limpeza, manutenção hospital, farmácia e suprimentos, além de relacionar-se indiretamente com os setores: faturamento, relacionamento com parceiros, segurança e materiais/OPME. Deve traçar o planejamento estratégico e metodologias para problemáticas, tentando encontrar o equilíbrio financeiro e produtivo da unidade. Esse profissional, junto às áreas envolvidas, é o ponto principal de viabilidade de expansão de novos serviços e implementação de novos leitos nas diversas complexidades, complementando a volumetria/produção da unidade, bem como a rentabilidade. Garante os fluxos de processos recomendados por órgãos   hospitalares e indicadores.
Salário: R$ 30 mil a R$ 45 mil

Diretor comercial – medical devices
O que faz: cuida de toda estrutura de vendas da empresa, e em algumas estruturas essa posição pode abranger marketing também. É a posição que vai olhar para todos os clientes, empacotando e oferecendo soluções adequadas a cada necessidade.
Salário: R$ 30 mil a R$ 45 mil + 4 salários

CEO – Hospitais
O que faz: tem a responsabilidade de garantir que todos os aspectos do desempenho dos hospitais estejam funcionando de maneira eficiente. Ele precisa encontrar um equilíbrio na gestão das operações do dia a dia, relacionados à operação assistencial e jornada do paciente, e ao mesmo tempo, liderar iniciativas de desenvolvimento estratégico, necessárias para o sucesso a longo prazo.
Salário: R$ 40 mil a R$ 60 mil

Médico do trabalho – coordenador
O que faz: o médico coordenador contratado por determinada empresa ou indústria tem a responsabilidade de fazer a gestão da equipe médica e acompanhar o andamento da saúde dos colaboradores por meio de exames ocupacionais e assistenciais, assim como definir ações de melhoria por meio de programas preventivo e/ou corretivos.
Salário: R$ 8 mil a R$ 10 mil para 15 horas semanais

Analista de farmacovigilância
O que faz: realiza estudo de casos adversos de pacientes, acompanha o desempenho dos medicamentos e vacinas, que já estão no mercado e as ações que são realizadas e compartilhada pela vigilância sanitária dos estados, municípios e pela Anvisa.
Salário: R$ 5,3 mil a R$ 7 mil

TI (TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO)

PMO/Gerente de projetos
O que faz: profissionais que atuam em diversos projetos estratégicos das empresas, com possibilidade de atuação em implementação de sistemas e transformação digital. Garante o gerenciamento do projeto, equipes, processos e fornecedores.
Salário: R$ 12 mil a R$ 20 mil

Analista de BI/dados
O que faz: são profissionais que trazem soluções estratégicas para diversas áreas, analisando e estruturando dados e relatórios para auxiliar na tomada de decisões. O perfil de BI possui um foco maior no conhecimento de regras do negócio e conhecimento de mercado. E os profissionais de dados possuem um foco maior na organização, estruturação e padronização das informações nas empresas.
Salário: R$ 4,5 mil a R$ 12 mil

Analista de testes de software
O que faz: profissionais responsáveis por garantir a qualidade das soluções desenvolvidas e entregues pela empresa. Utilizam ferramentas tecnológicas e linguagem de programação para realizar testes, identificar falhas e melhorias de sistemas.
Salário: R$ 4,5 mil a R$ 12 mil

Desenvolvedor/programador
O que faz: desenvolver novas funcionalidades e atuar na resolução de falhas das aplicações, manutenção de software em um grande sistema ou alguém que desenvolve softwares para uso em computadores/celulares pessoais e coorporativos.
Salário: R$ 4,5 mil a R$ 13 mil

Gerente de Data & Analytics
O que faz: responsável por liderar as equipes que trabalham com engenharia, arquitetura e análise dos dados, gerando ideias e estratégias de negócio baseadas em dados reais. Tem o papel de conduzir as análises de oportunidades e propor sugestões de melhoria e garantindo integridade e disponibilidade de informações para as áreas de negócio.
Salário: R$ 22 mil e R$ 35 mil

Gerente de engenharia de software
O que faz: responsável pelo time de desenvolvimento de software e pelo roteiro de novos produtos. Conduz o time e instiga discussões para elevar o nível de arquitetura e tecnologia. Garante o alto desempenho da entrega do seu time e conformidade com os objetivos do negócio.
Salário: R$ 20 mil a R$ 35 mil

Desenvolvedor FrontEnd
O que faz: responsável pelo desenvolvimento das interfaces de aplicativos móveis ou plataformas web, estilização de telas e testes de experiência do usuário, alinhado às necessidades e estratégias do negócio.
Salário: R$ 13 mil a R$ 17 mil

Desenvolvedor mobile
O que faz: responsável por atuar no desenvolvimento de aplicativos ou sistemas para dispositivos móveis, seja programando de forma nativa ou por meio de outras linguagens.
Salário: de R$ 6 mil a R$ 8 mil para nível júnior
R$ 9 mil a R$ 12 mil para nível pleno
R$ 12 mil a R$ 18 mil para nível sênior
Até R$ 25 mil para especialistas

COMERCIAL E MARKETING

Consultor comercial
O que faz: desenvolvimento de projetos de captação de novos clientes; mapeamento de pesquisa de mercado; definição de metas de produção e vendas; tendências de consumo; contribuir junto às equipes de Marketing e Vendas para a criação de novos produtos e serviços; elaborar relatórios técnicos e analíticos.
Salário: R$ 2,5 mil a R$ 8 mil

Gerente de contas
O que faz: acompanhamento de cliente de forma personalizada para que estejam satisfeitos com sua empresa. Um dos passos fundamentais é estabelecer, desde início, o que cada parte deve entregar. Deve assegurar a eficiência e o desempenho das suas ações, desenhando estratégias comerciais e olhar para indicadores e resultado.
Salário: R$ 3,5 mil a R$ 10 mil

Analista de marketing
O que faz: administra o fluxo de produtos, categorização, cadastros, preços e estoques nos canais; gere fluxo e integração de pedidos e pós-venda; análise de indicadores de desempenho; gera relatórios e cria plano de ação. É responsável pela construção e geração de relatórios diários para acompanhamento das principais métricas do marketplace, além de recomendar ações de correção.
Salário: R$ 3 mil a R$ 9 mil

Analista de marketing digital
O que faz: desenvolvimento de campanhas de mídias sociais e comunicação. Desenvolvimento e direcionamento das campanhas das marcas, com foco em ganhar mais relevância na internet e mensuração de conversões. Profissional trabalha com redes sociais, criação de conteúdo, estratégia de SEO e mensuração de resultados.
Salário: R$ 6 mil a R$12 mil

CMO (Chief Marketing Officer)
O que faz: responsável pela estratégia de Marketing das empresas, o que normalmente inclui desde o posicionamento da marca, a comunicação com o público-alvo até a atração e retenção de oportunidades de negócio.
Salário: R$ 30 mil a R$ 40 mil

Product Marketing Manager
O que faz: promove a divulgação de um produto ou serviço junto ao mercado, mostrando benefícios e o motivo de ser uma solução para alguma necessidade do cliente.
Salário: R$ 15 mil a R$ 30 mil

RECURSOS HUMANOS

Recrutador
O que faz: condução de todas as etapas dos processos de recrutamento e seleção; recrutar e entrevistar candidatos combinando vários métodos (entrevistas estruturadas, pré-avaliação técnica e perguntas de comportamento).
Salário: R$ 3 mil a R$ 12 mil

Analista de remuneração e benefícios
O que faz: planejamento, projeção, desenvolvimento, análise e implementação da estratégia. Análise e interpretação de dados internos e externos para modelar mudanças em vários elementos de recompensa, como salário-base, incentivos de curto prazo, incentivos de longo prazo, saúde e bem-estar. Monitora as mudanças legais e regulatórias para garantir a conformidade.
Salário: R$ 6,5 mil a R$ 12 mil

Gerente de RH Business Partner
O que faz: responsável pela área estratégica de Recursos Humanos, com foco orientado para pessoas, mas também para o negócio. O BP tem como responsabilidade identificar, aprimorar e implementar soluções de RH para garantir a aderência à estratégia, políticas e procedimentos da empresa. Precisa entender e desdobrar as metas de negócios, recomendando novas abordagens para o desempenho e engajamento das pessoas. É ponto central na criação de programas de RH, participando da tomada de decisões entre líderes multifuncionais, fornecendo conhecimento e soluções locais alinhadas à estratégia do negócio.
Salário: R$ 20 mil a R$ 26 mil – com pacote atrativo e bônus de 3 a 4 salários

Gerente de aquisição de talentos
O que faz: responsável por fornecer experiência em aquisição de talentos: desde a marca empregadora, diversidade, banco de talentos e gestão do processo de recrutamento. Construção de relacionamento com mercado foco da companhia. Atuar como embaixador da marca perante o mercado na expectativa de atingir os principais talentos. Construção de relacionamento com os públicos de interesse, atuando também como um parceiro de negócios. Promoção da diversidade por meio do recrutamento.
Salário: R$ 15 mil a R$ 25 mil

OPERAÇÕES  

Analista de serviço ao cliente
O que faz: relacionamento com o cliente; apoio às necessidades e dúvidas do cliente; contato com o cliente e áreas internas; recebimento de notas, entrada no sistema e cadastro de informações; garantir o bom funcionamento dos sistemas e da operação, pensando sempre na qualidade e satisfação do cliente.
Salário: R$ 4 mil a R$ 6,5 mil

VENDAS

Executivo de vendas – tecnologias de mídias digitais
O que faz: responsável pelo relacionamento com clientes de base e também novas contas, com o foco em vender soluções tecnológicas de mídia digital na área de performance e programática, para os mais diferentes canais.
Salário: R$ 16 mil a R$ 30 mil + comissões

Fonte: CNN Brasil

Mais de 110 concursos públicos reúnem mais de 221 mil vagas no país; veja lista

Inscrições para o concurso do IBGE com mais de 200 mil vagas foram prorrogadas até o dia 21. Salários chegam a R$ 33.689,11 no Ministério Público de Contas dos Municípios do Estado do Pará.

Pelo menos 111 concursos públicos no país estão com inscrições abertas nesta segunda-feira (3) e reúnem mais de 221 mil vagas em cargos de todos os níveis de escolaridade.

Os salários chegam a R$ 33.689,11 no Ministério Público de Contas dos Municípios do Estado do Pará. Veja o edital.

Além das vagas abertas, há concursos para formação de cadastro de reserva – ou seja, os candidatos aprovados são chamados conforme a abertura de vagas durante a validade do concurso.

CONFIRA AQUI A LISTA COMPLETA DE CONCURSOS

Entre os concursos com inscrições nacionais abertos estão:

IBGEcom quase 207 mil vagas para o Censo 2022;

Petrobras, com 757 vagas para profissionais com nível superior;

Controladoria Geral da União (CGU), com 375 vagas e salário de até R$ 19.197,06.

Há ainda concursos em Defensorias Públicas, Ministérios Públicos, Polícias Militares, tribunais e empresas públicas.

Nesta segunda-feira (3), pelo menos 9 órgãos abrem o prazo de inscrições no país para quase 800 vagas em cargos de todos os níveis de escolaridade. Veja abaixo as informações de cada concurso:

Controladoria Geral da União (CGU)
Inscrições: até 01/02/2022
375 vagas
Salários de até R$ 19.197,06
Cargos de nível superior
Veja o edital

Prefeitura de Goianésia (GO)
Inscrições: até 05/01/2022
173 vagas
Salários de até R$ 2.444,13
Cargos de nível médio e superior
Veja o edital

Prefeitura de Nova Bandeirantes (MT)
Inscrições: até 11/01/2022
74 vagas
Salários de até R$ 2.173,88
Cargos de nível fundamental, médio e superior
Veja o edital

Prefeitura de Vila Bela da Santíssima Trindade (MT)
Inscrições: até 11/01/2022
34 vagas
Salários de até R$ 15.716,98
Cargos de nível fundamental, médio e superior
Veja o edital

Prefeitura de Goioerê (PR)
Inscrições: até 14/01/2022
13 vagas
Salários de até R$ 3.216,73
Cargos de nível fundamental, médio e superior
Veja o edital

Prefeitura de Jandaia (GO)
Inscrições: até 24/01/2022
5 vagas
Salários de até R$ 1.886,15
Cargos de nível médio
Veja o edital

Prefeitura de Campina Verde (MG)
Inscrições: até 30/01/2022
55 vagas
Salários de até R$ 2.349,00
Cargos de nível fundamental, médio e superior
Veja o edital

Prefeitura de Belo Horizonte (MG)
Inscrições: até 03/02/2022
14 vagas
Salários de até R$ 15.022,52
Cargos de nível superior
Veja o edital

Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Inscrições: até 04/02/2022
39 vagas
Salários de até R$ 4.472,64
Cargos de nível superior
Veja o edital

Fonte: G1

Beber água e se manter hidratado é ainda mais importante no verão

Na estação mais quente do ano aumentam a transpiração e perda de água, e o corpo necessita de mais líquido para se manter bem.

O verão chegou e, junto com ele, as férias escolares de muita gente. Com isso, está aberta a temporada de ficar na praia, na piscina, no parque, no quintal sem fazer nada e só descansar de 2021. Se você não está de férias, deve concordar que os fins de semana desta estação do ano são convidativos para relaxar mais livremente.

Porém, todo esse clima bom não pode fazer com que você deixe de lado os cuidados com a saúde. O sol e o calor intensos, principalmente em um país tropical como é o Brasil, podem trazer danos sérios ao organismo. De acordo com os especialistas, a desidratação é o principal deles.

“Todos os seres vivos dependem da água, ela é fundamental para a vida humana. A frase ‘no verão a gente transpira mais e, portanto, precisa mais de água’ é totalmente verdade. Tanto que a recomendação da OMS é que uma pessoa de 80 kg beba entre 2,1 e 2,4 l de água. Eu acho que para a realidade do país essa recomendação deveria ser de 3,5 a 4 l”, ressalta Marcelo Cassio de Souza, nutrólogo do Hospital Moriah, em São Paulo.

A hidratação não é mantida apenas com a ingestão de líquidos. Os alimentos, principalmente frutas, legumes e hortaliças, também são compostos de água e auxiliam na manutenção do corpo saudável.

“Com alimentação rica em frutas, legumes e verduras a pessoa já está se hidratando. Poderia atingir a quantidade necessária com a ingestão de água, água de coco e sucos. Mas tem de ser tudo natural. Os refrigerantes não são indicados. Eles até têm água, mas têm gás, têm açúcar em quantidade muito grande, e mesmo os sem açúcar têm edulcorantes e adoçantes sintéticos, que não fazem bem à saúde”, orienta o médico.

Como perceber a falta de água no organismo?

Muita gente bebe água apenas quando sente sede, mas essa não é a escolha indicada. O corpo dá sinais de desidratação antes mesmo da sensação de sede. O primeiro deles é a cor da urina. “A diurese tem de ficar com cor de água mesmo ou chazinho bem ralo. Se começou a ficar com aquela cor que parece cerveja ou guaraná, está errado. Tem de beber mais água”, afirma o especialista.

A concentração de suor é o segundo fator apontado por Marcelo Souza para percebemos a desidratação. “A falta de água deixa as secreções da pele pior: a boca fica seca, os olhos também, o que atrapalha a visão, e a sudorese fica com um odor mais denso.”

Além disso, as pessoas sentem dores musculares, efeitos neurológicos, dores de cabeças intensas e irritabilidade. No aparelho digestivo, cólicas abdominais, gases e aumento da sensação de fome.

“O organismo desidratado começa a buscar água em todos os compartimentos do corpo e a retirar o máximo de água do tubo digestivo. Com isso as fezes ficam mais duras e consistentes, o que atrapalha o trânsito intestinal. Outra forma de o organismo dizer que está com a sensação de sede, que é a privação de água, é a sensação de fome, que é a privação de comida”, explica Souza.

Manter a hidratação do corpo também ajuda a evitar a retenção de líquido. “Uma das grandes funções da água é transportar no corpo desde o oxigênio até o sal e o açúcar. Logo, você tendo mais sal, você tem mais água. Muitas vezes o tratamento para a retenção é tomar água. Porque assim fica mais fácil de o rim eliminar o sal e, consequentemente, a água que está grudada nesse sal”, observa o médico.

Fonte: R7

Conheça as vitaminas e minerais essenciais para manter a imunidade em dia

É através da alimentação que conseguimos níveis recomendados de vitaminas, minerais e nutrientes fundamentais para o bom funcionamento do corpo

A saúde e o funcionamento correto do organismo estão conectados à alimentação saudável e balanceada. Quando estamos com a imunidade em dia, a ingestão de vitaminas e minerais é importante para manter a energia e disposição, e quando estamos doentes, durante os processos infecciosos ou baixa imunidade, os alimentos são os responsáveis por ajudar nosso corpo a melhorar com mais facilidade.

A alimentação saudável fortalece a imunidade e evita doenças, além de ajudar na disposição e energia no dia a dia. De modo geral, é através dela que conseguimos níveis recomendados de vitaminas, minerais, proteínas e nutrientes fundamentais para o funcionamento do corpo humano. Mas, afinal, quais são as principais vitaminas para manter a imunidade em dia? Veja a seguir algumas das mais importantes delas.

Vitamina A: é um antioxidante natural que atua na formação dos ossos, dentes, cabelos, olhos, pele e mucosas. Fígado, óleos como o de dendê e pupunha são ricos em vitamina A.

Vitamina C: um poderoso antioxidante que promove a cicatrização e recuperação de tecidos, atuando também no controle de inflamações. Essa vitamina é ótima para melhorar a circulação sanguínea, prevenir doenças cardiovasculares e ajuda na imunidade. Ela é encontrada em frutas cítricas como laranja, limão, acerola e muitos outras, além de brócolis, couve flor e repolho roxo.

Vitamina E: responsável por combater o envelhecimento precoce e fortalece a ação dos glóbulos brancos do sistema imune. Ela pode ser encontrada em azeites de olivia, abacate, castanhas, amêndoas e nozes, gema de ovo e grãos.

Zinco: tem ação anti-inflamatória, recuperando tecidos infectados e melhorando a imunidade. Carnes, frutos do mar, como ostras e mariscos, fígado, peixes, ovos e cereais integrais são alguns dos alimentos com zinco.

Selênio: também tem ação anti-inflamatória e fortalece a imunidade. A recomendação da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) é ingerir, em média, 400 mcg por dia na vida adulta por meio de castanhas do Brasil (conhecidas com castanha do Pará), frango cozido, arroz, alho, leite em pó e clara de ovo.

A combinação do consumo dessas vitaminas e minerais com hábitos saudáveis, como consumo adequado de água e prática de exercícios físicos, colabora significativamente para que a imunidade fique em dia e o corpo tenha mais disposição e energia. Entre esses cuidados, o consumo de Benegrip Imuno faz bastante diferença na rotina.

Com Benegrip Imuno Complex, que é o primeiro em cápsulas gelatinosas e uma fórmula exclusiva que auxilia na prevenção* e fortalecimento** do sistema imunológico. Benegrip Imuno Complex tem vitaminas A, C, D, Zinco e Selênio, e pode ser utilizado para reforçar a imunidade ao longo do ano todo.

Benegrip Imuno Energy tem vitamina C e Zinco, que auxiliam na imunidade, e Cafeína e Arginina, que agem no metabolismo energético e de proteínas, carboidratos e gorduras, respectivamente. Ele é um importante aliado na proteção do organismo contra a baixa imunidade¹ e oferece mais energia² para o dia a dia.

Materiais consultados:
Embrapa. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária.  Quantidade de selênio nas castanhas-do-brasil varia de acordo com região. 2016.
https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/11010983/quantidade-de-selenio-nas-castanhas-do-brasil-varia-de-acordo-com-regiao
ABRAN. Associação Brasileira de Nutrologia. Orientações Nutricionais Para Aumentar a Imunidade.
http://abran.org.br/new/wp-content/uploads/2020/04/ABRAN_Cartilha-Orientacoes_Imunidade.pdf
Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde. Alimentação Saudável.
https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/alimentacao_saudavel.pdf
*IQVIA. PMB. Abril, 2021. Mapeamento do mercado de vitaminas.
¹Referente ao Benegrip Imuno Complex que contém Vitamina A,C,D, Zinco e Selênio que auxiliam no funcionamento do sistema imune.
²Referente ao Benegrip Imuno Energy que contém Vitamina C e Zinco que auxiliam no metabolismo energético, e de proteínas, carboidratos e gorduras, respectivamente.

Alimentos isentos de registro conforme RDC 27/2010.

Fonte: R7

Forte chuva da região Nordeste chega ao Sudeste na virada do ano

A projeção é de temporal nos próximos sete a dez dias

Fortes chuvas são esperadas, nesta virada de ano, na região Sudeste do País. O corredor de umidade responsável pelo excesso de precipitação em Tocantins e na Bahia, onde 20 pessoas morreram em inundações, está a caminho de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, segundo a agência de notícias especializada Metsul.com. A projeção é de temporal nos próximos sete a dez dias.

Modelos meteorológicos que previram as enchentes no Nordeste e Norte do País, agora, projetam “um aumento substancial da chuva na região Sudeste, com volumes mais altos concentrados em Minas Gerais”, de acordo com o site. A capital Belo Horizonte deve ser a mais afetada, mas não são descartados alagamentos também no Rio e em São Paulo.

Em alguns locais, o volume de chuva pode chegar a 500 mm em 15 dias. Para se ter uma ideia, em Brasília, deve chover 9 mm nas próximas 24h, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia, que classifica esse volume como “de chuvas intensas”.

A expectativa é de que ocorram chuvas fortes em curtos períodos de tempo, capazes de provocar inundações e deslizamentos de terra. Isso preocupa os meteorologistas, já que, principalmente em Minas e no Rio, há um grande número de pessoas em áreas de risco – próximas a rios e encostas. Na região serrana fluminense, por exemplo, são recorrentes os deslizamentos de encostas e desabamentos de casas no verão.

Não são descartadas, no entanto, enchentes também no Estado de São Paulo, provocadas pelo transbordamento de rios.

Fonte: CNN

Consumo de carne recua na pandemia

Segundo pesquisadores da Embrapa, nível é o menor em 25 anos

O consumo de carne bovina entre os brasileiros caiu significativamente desde o início da pandemia e chegou a 26,5 quilos por habitante em 2021. Trata-se do menor volume em 25 anos e, em relação a 2006, quando houve um pico de 42,8 quilos por habitante, o recuo é de quase 40%. Os dados, da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), foram destacado e usados como referência por pesquisadores do Centro de Inteligência da Carne Bovina (CiCarne), da Embrapa Gado de Corte.

O pesquisador Guilherme Malafaia e seus colegas Sérgio de Medeiros e Fernando Teixeira Dias, que assinam o boletim “Perspectivas para a pecuária de corte em 2022”, publicado pela Embrapa na segunda-feira, dizem que o nível de consumo é o menor em 25 anos. Malafaia observa que os dados podem diferir a depender do órgão utilizado como referência.

A queda se nota desde o ano passado, quando o consumo médio da proteína foi de 29,3 quilos por habitante. O cenário resulta do encarecimento dos cortes e do menor poder de compra das pessoas, devido ao avanço da inflação e do desemprego. Para o CiCarne, o cenário deverá mudar “em um futuro próximo”. “Esperamos um crescimento constante à medida que a renda e as preferências alimentares se expandam. A tendência de percepção de mais saúde [ao consumir a proteína] também será forte na carne bovina”, afirmam os pesquisadores.

A retomada interna, no entanto, pode não ocorrer no curto prazo. É esperado reaquecimento de economias globais para 2022 com o avanço da vacinação, mas a inflação e o desemprego devem continuar pressionando o consumo de carne bovina no país – e o mercado interno absorve 75% da produção.

Apesar de o brasileiro ter trocado o bife pelo frango, os preços da carne de boi não cederam. Uma causa é o ciclo da pecuária, quando há menos animais disponíveis para abate. No terceiro trimestre deste ano, por exemplo, os abates recuaram 10,7%, ante igual período de 2020, para 6,94 milhões de cabeças, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No ano passado, houve queda em relação a 2019.

Segundo o CiCarne, este ano foi marcado por realidade similar à de 2020, com falta de animais para abastecer o mercado doméstico. Fora o efeito do ciclo pecuário, a escassez de chuvas nos principais polos produtores também afetou a engorda. Assim, o patamar de preços da arroba do boi gordo se manteve acima de R$ 300 no primeiro semestre.

Os preços não cederam significativamente nem quando a China, principal importador, interrompeu compras em setembro, por causa de dois casos atípicos de “vaca louca”. Os asiáticos importaram 50% de 1,27 milhão de toneladas embarcadas pelo Brasil entre janeiro e setembro. O embargo durou mais de três meses, mas foi suspenso.

O momento é de transição de ciclo e o preço do bezerro continua acima do valor médio nominal de 2020. Isso levará à retenção de fêmeas para aumentar a produção. “Como o atual ciclo pecuário se iniciou em 2019, os custos de reposição devem começar a baixar somente em 2023, apesar do aumento da oferta destes animais em 2022”, dizem os analistas do CiCarne.

Sobre as exportações, a expectativa é de avanço em 2022, acredita a Embrapa. A Ásia continuará como o principal consumidor da carne bovina brasileira, com a China à frente.

“Esperamos que a produção de suínos volte a cair em muitos mercados asiáticos, incluindo a China, em 2022, pelos preços descendentes e alto custo com insumos, desestimulando assim a produção”, dizem os especialistas. O fator pode favorecer vendas, porém com competição mais acirrada dos Estados Unidos.

Nesse contexto, as margens dos frigoríficos devem continuar apertadas em 2022. Faltarão vacas para abate e o abastecimento do mercado interno e as indústrias buscarão bois, que estarão com a demanda aquecida no mercado externo – e com a arroba valorizada.

Fonte: Valor

Carnes ficam 10% mais caras em 2021; frango em pedaços salta 30%

Entre as proteínas alternativas, os pescados são os únicos com variação inferior à das carnes vermelhas, aponta IBGE

A ida ao açougue em 2021 virou um verdadeiro pesadelo para as famílias brasileiras. No acumulado do ano, as carnes ficaram 9,98% mais caras e as aves e os ovos, possíveis proteínas substitutas, dispararam 24,8% no mesmo período.

As variações foram apresentadas nesta semana pelo IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo -15), que aponta para uma inflação de 10,4% no acumulado dos últimos 12 meses, a maior alta anual desde 2015.

Conforme dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a alta no preço das carnes foi guiada pelos cortes filé-mignon (+25,23%) e peito (15,11%).

O preço da alcatra, do patinho, da picanha e do contrafilé tem variações que superam os 14%. Na sequência, aparecem a pá, o chã de dentro, o músculo, o cupim, a carne de carneiro e o lagarto comum, todos com altas maiores que 12% desde janeiro.

A costela (+9,97%), o fígado (+9,25%), o acém (+8,64%) e o lagarto redondo (+6,82%) figuram com altas inferiores à variação total das carnes no acumulado dos últimos 12 meses.

Por outro lado, ficou mai baixo ao longo deste ano o preço cobrado pela capa de filé e pela carne de porco, com deflação de, respectivamente, 4,03% e 5,4%.

Substitutos

Potenciais fontes de proteína para substituir as carnes vermelhas, as aves e os ovos (+24,82%) e as carnes e peixes industrializados (+12,44) aparecem com variações maiores de preço nos últimos 12 meses. No período, o frango inteiro saltou 20,11%, enquanto a opção em pedaços disparou 31,93%.

Outra fonte alternativa de proteína, os ovos ficaram 13,77% mais caros no último ano. Os pescados, por sua vez, têm uma variação de 6,45% no período e podem ser uma boa opção para o bolso.

Ainda que só o caranguejo (-0,41%) tenha apresentado variação negativa de preço no ano, a corvina (+0,68), a anchova (+1,66%), o camarão (+3,4%), o cação (+5,31%) e a merluza (+7%) são exemplos de proteínas com variação inferior à apresentada pelas carnes.

Fonte: R7