Eleições: Hoje é o último dia para regularizar o título de eleitor e votar em 2022

Confira como consultar a situação eleitoral e resolver pendências envolvendo o documento.

O prazo determinado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para regularização do título de eleitor para votar neste ano se encerra nesta quarta-feira (4). Todos aqueles que precisam ou desejam emitir, revisar ou transferir o domicílio eleitoral do documento devem realizar o procedimento ainda hoje.

As demandas podem ser feitas gratuitamente pelo site do TSE ou no cartório eleitoral mais próximo. Em São Paulo, as unidades funcionarão com horário estendido das 9h às 18h e não é necessário realizar agendamento.

Ontem, a Justiça Eleitoral registrou o maior número de atendimentos virtuais para regularização do documento em um único dia desde que lançou a plataforma atual, Título Net. Foram mais de 685 mil solicitações.

Não regularizar o título pode acarretar em uma série de consequências, além de não poder votar em outubro. Todo cidadão brasileiro entre 18 e 70 anos que estiver com o título irregular após o prazo fica restringido à:

Emitir passaporte ou carteira de identidade;

Obter empréstimos;

Inscrever-se em concursos ou provas públicas, bem como tomar posse;

Renovar matrícula em instituição de ensino oficial ou fiscalizada pelo governo;

Praticar qualquer ato para o qual se exija quitação do serviço militar ou imposto de renda.

Para os brasileiros de 16 e 17 anos, o voto é facultativo. Caso queira participar das eleições deste ano, também é necessário emitir o título ainda nesta quarta-feira. A solicitação é possível inclusive para aqueles que ainda tenham 15 anos, mas que completarão 16 anos até o dia do primeiro turno.

Como checar se o título está regular

Para saber se o seu título de eleitor está em dia basta acessar aqui o portal do TSE e clicar em “Situação eleitoral”. Informando o nome, número do título ou do CPF, a plataforma consulta o status do eleitor.

Como acessar os serviços virtuais de regularização

Ainda no site do TSE, na seção “Autoatendimento do eleitor” o eleitor encontra todos os serviços disponíveis, como: emissão da primeira via do título; transferência do domicílio eleitoral; inclusão do nome social; impressão do documento; consulta à situação eleitoral; consulta ao número do título; atualização dos dados pessoais; troca do local de votação; regularização do título cancelado ou suspenso e informações para eleitores no exterior.

Debate

CNN realizará o primeiro debate presidencial de 2022. O confronto entre os candidatos será transmitido ao vivo em 6 de agosto, pela TV e por nossas plataformas digitais.

Fonte: CNN BRASIL

Saque de até R$ 1.000 do FGTS é liberado hoje para 3,5 milhões

Pagamento beneficia trabalhadores nascidos em março; calendário segue até 15 de junho e deve injetar R$ 30 bi na economia.

A Caixa Econômica libera nesta quarta-feira (4) o Saque Extraordinário de até R$ 1.000 do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) para 3,5 milhões de profissionais nascidos em março. O valor total que pode ser retirado soma R$ 2,5 bilhões.

Os pagamentos, que seguem até 15 de junho, para quem faz aniversário em março (veja o calendário abaixo), devem beneficiar ao todo 42 milhões de pessoas e injetar R$ 30 bilhões na economia.

O valor é depositado de forma automática, em nome do trabalhador, na conta poupança social digital, que é movimentada pelo aplicativo Caixa Tem. Todos os trabalhadores que têm conta do FGTS com saldo disponível terão direito ao saque extraordinário.

Os recursos já podem ser movimentados por meio do aplicativo Caixa Tem. Na plataforma, além de transferir a grana para uma conta-corrente, é possível pagar contas essenciais, boletos e realizar compras em estabelecimentos comerciais. Também é possível efetuar saque nos terminais de autoatendimento da Caixa e nas casas lotéricas.

Neste ano, cada trabalhador poderá retirar até R$ 1.000, independentemente do número de contas que tenha no fundo. A grana ficará disponível até 15 de dezembro. Se o resgate não for realizado, os recursos voltarão para a conta vinculada do FGTS.

Confira o calendário

Nascidos em janeiro – 20 de abril
Nascidos em fevereiro – 30 de abril
Nascidos em março – 4 de maio
Nascidos em abril – 11 de maio
Nascidos em maio – 14 de maio
Nascidos em junho – 18 de maio
Nascidos em julho – 21 de maio
Nascidos em agosto – 25 de maio
Nascidos em setembro – 28 de maio
Nascidos em outubro – 1º de junho
Nascidos em novembro – 8 de junho
Nascidos em dezembro – 15 de junho

Se o valor não for creditado?

Caso o crédito do saque não seja feito de forma automática, o trabalhador deverá entrar no aplicativo FGTS, acessar o menu “Saque Extraordinário”, confirmar/complementar os dados cadastrais e clicar em “Solicitar Saque” para a liberação do valor.

Segundo a Caixa, os trabalhadores que não utilizaram o saque emergencial em 2020 podem precisar atualizar o cadastro e solicitar o saque no aplicativo FGTS, de forma digital, sem precisar ir a uma agência. Nesse caso, o crédito será realizado no Caixa Tem no próximo lote.

Quem tem direito?

Neste ano, cada trabalhador poderá retirar até R$ 1.000, independentemente do número de contas que tenha no fundo. O valor ficará disponível até 15 de dezembro. Se o resgate não for realizado, os recursos voltarão para a conta vinculada do FGTS.

Caso o trabalhador tenha mais de uma conta no FGTS, o saque será feito na seguinte ordem: primeiro, as contas relativas a contratos de trabalho extintos, com início pela conta que tiver o menor saldo; em seguida, as demais contas vinculadas, com início pela conta que tiver o menor saldo.

Quem antecipou o saque-aniversário do FGTS e ficou com o valor bloqueado na conta não poderá retirá-lo nesta etapa. Isso ocorre porque a nova rodada de saques só poderá ser feita para contas com recursos liberados.

Não quero receber

O trabalhador também pode optar por não receber o saque extraordinário do FGTS, para que sua conta não seja debitada. Nesse caso, ele deverá acessar o aplicativo FGTS ou se dirigir a uma das agências do banco para informar que não quer receber o crédito.

Após a realização do crédito na conta poupança social digital, o trabalhador pode, ainda assim, optar pelo desfazimento do crédito automático, também pelo app FGTS, até 10 de novembro de 2022.

Caso o crédito dos valores tenha sido feito na poupança digital do trabalhador e essa conta não seja movimentada até 15 de dezembro de 2022, os recursos serão retornados à conta do FGTS, devidamente corrigidos e sem nenhum prejuízo ao trabalhador.

Fonte: R7

União Europeia apresenta plano de proibição total do petróleo russo

Presidente da Comissão Europeia apresentou novo pacote de sanções, que envolvem militares, bancos e estações de rádio da Rússia.

Em discurso nesta quarta-feira (4), a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, apresentou o plano da União Europeia para proibir totalmente a importação do petróleo russo.

“Não será fácil, mas nós temos que trabalhar nisso”, disse von der Leyen. “Garantiremos a eliminação gradual do petróleo russo de forma ordenada, maximizando a pressão sobre a Rússia, minimizando o impacto nas nossas economias”, afirmou.

Segundo ela, todas as importações de petróleo cru russo serão encerradas em seis meses, enquanto aquelas envolvendo produtos refinados vão acabar até o fim de 2022. A medida precisa ser aprovada por todos os 27 países do bloco.

Uma fonte ouvida pela agência Reuters afirmou que Hungria e Eslováquia, poderão continuar comprando o petróleo russo até o fim de 2023, devido à maior dependência atual das duas nações.

A proposta faz parte do sexto pacote de sanções da UE contra a Rússia, em resposta à invasão da Ucrânia pelas forças russas. Segundo von der Leyen, os países da União trabalharão nos próximos dias para fechar o acordo com as novas medidas.

Além do embargo ao petróleo russo, a presidente da Comissão propôs também novas sanções contra militares russos de alta patente e indivíduos envolvidos nos acontecimentos de Bucha, onde dezenas de corpos foram encontrados e levantaram suspeitas de crimes de guerra russos.

“Nós sabemos quem vocês são. E vocês serão responsabilizados”, disse von der Leyen.

Ela também apresentou proposta para retirar o Sberbank, o maior banco da Rússia, do sistema SWIFT, sistema internacional de pagamentos.

Por último, a presidente da Comissão planeja banir três grandes emissoras estatais russas do sistema de rádio da UE. “Elas amplificam agressivamente as mentiras e a propaganda de Putin”, afirmou von der Leyen.

Fonte: CNN BRASIL

Excesso de peso aumenta mais de 70% entre jovens de 18 e 24 anos

Já pessoas acima de 35 anos engordaram acima da média do país desde 2006, de acordo com dados do Ministério da Saúde.

Nos últimos 15 anos, a taxa de excesso de peso dos jovens brasileiros de 18 a 24 anos aumentou de 20,65%, em 2006, para 35,71%, em 2021 – uma alta de mais de 70%. Em pessoas de 25 a 34 anos, houve um salto de 37,67% para 54,41%, com um crescimento de 44% no período. Os dados foram obtidos por meio do sistema Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), do Ministério da Saúde. De acordo com Gilberto Kac, professor titular do Instituto de Nutrição Josué de Castro da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o sobrepeso não é um fenômeno novo, mas aumenta a cada ano. Kac ressalta que é mais comum que esses problemas de saúde se manifestem em pessoas mais velhas. Mas, segundo o nutricionista, os jovens podem sofrer riscos precoces de acordo com o quadro de saúde, principalmente em casos de sedentarismo.

Além dos jovens, pessoas acima de 35 anos engordaram acima da média do país em todos os anos disponibilizados pelo Ministério da Saúde. Em 2006, 48,55% dos brasileiros apresentavam sobrepeso na faixa etária de 35 a 44 anos. Em 2021, esse número foi de 62,38%. O mesmo ocorreu nos indivíduos de 45 a 54 anos: de 54,74% saltaram para 64,39%.

No intervalo da faixa etária de 55 a 64 anos, a diferença foi de 9,89 pontos percentuais: subindo de 56,81% para 64,06%. Pessoas acima de 65 anos tiveram uma mudança de 52,39% para 60,72%.

O professor Gilberto Kac analisa que há diversos fatores que impulsionam esse aumento, como o sistema alimentar atual e a falta de atenção do poder público.

Em dados gerais, 42,74% da população brasileira estava acima do peso em 2006. Já em 2021, último ano divulgado pelo sistema do órgão federal, esse índice era de 57,25%.

Economia afetada

Os problemas de saúde causados pelo sobrepeso podem afetar até a economia, segundo a economista e professora da Ibmec Vivian Almeida. Ela explica que quanto mais pessoas doentes, maiores as chances da produtividade do mercado ser atingida negativamente.

“Pessoas com doenças crônicas, de todas as faixas etárias, podem afetar a produtividade, principalmente os jovens, que são a raiz e energia da população economicamente ativa. O físico faz grande parte disso, desde o trabalho braçal até o intelectual. Então isso tende a escalonar. É um processo e um problema instigante, que pode afetar o PIB do país. A economia somos nós. A pessoa é a economia. Se a saúde da pessoa não estiver boa, nada estará 100%”, avalia.

Além da saúde, Vivian pontua que a alta nos preços dos alimentos causados pela inflação faz com que as pessoas procurem uma saída, como alimentos mais baratos e ultraprocessados.

“É possível observar uma perda do consumo há um tempo. Paulatinamente e de modo convergente, a perda de renda e o consumo mostra uma piora na alimentação. Exemplo disso temos os ultraprocessados, que são atrativos por muitas questões: mais baratos, acesso. Se observarmos pelo lado do consumo, esse vai sendo o efeito no corpo do brasileiro. Em média, a piora de alimentação está relacionado à piora de saúde”, completa a especialista.

*Sob supervisão de Pauline Almeida

Fonte: CNN BRASIL

Israel critica comentários de Lavrov sobre Hitler e convoca embaixador russo

Em entrevista, ministro russo disse que líder nazista “tinha origens judaicas”.

Israel denunciou nesta segunda-feira (2) o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, por sugerir que o líder nazista Adolf Hitler tinha raízes judaicas e exigiu um pedido de desculpas de Moscou.

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Yair Lapid, disse que o embaixador russo será convocado para “uma conversa dura” sobre os comentários, que Lavrov fez no domingo (1) em entrevista à televisão italiana.

“É uma declaração imperdoável e escandalosa, um terrível erro histórico, e esperamos um pedido de desculpas”, disse Lapid ao site de notícias YNet.

Durante sua entrevista ao canal italiano Rete 4, Lavrov foi questionado sobre como a Rússia poderia alegar que precisava “desnazificar” a Ucrânia quando o presidente do país, Volodymyr Zelenskiy, era judeu.

“Quando eles dizem ‘que tipo de nazificação é essa se somos judeus’, bem, acho que Hitler também tinha origens judaicas, então isso não significa nada”, disse Lavrov, falando por meio de um intérprete italiano.

“Há muito tempo ouvimos o sábio povo judeu dizer que os maiores antissemitas são os próprios judeus”, acrescentou.

Dani Dayan, presidente do Yad Vashem, o memorial de Israel aos seis milhões de judeus mortos no Holocausto, chamou os comentários de Lavrov de “um insulto e um duro golpe para as vítimas do verdadeiro nazismo”.

Falando na rádio Kan de Israel, Dayan disse que Lavrov estava espalhando “uma teoria da conspiração antissemita sem base em fatos”.

Fonte: CNN BRASIL

Medida que permite quitar dívida de imóvel com FGTS começa a valer

Trabalhador poderá utilizar o saldo de suas contas no fundo para negociar o pagamento de até 80% das prestações.

A medida que permite usar o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) para pagar até 12 parcelas atrasadas do financiamento imobiliário começa a valer nesta segunda-feira (2). O trabalhador poderá utilizar o saldo de suas contas no fundo para negociar o pagamento de até 80% das prestações de financiamento habitacional em atraso.

A condição é limitada a 12 prestações, consecutivas ou não. As regras foram publicadas pela Caixa Econômica Federal na semana passada, no novo Manual do FGTS — Utilização na Moradia Própria. A medida regulamenta o uso de recursos de contas do fundo para a quitação de prestações em atraso no financiamento habitacional.

A negociação da dívida pelo FGTS vai valer até 31 de dezembro deste ano. Após esse período, voltará a condição anterior, em que o saldo pode ser utilizado para quitar prestações quando há até três parcelas em atraso.

A alteração temporária foi aprovada pelo Conselho Curador do FGTS na semana passada, que elencou “a conveniência de promover” o ajuste para permitir “um melhor atendimento aos trabalhadores”. A Caixa é o agente operador do FGTS.

Ainda de acordo com a Caixa, as demais regras para o uso de recursos das contas do FGTS para a aquisição da casa própria, liquidação, amortização ou pagamento de parte das prestações em dia permanecem as mesmas.

O Manual da Moradia Própria está disponível no site da Caixa.

Como negociar as parcelas em atraso com o uso do FGTS

  • O trabalhador deve procurar o banco onde fez o financiamento habitacional e solicitar a utilização do seu FGTS para abater até 80% de cada prestação, até o limite de 12 prestações em atraso.

Condições

  • O valor de avaliação do imóvel deve ser de até R$ 1,5 milhão.
  • O trabalhador precisa ter três anos de trabalho sob o regime do FGTS, ininterruptos ou não. Lembrando que não é necessário estar com contrato de trabalho ativo.
  • Não pode possuir outro imóvel no município onde trabalha ou tem residência.
  • Não pode ter outro financiamento ativo no SFH (Sistema Financeiro de Habitação).

Dúvidas

Em caso de dúvida, os trabalhadores devem acessar os canais oficiais da Caixa, como o telefone 4004-0104, para capitais e regiões metropolitanas, ou o 0800 104 0104, para as demais regiões.

Fonte: R7

Cientistas desenvolvem combustível de aviação à base de molécula de planta

Essa pode ser uma alternativa sustentável para reduzir emissões nocivas ao meio ambiente.

Pesquisadores da Universidade do Estado do Washington (WSU, na sigla em inglês) desenvolveram um tipo de combustível de aviação com base em lignina, uma macromolécula orgânica encontrada nas plantas. Os resultados da descoberta foram publicados na revista científica “Fuel”.

O combustível de aviação experimental poderia aumentar o desempenho e eficiência do motor, além de dispensar os compostos causadores da poluição, chamados de aromáticos.

Vários combustíveis alternativos de aviação são compostos principalmente de isoalcanos (de baixo peso molecular) e só podem ser misturados até 50% em volume devido a problemas de compatibilidade e densidade do material.

Os aromáticos normalmente estão associados ao aumento das emissões de fuligem, assim como os rastros. Esses rastros podem permanecer por longo tempo no céu e prender o calor dentro da atmosfera da Terra, impactando ainda mais a crise climática.

“Os aromáticos ainda são usados ​​em combustível hoje porque não temos soluções para alguns dos problemas que eles resolvem: eles fornecem combustível de aviação com uma densidade que outras tecnologias sustentáveis ​​não têm. O mais exclusivo é a capacidade de dilatar os anéis de vedação usados ​​para vedar as juntas metal-metal, e eles fazem isso bem”, disse em comunicado Joshua Heyne, coautor, cientista da Universidade de Dayton.

Usando planta como alternativa

A equipe de pesquisa desenvolveu um processo que transforma a lignina de resíduos agrícolas em combustível de jato de lignina de base biológica. Essa seria uma forma sustentável que pode ajudar a indústria da aviação a reduzir a dependência de combustíveis fósseis e atender às necessidades ambientais.

“Quando testamos nosso combustível de jato de lignina, vimos alguns resultados interessantes”, disse Bin Yang, professor do Departamento de Engenharia de Sistemas Biológicos da WSU e autor do estudo em um comunicado.

As propriedades do combustível à base de lignina oferecem grandes oportunidades para aumentar o desempenho do combustível, maior eficiência, emissões reduzidas e custos mais baixos, segundo os pesquisadores.

“O fato de essas moléculas apresentarem volume de selante comparável aos aromáticos abre as portas para o desenvolvimento de combustíveis para jatos praticamente sem aromáticos, emissões muito baixas e características de alto desempenho”, escreveram.

Heyne disse que o combustível à base de lignina que foi testado complementa outros combustíveis de aviação sustentáveis, aumentando a densidade e, talvez o mais importante, o potencial de aumento do anel das misturas.

“Enquanto atendem às nossas necessidades materiais, essas misturas sustentáveis ​​conferem densidades de energia mais altas e energias específicas sem usar aromáticos.

Fonte: CNN BRASIL

Como a solidão pode fazer mal à saúde física e mental

“A solidão associa-se a psicopatologias, como ansiedade, depressão e stress, mas também em nível físico, como a hipertensão e problemas cardiovasculares”, diz a psicóloga Ana Valente.

A solidão é uma das principais responsáveis por fazer com que as pessoas se isolem. Porém, também pode ser uma consequência direta desse isolamento, gerando um círculo vicioso em que a pessoa se isola por se sentir só e sente-se só porque está isolada.

Por ser um sentimento, a solidão varia muito de pessoa para pessoa. Mas uma coisa é certa: não escolhe gêneros, nem tampouco a idade. E o percurso de vida, sobretudo quando marcado por “experiências negativas nas relações com os outros”, pode ser determinante para uma maior vulnerabilidade à solidão, diz Marta Calado, psicóloga na Clínica da Mente.

São vários os gatilhos que deixam uma pessoa mais vulnerável à solidão e à vontade de se isolar. A psicóloga Ana Valente dá exemplos: “viver sozinho, condições econômicas mais frágeis, doenças que condicionam a mobilidade, ser cuidador informal, viuvez, desemprego, o local onde se vive, se está mais junto de outros ou não”.

Mas destaca que a solidão “muitas vezes tem a ver com a nossa saúde psicológica e com a nossa história de vida, que pode contribuir para que estejamos mais sozinhos e isolados e para que haja o desenvolvimento de sentimento de solidão”.

E como se diagnostica a solidão? Avaliando o quão bem a pessoa está consigo mesma.

“Os profissionais de saúde têm de saber distinguir uma tendência satisfatória para o isolamento, para ter um tempo para desenvolver as próprias reflexões, daquilo que é sentir a solidão. Quando nos sentimos em solidão não queremos necessariamente estar sozinhos. Sentimos no peito um aperto, um vazio. Sentimos que a vida das outras pessoas está preenchida. Temos de lidar com a emoção da tristeza, de decepção, de frustração”, esclarece a psicóloga Marta Calado.

Sentir-se só sem estar sozinho

Apesar de ser associada ao isolamento, a solidão pode afetar uma pessoa até mesmo quando está em casa, junto da sua família, perto dos seus amigos ou no seu local de trabalho. Há quem se sinta só mesmo quando tem companhia e a pessoa consegue percebê-lo “quando não se sente integrada, se sente rejeitada”.

Esta ‘solidão acompanhada’ “é uma das muitas experiências que faz com que o indivíduo ganhe mecanismos de defesa, de proteção e não se exponha tanto aos outros”. No entanto, “sem perceber, acaba por levar uma vida mais centrada em objetivos individuais ou restrita a grupos”, até porque a pessoa pode sentir-se só na presença apenas de determinadas pessoas ou grupos e não sempre que está acompanhada, diz Marta Calado.

De acordo com a psicóloga, a pessoa pode carecer de um sentimento de pertencimento em casa junto da família, mas encontrá-lo “na família do coração, que são os amigos que escolheu”.

Ana Valente acrescenta que este sentimento de solidão quando não se está efetivamente sozinho foi notório durante a pandemia da Covid-19, sobretudo junto dos mais novos, que “não conseguiram ter sentimentos de pertencimento e não se conseguiram identificar” com quem dividiam teto.

O sentimento de solidão na presença de outras pessoas causa aquilo que Marta Calado chama de “conflito interno”: uma “ambiguidade emocional, com impacto psicológico e comportamental”, especialmente quando a solidão é sentida junto de pessoas com que se está constantemente, como pode acontecer em ambiente familiar ou de trabalho.

Como a solidão afeta a saúde física e mental

A solidão e o isolamento social são capazes de impulsionar uma série de problemas mentais e físicos, ao mesmo tempo que pode ser também consequência deles mesmos. “A solidão associa-se a psicopatologias, como ansiedade, depressão e stress, mas também em nível físico, como a hipertensão e problemas cardiovasculares”, diz Ana Valente.

E por “associa-se” entende-se que é causa e efeito, que pode levar ao sentimento de solidão, mas que este mesmo sentimento pode impactar a saúde física e mental da pessoa.

Uma pessoa que lida constantemente com o sentimento de solidão pode apresentar “alterações de sono ou no apetite. A pessoa pode chorar, ter uma maior desconcentração, sente tristeza, pode ter pensamentos intrusivos e constantes que a levam pensar porque não ser suficiente e interessante para os outros”, continua Marta Calado.

Olhando para o impacto na saúde física, não faltam evidências científicas que comprovem a relação entre a solidão e o isolamento com problemas de saúde. Em 2019, um estudo publicado na PLOS One revela que o isolamento social está associado a uma maior propensão de inatividade física, má alimentação e uso de medicamentos psicotrópicos, fatores que podem desencadear problemas de saúde como a obesidade ou depressão, por exemplo.

“O isolamento social pode ser menos prevalente em idades mais jovens, mas é ainda mais fortemente associado a más condições de saúde e comportamentos do que em idades mais avançadas”, como mostra a pesquisa.

Já um outro estudo, do mesmo ano, mas publicado na revista BMC Public Health, dá conta de que também os mais velhos ficam mais vulneráveis com o isolamento social e consequente solidão.

Os achados sugerem que “o maior isolamento social em homens e mulheres mais velhos está relacionado com a redução da atividade física objetiva diária e um maior tempo sedentário”, dois fatores também com impacto direto na saúde física.

“O isolamento social percebido (PSI) [solidão] está ligado ao aumento do risco de doenças crônicas e mortalidade”, explica um estudo de 2015 publicado na PNAS, que mostra uma maior tendência para inflamação e uma menor capacidade para responder contra vírus.

Um estudo publicado em 2017 pela Associação Americana de Psicologia dá um exemplo disso, afirmando que as pessoas solitárias que foram expostas ao rinovírus eram mais propensas a desenvolver sintomas de constipação do que as pessoas que não eram solitárias.

Mas há outros impactos igualmente penosos, como uma maior propensão para doenças físicas, como hipertensão, doenças cardíacas, obesidade, sistema imunitário enfraquecido, ansiedade, depressão, declínio cognitivo, doença de Alzheimer e até a morte, revela o Instituto Nacional de Envelhecimento dos Estados Unidos. Além disso, deixa os idosos ainda mais vulneráveis aos efeitos do envelhecimento no cérebro. Segundo um estudo, os idosos em isolamento social ou num estado de solidão mostram função cognitiva pior quatro anos depois.

“Sem dúvida que alguém que se sente em solidão não sente bem-estar e satisfação psicológica”, atira Marta Calado, explicando que, nos mais velhos, é comum a tomada de antidepressivos quando o sentimento de solidão é uma constante.

“É natural que pessoas que estão mais sozinhas tomem um antidepressivo para saber tolerar mais facilmente esta gestão emocional, a falta de entusiasmo, alegria e de oportunidades de encontrar ânimo. Até porque esta situação de vida com estas repercussões psicológicas terá repercussões físicas, porque o isolamento faz com que pessoas tenham a tendência a não se movimentar tanto, a ter problemas físicos, como contraturas musculares, dores, cólicas, tensão acumulada.”

Cientistas da Universidade de McGill, no Canadá, revelaram no ano passado uma espécie de assinatura nos cérebros de pessoas solitárias, espelhada em variações no volume de diferentes regiões do cérebro, bem como na forma como essas regiões se comunicam entre si nas redes cerebrais.

Na prática, diz o estudo publicado na Nature Communications, as alterações cerebrais das pessoas solitárias estavam centradas naquilo a que se chama de “rede-padrão”, um conjunto de regiões cerebrais envolvidas em pensamentos internos, como recordar, fazer projeções ou pensar em outras pessoas.

“Cientistas descobriram que as redes-padrão das pessoas solitárias eram mais fortemente ligadas e, surpreendentemente, o seu volume de massa cinzenta nas regiões da rede-padrão era maior”. No entanto, as pessoas solitárias continuam à mercê de um declínio cognitivo mais precoce e do aparecimento mais rápido de sinais de demência, explica o Science Daily.

Apesar de ser uma associação já várias vezes feita pela ciência, a verdade é que ainda “é incerto” se os efeitos do isolamento social ou da solidão “são independentes ou se a solidão representa o caminho emocional pelo qual o isolamento social prejudica a saúde”, segundo um estudo publicado na Proceedings of the National Academy of Sciences.

Prevenir a solidão e evitar o isolamento

“Cabe a todos nós ter o papel comunitário e dentro da sociedade”, diz Ana Valente. A psicóloga defende que “cuidar dos nossos, seja a família ou vizinhos” ajuda que a pessoa que esteja só deixe de se sentir, pelo menos um pouco, só, seja porque está sendo ajudada ou porque está ajudando.

“Todos podemos fazer algo no combate à solidão, até porque isso é muito positivo para o bem-estar e saúde mental de quem ajuda”, frisa.

Ana Valente considera ainda que o “autocuidado” deve ser o ponto de partida, incluindo-se nesta tarefa hábitos como “cuidar da saúde física e mental, fazer atividade física e ter uma alimentação saudável”.

Mas é também preciso saber filtrar e, sobre isto, a psicóloga fala da importância de “ter algum cuidado e filtrar informação e programas de televisão”, sobretudo os que optam por conteúdos mais dramáticos e que podem levar a estados de tristeza”, acrescenta Marta Calado.

Um dos segredos para que a pessoa não sinta necessidade de se isolar é “fazer coisas de que gosta. Pode ser ouvir música, dar uma caminhada, fazer voluntariado, encontrar um papel ativo dentro da comunidade em que a pessoa está inserida”, sendo esse último ponto mais vantajoso até para os mais velhos, sobretudo quando se reformam e perdem a rotina habitual e até, em alguns casos, o seu propósito.

“Ter um papel ativo dentro da comunidade traz emoções positivas e faz com que os sentimentos mais negativos diminuam, incluindo a solidão”, aponta Ana Valente.

Manter as rotinas e ter planeamento diário “no sentido de ocupar as 24 horas do nosso dia com tarefas, seja ligar para um amigo ou familiar, passear com o animal de estimação, ter a tarefa de fazer as compras diárias, falar com vizinhos, acompanhar ou tomar conta dos netos do vizinho” é, para Marta Calado, também uma forma de fazer frente à solidão.

Apesar de as redes sociais serem associadas ao isolamento, em alguns casos podem ser a ferramenta essencial para manter contatos e encurtar distâncias, diminuindo a sensação de solidão. O isolamento físico continua, mas manter ligações com outros, mesmo que digitais, pode ajudar a pessoa a sentir-se menos só.

Fonte: CNN BRASIL

Otan se diz pronta para apoiar Kiev em guerra que pode durar anos contra Rússia

Líder da aliança disse ainda que países irão ajudar Ucrânia a sair de armamentos da era soviética para equipamentos mais modernos.

Otan está pronta para apoiar a Ucrânia por anos na guerra contra a Rússia, inclusive ajudando Kiev a avançar de antigas armas da era soviética para modernos equipamentos militares ocidentais, disse o secretário-geral da aliança, Jens Stoltenberg, nesta quinta-feira (28).

“Precisamos estar preparados para o longo prazo. Há a possibilidade de que esta guerra se arraste e dure meses e anos”, disse Stoltenberg em uma cúpula de jovens em Bruxelas, acrescentando que os aliados da Otan estão se preparando para ajudar a Ucrânia a transicionar das armas do modelo soviético para as armas de padrão ocidental.

Ele falou após o Kremlin ter advertido que o fornecimento de armas ocidentais à Ucrânia, incluindo armas pesadas, representava uma ameaça à segurança do continente europeu “e provocava instabilidade”.

O chefe da Otan disse que o Ocidente continuaria a pressionar ao máximo o presidente russo Vladimir Putin para acabar com a invasão da Ucrânia, que Moscou chama de “operação militar especial”, através de sanções e ajuda econômica e militar a Kiev.

“Os aliados da Otan estão se preparando para dar apoio durante um longo período de tempo e também ajudar a Ucrânia a transitar, passando do velho equipamento da era soviética para armas e sistemas mais modernos padrão da Otan que também exigirão mais treinamento”, disse Stoltenberg.

A maioria das armas pesadas que a Otan enviou à Ucrânia até agora são armas de construção soviética ainda nos inventários dos países-membros da Europa Oriental, mas os Estados Unidos e alguns outros aliados começaram a abastecer Kiev com howitzers ocidentais.

Alemanha anunciou na terça-feira o envio de tanques Gepard equipados com armas antiaéreas para a Ucrânia, a primeira vez que Berlim aprovou o envio de armas pesadas para Kiev.

Os apelos da Ucrânia por armas pesadas se intensificaram desde que Moscou deslocou sua ofensiva para Donbass, uma região oriental com terreno amplamente plano e aberto visto como mais adequado para batalhas de tanques do que as áreas no norte ao redor da capital Kiev, onde grande parte dos combates anteriores ocorreram.

Fonte: CNN BRASIL

Com baixa cobertura vacinal, volta do sarampo e da pólio preocupa, alerta Unicef

À CNN, a oficial de saúde do Unicef, Stéphanie Amaral, destacou que é inaceitável que crianças morram e sofram por doenças preveníveis por vacinas.

A baixa cobertura vacinal de crianças pode abrir espaço para o retorno de doenças como o sarampo e a poliomielite. O alerta é do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Em apenas três anos, a cobertura de vacinação contra sarampo, caxumba e rubéola no Brasil caiu de 93,1%, em 2019, para 71,49% em 2021.

Em entrevista à CNN, a oficial de saúde do Unicef no Brasil, Stéphanie Amaral, destacou que a queda tem sido percebida desde 2015.

“A cobertura da pólio, por exemplo, chegava a quase 100% em 2015, em 2019 teve queda para 84% e em 2021 caiu muito mais drasticamente, para 67%”.

Segundo ela, “isso é muito preocupante porque estamos correndo risco de que essas doenças voltem, elas têm gravidade e podem levar à mortalidade, a pólio traz a paralisia infantil e também a morte. É uma situação agravada que a gente precisa reverter não podemos aceitar que crianças morram e sofram por doenças facilmente preveníveis por vacinas”.

Na avaliação da oficial do Unicef, pesquisas apontam que uma série de fatores interfere na falta de adesão à vacinação.

“Ela passa pela baixa percepção da gravidade das doenças, já que elas não têm sido vistas há muito tempo, a nova geração de pais, mães e médicos nunca conviveram com elas e pensam que está tudo bem e que não há perigo, esse é um pensamento errado, e percebemos isso com a volta do sarampo.”

Stéphanie afirma acreditar que a pandemia agravou a situação que já vinha sendo identificada. Outro ponto é a circulação de fake news: “A disseminação de notícias falsas tem papel na diminuição da cobertura vacinal”.

“Precisamos fortalecer o Programa Nacional de Imunizações e a capacidade dos profissionais de saúde e mobilizar a população para entender a gravidade da situação e, assim, levar as crianças para vacinar”, disse.

Ela ainda defendeu que haja busca ativa das crianças que não foram vacinadas e reforçou que os imunizantes são seguros e alvos de pesquisa há anos.

Fonte: CNN BRASIL