Como é a rotina nas empresas que testam semana de 4 dias úteis

Novo modelo de trabalho, com apenas quatro dias de atividades durante a semana, começa a ser testado, com resultados positivos.

Mais de um século desde a adoção da semana de cinco dias de trabalho pelo americano Henry Ford, que virou regra no mundo todo, um novo modelo com apenas quatro dias de atividades começa a ser testado, com resultados positivos.

No Brasil, companhias que instituíram a nova jornada veem melhorias de eficiência, bem-estar dos trabalhadores, retenção de talentos e até aumento de receitas. Por ora, a mudança tem sido adotada mais pelas companhias de tecnologia, como Crawly, NovaHaus, Winnin, AAA Inovação, Gerencianet e Eva.

Mas o modelo, que reduz a carga horária de 40 horas para 32 horas semanais sem alteração de salário, exige um planejamento prévio com atenção à legislação trabalhista e à cultura organizacional. Além disso, para ter êxito em termos de gestão de pessoas e negócios, é necessário revisar metas e tarefas diárias e mensurar com frequência os resultados.

O conceito vem de experiências de empresas em países como Islândia, Reino Unido, Bélgica, Nova Zelândia, Escócia e EUA. Muitas decidiram adotar regimes mais flexíveis diante do fenômeno da “grande debandada” (profissionais pedindo demissão) e do esgotamento profissional provocado pelo trabalho, condição oficializada na lista da Organização Mundial da Saúde (OMS).

No país, 61% dos trabalhadores brasileiros consideram mudar de emprego em caso de problemas de saúde mental e 74% acreditam que seriam mais produtivos em uma semana de quatro dias. Dados da plataforma de recrutamento Indeed, obtidos com exclusividade pelo Estadão, indicam ainda que 79% concordam em aumentar as horas diárias de trabalho para ter uma semana mais curta, e a maioria está disposta a apoiar a empresa na implementação do novo modelo (84%).

De acordo com a pesquisa, a redução da carga também melhoraria a saúde mental (85%) e o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal (86%). É o que vem ocorrendo com Gabriele Lima Silva, analista de experiência do cliente da Gerencianet, desde que ganhou a sexta-feira livre. “Aproveito o momento para estar mais próxima da minha família, filho e cachorro, além de cuidar mais de mim.”

O diretor de vendas da Indeed Brasil, Felipe Calbucci, afirma, porém, que a semana de quatro dias pode não fazer sentido para todo tipo de negócio, o que requer avaliar bem a mudança. Isso implica atenção especial à cultura organizacional, diz Evanil Paula, presidente da Gerencianet.

A empresa de meios de pagamentos adotou a sexta-feira livre no início de julho e manteve o controle do ponto para as oito horas de serviço diárias de segunda a quinta. Para implementar o modelo, a Gerencianet fechou acordo com os sindicatos para um novo contrato com os profissionais, atualizando a jornada por seis meses de teste. “Isso é importante, porque a empresa consegue reverter a decisão, caso necessário, sem traumas.”

De forma semelhante, a startup Eva organizou uma assembleia e fechou acordos individuais com os funcionários para reduzir a carga horária a partir de julho. “Antes de definir o dia do descanso, é fundamental um estudo para avaliar os impactos e alinhar às expectativas de todos”, diz o presidente da empresa, Marcelo Lopes.

Novo modelo vira estratégia para retenção de funcionários

A semana de quatro dias de trabalho tem se mostrado uma boa estratégia para retenção de talentos. Num cenário de mercado aquecido em que sobram vagas e faltam profissionais em vários setores, ao oferecer um dia a mais de descanso como benefício, as empresas conseguem disputar mão de obra com companhias estrangeiras que têm salários maiores.

Na empresa de produtos digitais NovaHaus, essa redução da rotatividade já teve impacto nos custos. O presidente da empresa, Leandro Pires, diz que houve perda na entrega, mas não na produtividade. Ou seja, as pessoas diminuíram a jornada de trabalho em 20%, mas deixaram de produzir somente 7%. “Todavia, essa porcentagem foi compensada com a queda da rotatividade e com um aumento de receita.”

A redução da jornada foi definida por acordos individuais e, inicialmente, tem duração de oito meses contados a partir de março. Entre os benefícios aos funcionários, ainda consta um “vale-cultura”, no valor de R$ 400, e duas assinaturas de streaming, os quais têm sido muito bem aproveitados pela gerente de contas Alyne Passarelli.

Para medir o sucesso da estratégia, a NovaHaus adotou como indicadores de avaliação o comparativo de entregas, pesquisas internas para medir o nível de felicidade, valores dos projetos e a quantidade de faltas. “Os funcionários estão mais felizes, faltam menos e a receita aumentou.”

Resultados semelhantes foram observados na Crawly, empresa de coleta de dados online e análises, que instaurou a semana mais curta em março. “Tivemos um aumento de demanda por causa do comercial e do marketing, e conseguimos entregar tudo sem atrasos”, afirma a gerente financeira da empresa, Luisa Lana Stenner.

Processos internos

Tanto para Crawly quanto para a consultoria AAA Inovação, o sucesso da estratégia é atribuído a uma reorganização dos processos internos. “Acabamos com o e-mail, grupos de WhatsApp, e adotamos metodologias e ferramentas ágeis de gestão de projetos e comunicação interna, como Slack, Runrun.it e Discord”, diz o presidente da AAA, Juan Pablo Boeira.

A empresa adotou a jornada mais curta em janeiro. Em cinco meses, foi verificado crescimento de 120% do faturamento. “Quando a gente percebeu que estava mais eficiente, criamos o ‘Reset Day’ (dia de redefinir) às sextas-feiras.” Além de monitorar semanalmente aspectos como entregas (performance), custos fixos, eficiência e saúde mental, a AAA Inovação mantém contato com os clientes para saber o nível de satisfação.

“A decisão de adotar a semana de quatro dias diz muito mais sobre como evoluir a sua produtividade e eficiência do que reduzir um dia de trabalho”, diz o presidente da plataforma Winnin, Gian Martinez. A empresa adotou a sexta-feira livre em agosto de 2021 e já vê melhora de bem-estar dos trabalhadores e redução da rotatividade.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: CNN BRASIL

Entenda a tecnologia 5G que estreia em Brasília nesta quarta-feira

Em algumas regiões do Brasil, 5G compartilha faixa de transmissão com o 4G, o que faz com que o serviço não seja pleno; isso deve mudar a partir desta quarta-feira.

tecnologia 5G chega nesta quarta-feira (5) em Brasília. A capital brasileira é a primeira cidade a ter o sinal da nova internet móvel em funcionamento no país. A expectativa é que todas as capitais estejam com a tecnologia liberada até 29 de setembro.

Em algumas regiões do Brasil, o 5G já compartilha a faixa de transmissão com o 4G, o que faz com que ele não seja pleno. Isso muda a partir desta quarta-feira, com uma faixa de transmissão totalmente dedicada a essa tecnologia.

Os países que contam com a tecnologia mais avançada, chamada de 5G “standalone” (SA), “autosuficiente” ou 5G “puro”, são poucos. Segundo a Ookla, empresa responsável por analisar as métricas de desempenho de acesso à internet no mundo, a maioria utiliza a frequência compartilhada com o 4G, que é de menor qualidade.

Atualmente, o país líder de velocidade 5G é a Coreia do Sul, que tem média de download de 406 megabits por segundo. A média do 4G é de 17,1 megabits por segundo.

O Brasil entra na categoria que passa a aderir a tecnologia pura com a implementação em Brasília. Depois da capital brasileira, Belo Horizonte, Porto Alegre e São Paulo serão as próximas cidades a receber a tecnologia.

Novidades

Uma das principais diferenças do 5G para o 4G e as outras tecnologias é a velocidade. Segundo Eduardo Neger, presidente da Associação Brasileira de Internet (Abranet), isso permite uma resolução e qualidade melhores de imagem e som em vídeos.

Outra mudança significativa é referente à baixa latência. “A latência é um atraso no tempo de resposta de um aparelho, aplicativo ou site. Quando a resposta da rede é mais rápida, você consegue fazer coisas como cirurgias a distância ou operar máquinas e veículos autônomos”, disse Neger.

A baixa latência também permitirá uma expansão da chamada realidade aumentada, que demanda uma resposta rápida após interações com objetos reais que geram conteúdos em um ambiente virtual.

Por fim, o presidente da Abranet destaca a capacidade de conectar uma quantidade maior de dispositivos em uma única antena de transmissão.

Segundo Neger, é possível conectar até 200 vezes mais dispositivos com a nova tecnologia. Isso facilitará a expansão da internet das coisas, em que eletrodomésticos, veículos e outros aparelhos ficam conectados à internet.

O que muda?

Uma das preocupações dos usuários que utilizam a internet, o preço, não deve ser um problema com a implementação do 5G no Brasil. De acordo com o conselheiro e vice-presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Moisés Moreira, “a tecnologia não será mais cara aos usuários [que já possuem 4G]”.

Moreira comunicou que os aparelhos mais novos costumam ser os mais aptos a receber os dados da rede. Ele aconselhou os brasileiros a entrarem em contato com as operadoras para verificarem se o celular está apto para receber a tecnologia.

Os smartphones aptos a utilizarem o 5G devem se beneficiar das novidades que a tecnologia traz, como maior velocidade e resposta de rede mais rápida, em decorrência da baixa latência.

Fonte: CNN BRASIL

Entenda o que é o metaverso e quais as possibilidades que ele oferece para o futuro

À CNN Rádio, John Paul Hempel Lima avaliou que o Metaverso é uma boa oportunidade para o Brasil ser protagonista da tecnologia.

Cada vez que uma tecnologia surge, é natural que a primeira reação seja de receio, ou mesmo resistência.

Em 2021, o Facebook anunciou que investirá para se tornar, em até cinco anos, uma “empresa de metaverso”.

Mas o que isso significa exatamente e como isso vai interferir nas nossas vidas no futuro? Para ajudar a explicar, a CNN Rádio ouviu o professor John Paul Hempel, que é coordenador dos cursos de Engenharia da FIAP.

“O metaverso é um conjunto de ambientes virtuais onde a gente vai interagir, socializar, criar, estudar, trabalhar, consumir e se divertir”, disse.

Segundo ele, “nós já somos muito digitais”, com consumo de streaming e, obviamente, redes sociais.

“Estamos vendo grande movimento das empresas de tecnologia, que perceberam que durante a pandemia a gente foi obrigado a ficar em casa e teve que se adaptar, para estudar e trabalhar. Foi um catalisador para que as empresas falassem que agora é a vez do metaverso.”

Mas qual a diferença para o que já temos hoje? “Por mais que a gente consiga trabalhar e interagir com colegas de maneira digital, sentimos a necessidade de imersão.”

“A gente gostaria de ver, estar em um mesmo ambiente, ter mais liberdade para olhar para um lado e outro, no metaverso gente fala de realidade virtual e aumentada, essas novas tecnologias são incorporadas.”

Metaverso na prática

As tecnologias que podem ser aplicadas ao Metaverso são muitas. Como John Paul explica, há o movimento “digital twins”, em que engenheiros de várias partes do mundo, no ambiente virtual, analisam o desempenho de aviões que estão voando em tempo real.

“O metaverso permite que eu vá dar uma aula e consiga falar com pessoas de Singapura, EUA, África e no Brasil, permite mais inclusão.”

Novas profissões e chance de protagonismo

John Paul acredita que veremos uma “série de novas profissões criadas”: “Há arquitetos de ambientes virtuais, só o Facebook tem 11 mil engenheiros para construção do metaverso, até estilistas virtuais, que criam roupas pros avatares.”

O especialista destaca que, apesar de o Brasil ser desigual, o país é “um dos maiores consumidores de digital do mundo, um dos mais conectados do planeta.”

“O governo poderia criar políticas para que o Brasil estivesse na vanguarda de desenvolvimento das novas profissões, é uma grande oportunidade, a gente consome, mas cria pouco, com incentivos de treinamento poderíamos ser um dos protagonistas dessa nova tecnologia.”

Repercussão legal

Como toda nova tecnologia, há ônus e bônus. O professor afirma que já há tipificações de crimes cibernéticos, como injúria racial e assédio, mesmo no ambiente virtual.

“Existe a Justiça, mas obviamente não consegue prever quais novas formas de interação terão, de tempos em tempos deverá ser revisto, crimes financeiros também podem acontecer no metaverso, tem que ter esse cuidado”, completou.

*Com produção de Bruna Sales

Fonte: CNN BRASIL

Vai viajar de carro nas férias? Guia mostra como economizar até 25% na gasolina

Do ar-condicionado à manutenção do automóvel, veja como reduzir os gastos com combustível. O GLOBO ouviu especialistas em mecânica para orientar os motoristas.

Os preços dos combustíveis na bomba até tiveram uma ligeira queda recentemente com o alívio nos impostos aprovado pelo Congresso. Mas, nos últimos 12 meses, o litro da gasolina subiu mais de 25%. Por isso, na hora de colocar o carro na estrada, cada centavo faz a diferença. O GLOBO ouviu dois profissionais especializados na mecânica dos automóveis para preparar um guia de economia ao volante em cinco passos. A redução de gastos pode chegar a 25%.

São ações simples, mas que podem fazer toda a diferença na hora da viagem de férias ou mesmo em deslocamentos curtos na cidade a trabalho ou para o lazer.

Antes de tudo, é preciso lembrar que cada veículo tem parâmetros de consumo diferentes entre si. O gasto de combustível muda também quando se está no tráfego pesado das cidades ou em uma rodovia, onde os carros podem alcançar o que os técnicos chamam de “velocidade de cruzeiro”, emprestando o termo da aviação.

— Se o condutor não consegue manter a média de consumo indicada (pela montadora), é preciso avaliar o combustível e a forma de condução, que são fundamentais para que o gasto fique dentro do estabelecido pelo fabricante — explica o técnico de Educação Profissional do Senai, Adilson Dantas,

Ar-condicionado: vilão na cidade, aliado nas estradas

Entre as boas práticas para gastar menos gasolina, algumas já são velhas conhecidas dos condutores, mas podem fazer a diferença. É o caso do uso do ar-condicionado, um dos principais vilões do consumo de combustível.

Manter o aparelho desligado pode fazer o motorista poupar até 25%, segundo o engenheiro Mecânico e de Automóveis Marcio D’Agosto, professor de Engenharia de Transportes da Coppe/UFRJ. No inverno, não chega a ser um grande sacrifício.

— O ar-condicionado precisa de muita energia para acionar o compressor para que a refrigeração funcione de maneira satisfatória — explica o professor.

Dantas observa que essa lógica vale principalmente para a cidade, onde o trânsito é mais intenso e inconstante, com mais paradas. Em rodovias, afirma, é possível usar o ar-condicionado com menor gasto de combustível, principalmente se a viagem envolver longa distância:

— Nas estradas, quando o motorista está com uma velocidade mais estável, o ar condicionado vale a pena, porque o gasto se dilui no consumo geral.

D’Agosto concorda e acrescenta: nas estradas ou vias expressas, onde a velocidade mais alta é permitida, é menos vantajoso dirigir com as janelas abertas:

— Com os vidros fechados, a resistência aerodinâmica é reduzida, e a economia de combustível pode chegar a 10%.

Pé leve? Depende

Outra estratégia que faz parte da rotina de muitos motoristas é a redução da velocidade média. Muitos caminhoneiros adotam a prática, ainda que isso torne as viagens mais longas.

Para os especialistas, no entanto, a condução mais lenta não necessariamente faz o veículo poupar combustível. O que interfere é se a velocidade é estável num determinado trecho, evitando acelerações e frenagens bruscas.

— O motorista precisa manter a rotação do motor na faixa de 2 mil RPM (rotações por minuto), trocando a marcha de maneira correta para ficar nesse nível. Isso também vale para veículos pesados, mas no caso do ônibus e caminhões, é preciso olhar o que o fabricante indica — diz o professor da UFRJ.

Veículos automáticos, lembra, são em tese programados para cumprir a lógica de menor consumo, mas é preciso prestar atenção se o carro foi bem regulado e avaliar isso nas manutenções. No caso dos carros convencionais, cabe ao motorista a boa condução. Segundo o especialista, a direção eficiente pode resultar numa economia de 5% a 20%.

— A curva de consumo de combustível tem um ponto onde o gasto é mínimo, que é justamente a rotação que precisa ser mantida para que esse nível ótimo. Se você acelera o motor, ele dispara as rotações. O que a marcha faz é justamente controlar a rotação em função da velocidade que você está trafegando.

‘Banguela’ ladeira abaixo? Nada disso

Nas descidas, conduzir o veículo em ponto morto, prática conhecida como “banguela”, além de muito perigoso para o caso de ser preciso frear, aumentando o risco de acidentes, não traz economia.

Os especialistas apontam que isso pode provocar desgaste excessivo no sistema de freio, principalmente em veículos mais pesados, o que pode gerar inclusive custos adicionais. O certo é descer com o veículo engrenado.

D’Agosto lembra que a manutenção em dia é essencial. Filtros de ar e combustível devem ser limpos com frequência e velas precisam ser trocadas, seguindo as recomendações do fabricante, e os pneus devem ser mantidos na calibragem recomendada. Tudo para melhorar a performance do veículo.

Carregar só o necessário

Além disso, peso excessivo deve ser retirado do porta-malas: a carga desnecessária sobrecarrega o veículo, que precisa de mais força para acelerar, e, por isso, consumir mais combustível. Pense bem no que levar durante a viagem e fique só com o que realmente será necessário.

Já o peso do tanque, é relativo. Há quem diga que é mais econômico abastecer pouco a pouco ao longo da viagem para reduzir o peso do carro. Para D’Agosto, abastecer menos para trafegar com o carro mais leve não traz muita economia, principalmente se o motorista eventualmente calcular mal o consumo e ficar sem combustível.

As paradas nos postos também vão afetar a performance geral, reduzindo o período em “velocidade de cruzeiro”. Dantas avalia que o abastecimento deve acompanhar o consumo:

— O tanque precisa estar na medida da sua necessidade. Ficar com o tanque cheio e não usar é carregar peso desnecessário, mas trafegar com pouco combustível também é perigoso e pode comprometer o desempenho do veículo.

Para ambos os especialistas, o motorista precisa, sobretudo, abastecer em postos confiáveis, para evitar combustíveis adulterados ou de má qualidade, o que pode comprometer a mecânica do veículo. Aí o peso no bolso pode ficar muito maior. É preciso ficar de olho no consumo do carro:

— Basta anotar a quilometragem feita e o volume de combustível. Quanto maior a taxa de km por litro, melhor — diz o professor da UFRJ.

Resumo das dicas:

Constância e fluidez

A condução em velocidade baixa não necessariamente aumenta a economia de combustível. Os especialistas explicam que, na verdade, o que importa é a constância, sem que o condutor fique acelerando ou freando bruscamente, o que aumenta o consumo de combustível.

Marcha na hora certa

Alinhada a evitar o freio ou aceleração repentina, troque a marcha na hora certa, para que a rotação no motor se mantenha na faixa de 2 mil RPM (rotações por minuto), quando o consumo de combustível é reduzido. No caso de veículos pesados, como ônibus e caminhões, é preciso checar quais são as determinações da montadora, que sinaliza os limites no painel.

Manutenção em dia

É importante seguir as orientações do manual do fabricante, respeitando os prazos para troca de componentes, como velas e filtros de ar e de óleo.

Pneus calibrados

Os pneus também devem receber atenção. Normalmente, o fabricante determina na parte interna da tampa de abastecimento qual a calibragem indicada se o carro estiver apenas com o motorista ou com a capacidade total de passageiros. Calibre com frequência: pneus murchos geram mais área de atrito do carro com a pista, além de se deformarem mais, gastando mais energia.

Peso extra

Pare de usar o porta-malas como um “estoque” de coisas que podem ser usadas em situações esporádicas: peso em excesso e desnecessário faz o carro precisar de mais força para acelerar, e, por isso, consumir mais combustível.

Ar-condicionado desligado

Trafegar com o ar desligado quando estiver rodando dentro da cidade é uma estratégia valiosa. Isso porque o aparelho puxa mais energia do motor para acionar o compressor para que a refrigeração aconteça. Se estiver trafegando em estradas, com uma velocidade mais alta e constante, o impacto é menor.

Janelas abertas ou fechadas?

Em estradas ou vias expressas, onde o motorista pode trafegar em velocidades mais altas, o indicado é que as janelas sejam mantidas fechadas. Isso porque o vidro aberto aumenta a resistência aerodinâmica do veículo, que passa a gastar mais energia.

Fonte: O Globo

Julho terá maior superlua do ano e passagem de cometa gigante. Veja!

Julho chegou e nos reserva algumas surpresas, como a maior superlua de 2022, conhecida como “lua dos cervos”, e ainda a passagem do cometa K2, que poderá ser visto aqui da Terra.

No dia 13, quarta-feira veremos a maior superlua de 2022. A “Lua dos Cervos” tem esse nome por conta dos chifres que crescem na cabeça dos cervos nessa época do ano nos Estados Unidos.

Ela estará visível a olho nu e o satélite natural da Terra ficará maior e mais brilhante quando visto daqui. A Lua cheia começa às 15h38 (horário de Brasília).

Passagem do cometa K2

No dia seguinte, 14 de julho, teremos outro espetáculo no céu: a passagem do cometa “C/2017 K2”, também conhecido como “PanSTARSS”

O PanSTARRS é um cometa que vem da Nuvem de Oort – tida por astrônomos como a “divisa” entre o nosso sistema solar e o chamado “espaço interestelar”.

Ele foi descoberto em maio de 2017, ele tem algo entre 14 e 80 quilômetros (km) de raio e aproximadamente 800 mil km de cauda, efetivamente sendo um objeto de grande escala, embora seu núcleo seja relativamente “normal”.

Segundo a Organização EarthSky, uma plataforma norte-americana de informações sobre o céu, o cometa K2 vem se aproximando da Terra em direção ao Sol e agora finalmente poderá ser visto.

Cinco anos depois de identificado, o corpo gelado poderá ser visto nitidamente com binóculos e telescópios na quinta, dia 14.

Depois, ele segue sua viagem rumo ao Sol, de onde deve se aproximar mais intimamente no dia 19 de dezembro.

Como assistir

No dia 14 ele estará a 1,8 unidade astronômica (UA), o que dá em torno de 270 milhões de km de distância da Terra, com um brilho de 9 pontos de magnitude.

O cometa vai se tornar visível no início da noite, por volta das 18h49. Para enxergar, olhe para céu ao leste.

Ele deve atingir o ponto mais alto no céu às 21h39 e ficará observável até às 02h11 da madrugada.

Então torça para fazer tempo bom e céu aberto onde você está para poder assistir a esses dois fenômenos dos dias 13 e 14 de julho. Já estamos torcendo daqui!

Fonte: SóNotíciaBoa

Veja os principais pontos do texto da PEC dos Combustíveis aprovada pelo Senado

Texto foi aprovado nesta quinta-feira (30) e prevê um pacote de R$ 41,25 bilhões em auxílios.

Senado Federal aprovou, nesta quinta-feira (30), a nova versão da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Combustíveis, que prevê o reconhecimento do estado de emergência em 2022 no país e um pacote de R$ 41,25 bilhões em auxílios.

Dentre os principais pontos do texto, está a criação do auxílio de R$ 1 mil a caminhoneiros e um auxílio ainda sem valor definido a taxistas.

Além disso, o projeto amplia o Auxílio Brasil para, ao menos, R$ 600 mensais e o vale-gás para cerca de R$ 120 a cada dois meses. Essas medidas serão válidas até 31 de dezembro deste ano, segundo o texto.

O texto também incrementa em R$ 500 milhões a verba para o programa Alimenta Brasil, de compra de alimentos de pequenos produtores e povos indígenas, entre outros, por parte de órgãos públicos.

Confira os principais pontos do texto aprovado pelo Senado

Proposta aumenta em R$ 200 o benefício do Auxílio Brasil entre 1º de agosto e 31 de dezembro de 2022. Portanto, o valor do auxílio deve passar de R$ 400 para R$ 600 neste período.

A estimativa de custo da medida é da ordem de R$ 26 bilhões até o final do ano. A intenção do governo é usar esse montante ainda para zerar a atual fila de beneficiários, estimada em quase 1,6 milhões de famílias.

Também incrementa o valor do vale-gás para que seja pago o equivalente a um botijão a cada dois meses, o que deve possibilitar que o auxílio chegue a cerca de R$ 120. Oficialmente, será dado um valor que corresponde a mais 50% da média do preço nacional de referência do botijão de 13 kg do gás de cozinha (o gás liquefeito de petróleo). Segundo o relator, 5,8 milhões de famílias devem ser beneficiadas. A medida será válida entre 1º de julho e 31 de dezembro de 2022. O valor estimado da medida é de R$ 1,05 bilhão.

Proposta também concede assistência de R$ 2,5 bilhões até 31 de dezembro de 2022 para auxiliar o custeio do direito da gratuidade aos idosos no transporte público coletivo urbano, semiurbano e metropolitano prevista no Estatuto do Idoso. O montante será repassado à União, a estados, ao Distrito Federal e a municípios.

Para os estados que outorgarem créditos tributários do ICMS, imposto sobre mercadorias e produtos, o projeto dispõe auxílio no valor total de R$ 3,8 bilhões aos produtores ou distribuidores de etanol hidratado em seu território, em montante equivalente ao valor recebido.

O objetivo é reduzir a carga tributária da cadeia produtiva do etanol hidratado, de modo a manter um diferencial competitivo em relação à gasolina. A proposta permite que, até 31 de dezembro de 2022, a alíquota de tributos incidentes sobre a gasolina poderá ser zerada, desde que a alíquota do mesmo tributo incidente sobre o etanol hidratado também seja zerada. A ajuda será dada em cinco parcelas mensais de até R$ 760 milhões cada, de agosto a dezembro de 2022.

A PEC ainda cria um auxílio de R$ 1 mil para os transportadores autônomos de carga que estavam cadastrados no Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Cargas até 31 de maio de 2022, o que deve atingir caminhoneiros, majoritariamente. O auxílio será concedido entre 1º de julho e 31 de dezembro de 2022, deve atender cerca de 870 mil beneficiários e tem impacto estimado em R$ 5,4 bilhões.

Outro auxílio criado foi para motoristas de táxi profissionais registrados, de valor ainda a ser definido. A verba total para esse auxílio será de R$ 2 bilhões. O cálculo de quanto cada taxista receberá e a quantidade de parcelas pagas deverão ser regulamentados pelo Executivo, considerando o número de beneficiários habilitados.

O benefício será concedido entre 1º de julho e 31 de dezembro de 2022. Para recebê-lo, os taxistas precisarão apresentar documento de permissão para prestação do serviço emitido pelo poder público municipal ou distrital.

Por fim, o texto concede suplementação orçamentária de R$ 500 milhões ao Programa Alimenta Brasil.

*Com informações de Luciana Amaral, Gabrielle Varela e Larissa Rodrigues, da CNN, em Brasília

Fonte: CNN BRASIL

Retomada econômica e medidas de estímulo ajudaram a reduzir desemprego, dizem analistas

Desemprego no Brasil ficou em 9,8% no trimestre encerrado em maio, menor taxa para o período desde 2015.

A queda do desemprego registrada no trimestre encerrado em maio pode ser explicada pelas medidas de estímulo lançadas pelo governo e a retomada das atividades econômicas, dizem especialistas.

De acordo com os dados da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), divulgados nesta quinta-feira (30) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o desemprego no Brasil no período ficou em 9,8%, menor taxa para o período desde 2015, quando foi de 8,3%.

A taxa surpreendeu o mercado, que projetava um resultado de 10,24% no período. Em relação ao trimestre anterior, de dezembro de 2021 a fevereiro de 2022, a taxa caiu 1,4 ponto percentual (p.p.). Na comparação com o mesmo trimestre do ano passado, a queda foi de 4,9 p.p. O pesquisador do FGV/Ibre Fernando Holanda avalia que o principal aspecto para a queda no número de desempregados é a retomada da atividade econômica.

“Esses três primeiros meses mostraram uma volta à normalidade. As atividades que mais puxaram o indicador para baixo foram o alojamento e alimentação – comer fora de casa e viajar, por exemplo. A parte de transportes foi muito influenciada pelas viagens aéreas. Além disso, o setor de cultura, que abrange o segmento da economia criativa, cresceu neste ano, que são atividades que demandam a proximidade entre as pessoas”.

Segundo o IBGE, o número de pessoas ocupadas atingiu 97,5 milhões, o maior da série histórica iniciada em 2012, e mostrou alta de 2,4% na comparação com o trimestre anterior, o que equivale a 2,3 milhões de pessoas a mais. Na comparação anual, a alta é de 10,6%, com 9,4 milhões de ocupados a mais no ano.

Rodolfo Margato, economista da XP, elenca um segundo ponto que também beneficiou os resultados do mercado de trabalho. Segundo o economista, as medidas de estímulos fiscais adotadas pelo governo “parecem ter surtido efeito sobre o comércio varejista e sobre alguns serviços”.

“Medidas de estímulo fiscal acabam puxando atividade doméstica no curto prazo, isso também se traduz em mais contratação de mão de obra. Inclusive, outras medidas que estão sendo discutidas no Congresso podem gerar um efeito líquido positivo no terceiro trimestre”.

O economista da LCA Bruno Imaizumi também destaca o impulso gerado pelas medidas de estímulo adotadas pelo governo, como a antecipação do 13º salário do INSS, os saques extraordinários do FGTS, a redução da bandeira tarifária de escassez hídrica e a desoneração fiscal de combustíveis, energia elétrica e comunicação.

“Isso de alguma forma tem ajudado a vermos números melhores na atividade e, consequentemente, no mercado de trabalho”, diz. De acordo com o economista, observando os dados de maio, o destaque é o aumento das carteiras assinadas – ocorrendo acima do Caged na média móvel de três meses -, mas também houve elevação dos postos informais no período.

Dados devem ser vistos com cautela

Ainda que a taxa de desempregados tenha atingido o menor número em sete anos, o economista Bruno Imaizumi lembra que o dado também reflete o não retorno ao mercado de trabalho, após a pandemia de Covid-19, de uma parcela da população, formada principalmente por mulheres e idosos.

“Quando comparamos maio com fevereiro de 2020, temos ainda 2,8 milhões de pessoas a mais fora da força de trabalho. São pessoas que não conseguiram retornar ao mercado”, afirma.

Além dessa perspectiva de análise, Rodolfo Margato pontua o rendimento como outro recorte que deve ser avaliado com cautela.

Ainda que o rendimento real médio subiu 0,5% em maio, marcando a quarta alta consecutiva. “O indicador ainda está rodando cerca de 7,5% abaixo dos níveis registrados antes da crise do coronavírus, como reflexo da inflação persistentemente alta e dos menores salários reais de admissão”, afirma.

Por sua vez, a massa de rendimento real – combina rendimento médio com população ocupada – cresceu 1,7% em maio. A variável situa-se cerca de 3,5% abaixo dos níveis observados antes da crise de saúde pública, porém mais de 5% acima do nível registrado no final de 2021.

Fernando Holanda, do FGV Ibre lembra que é preciso de um mercado de trabalho mais forte para que o rendimento aumente.

“Uma vez que a crise atinge a economia, observamos que as pessoas ficam dispostas a trabalhar por um salário menor. Então, elas aceitam empregos que pagam menos, e isso reduz a massa salarial. Isso já era, de certa forma, esperado, e é até um efeito natural do que acontece em um ajuste, ainda mais em uma crise forte que foi a pandemia.”

Perspectivas

Os especialistas avaliam os resultados observados nesta quinta-feira tendem a alterar as projeções para o final de 2022. Segundo Bruno Imaizumi, a expectativa da LCA era para uma taxa de 9,8%, “mas provavelmente deve ficar mais baixa”.

O economista pondera que a taxa mais baixa não necessariamente significa um mercado de trabalho melhor. “A taxa de desemprego talvez permaneça por muito tempo em um patamar mais baixo, mas isso não vai estar refletindo a situação melhor do mercado de trabalho”, diz. “Muitas pessoas que deixaram o mercado durante a pandemia talvez não retornem”.

Ainda que exista o elemento surpresa do resultado do trimestre encerrado em maio, pode não ser uma tendência duradoura, segundo os especialistas.

Para Holanda, as medidas de combate à inflação podem desacelerar a economia e, consequentemente, interromper a sequência de melhora na taxa de desemprego para o segundo semestre.

O pesquisador do FGV Ibre ainda pontua que as medidas de estímulo trazem um “choque positivo” na demanda e no aumento de renda. No entanto, isso também fará com que o remédio contra a inflação, ou seja, o aumento na taxa básica de juros, seja elevado.

Na projeção de Rodolfo Margato, da XP, a taxa de desemprego brasileira atingirá cerca de 9% ao final de 2022 (na série com ajuste sazonal), levando em conta uma leve piora no quarto trimestre. “No que diz respeito à taxa média anual de desemprego, estimamos em 10,3%”.

Fonte: CNN BRASIL

Brasil tem primeira alta mensal de mortes por Covid desde fevereiro, mas com baixa letalidade, apontam secretarias de Saúde

Foram 4.739 mortes registradas em junho, contra 3.176 em maio. Letalidade para os últimos 6 meses, entretanto, é a menor para um semestre desde o início da pandemia; especialistas destacam necessidade de dose de reforço, máscaras e pedem cautela com análise.

O Brasil registrou, em junho de 2022, 4.739 mortes pela Covid-19, em uma alta de 49,2% em relação a maio. É a primeira vez que o número de óbitos pela doença aumenta de um mês para outro desde fevereiro.

Os dados foram apurados pelo consórcio de veículos de imprensa junto às secretarias de Saúde do país.

Nesta reportagem, você vai ver que:

– o Brasil apresentou a primeira alta mensal de mortes desde fevereiro. Por causa da grande quantidade de casos, entretanto, o índice de letalidade caiu;

– o frio, o aumento das aglomerações e a retirada das máscaras são apontados como motivos para o aumento de casos;

– há bastante desigualdade regional na vacinação;

– é importante tomar a dose de reforço para evitar complicações;

– a Covid é uma doença que pode causar, além da morte, sintomas por um longo período (Covid longa), e, por isso, a proporção mortes/casos não é a única que deve ser analisada;

– pelo mesmo motivo, o vírus continua sendo uma ameaça à saúde, e devemos continuar as medidas de proteção.

Queda no índice de letalidade

Apesar do aumento de mortes em número absoluto, a letalidade da doença – número de mortes em relação ao número de casos conhecidos – caiu de um mês para o outro. Isso porque maio registrou pouco mais de 570 mil casos da doença, enquanto junho teve mais de 1,3 milhão de casos.

O professor Eliseu Alves Waldman, do Departamento Epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP), explica que o aumento absoluto nas mortes já era esperado, exatamente por causa do aumento expressivo do número de casos.

A letalidade da Covid para os últimos 6 meses também foi a menor para um semestre desde o início da pandemia.

Ao mesmo tempo em que os números oficiais apontam o aumento dos casos (veja detalhes abaixo) e uma queda na letalidade, os especialistas ouvidos pelo g1 também ponderam que, hoje, é mais difícil fazer análises com esses dados, por causa dos autotestes.

Para Beatriz Klimeck, antropóloga e doutoranda em Saúde Coletiva na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), os autotestes, apesar de terem sido uma contribuição positiva, trouxeram consigo uma subnotificação de casos ainda maior do que a que já era vista em outras fases da pandemia.

“Mas ele gera uma subnotificação gigantesca: não teve um esforço de fazer alguma forma de notificação obrigatória ou voluntária, mas que funcionasse, então a gente sabe que esse número [de casos] é muito defasado. A gente pode falar de um número muito maior de casos reais – pessoas que testaram positivo, [que o teste] deu reagente e que não foram notificadas para o sistema de saúde“, ressalta a pesquisadora.

Aumento de casos

Para Waldman, o aumento nos casos nos últimos meses deve-se, principalmente, à sazonalidade – a chegada do outono e do inverno traz o aumento da circulação de vírus respiratórios, como o Sars-CoV-2 – e, também, à retomada de eventos sociais com aglomerações e sem o uso da máscara.

“Festas juninas voltaram e as atividades sociais, festas, casamentos, voltaram sem cuidados aparentes. Isso contribui, além da sazonalidade, para intensificar um pouco mais a atual onda. Nós temos que nos convencer que vamos ter que continuar tendo cuidado por um bom tempo”, avalia Waldman.

O epidemiologista também levanta a hipótese de que estejamos entrando numa fase endêmica da Covid-19: a previsão dele é de que se repita o que foi visto no ano passado – um aumento de casos até o final de julho, uma estabilização e, no fim de agosto, uma diminuição.

Ele pontua, ainda, a existência de outros vírus respiratórios – como o da gripe aviária e o da varíola dos macacos – que estão circulando ao mesmo tempo que o Sars-CoV-2 e que podem se tornar ameaças no futuro.

“A gripe aviária vive rondando a gente. De uma hora pra outra, você pode ter adaptação [do vírus], e aí vamos ter problemas. A varíola dos macacos deve ficar endêmica – nada indica que não vai ter mais essa doença no rol de doenças endêmicas. A partir do final do ano, provavelmente vai ser mais uma doença que vai ter que lidar”, diz.

O boletim da Fiocruz de 23 de junho sobre síndrome respiratória aguda grave (SRAG) aponta que, neste ano, cerca de 82% dos casos de SRAG foram causados pela Covid-19. Outros 9,3% foram causados pelo vírus sincicial respiratório (VSR), 5,1% pela Influenza A e 0,1%, pela Influenza B.

Nas 4 últimas semanas epidemiológicas, a Covid foi responsável por 81% dos casos de SRAG.

Um outro fator são as subvariantes da ômicron, ainda mais transmissíveis do que ela – que já era mais transmissível que a variante original do coronavírus.

Sequelas e medidas preventivas

Um ponto importante para entender os impactos da Covid no país é lembrar que a doença, mesmo que não leve à morte, pode trazer sequelas que afetam a saúde a curto, médio e longo prazo.

“Desde sequelas imediatas como sequelas posteriores – de, meses depois, o seu corpo ter ficado debilitado por conta daquela tempestade inflamatória e, aí, desenvolver alguma coisa. É uma coisa que a gente tá vendo muito – sequelas cardiovasculares, respiratórias”, lembra.

“As pessoas estão saindo do isolamento ainda transmitindo; a gente sabe que elas estão sendo incentivadas a não usar mais as máscaras, a única proteção que a gente tinha. E o vírus tem absoluta liberdade para circular. Para isso virar uma outra variante, mais significativa, mais importante, para isso levar à maior parte da população com sequelas, é muito simples”, avalia Klimeck.

“E ele, apesar de ter diminuído imensamente o número de mortes, ainda não é um vírus que não oferece risco para nossa saúde. Pelo contrário: ele continua sendo um vírus muito complexo, que leva a processos complexos dentro do corpo, de inflamação, que a gente ainda nem consegue entender. Então, é sempre importante dizer que a gente não transformou a Covid numa gripezinha“, lembra.

“Seria ótimo se tivesse acontecido, mas isso ainda não aconteceu – e não é porque o número de mortes está lá embaixo, felizmente, por causa das vacinas, que a gente chegou em um momento em que o vírus não é mais perigoso, não ameaça mais a nossa existência”, conclui.

Desigualdade vacinal

A queda na letalidade da Covid, mesmo com o aumento dos casos, também não ocorreu por acaso: a vacinação, que começou em janeiro de 2021, foi sendo ampliada ao longo do ano passado.

Mesmo assim, menos da metade da população brasileira, cerca de 47%, já recebeu a 3ª dose da vacina (primeira dose de reforço). Além disso, a cobertura vacinal varia muito entre os estados. “Agora, a vacinação não pode ser considerada apenas aquele esquema primário. Dependendo da faixa etária, você tem que ter 3 doses – o esquema primário mais uma dose de reforço –, e, dependendo da faixa etária, você tem que ter o esquema primário e 2 doses de reforço”, reforça a epidemiologista Ethel Maciel, professora da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes).

A pesquisadora aponta que, apesar de já estar comprovado cientificamente que a 3ª dose aumenta significativamente a proteção, a falta de informação e de comunicação com a população faz com que as pessoas achem que não precisam do reforço.

Em uma nota técnica divulgada no dia 29, a Fiocruz apontou que a estagnação na cobertura vacinal e a desigualdade entre os estados ameaçam o combate à Covid-19.

Os dados levantados pela fundação mostraram, por exemplo, que a cobertura do esquema primário (duas doses) e até da primeira dose sozinha é menor nas cidades do Centro-Oeste e Norte; nesses lugares, apenas cerca de 50% da população recebeu a primeira dose de reforço.

Já São Paulo, Minas Gerais, Piauí, Paraíba, Bahia e os estados do Sul apresentam maior cobertura. A diferença também foi observada na cobertura de adolescentes de 12 a 17 anos.

Outros países

Fiocruz também apontou, no documento, que a estagnação da cobertura vacinal não ocorreu apenas no Brasil.

No Chile, por exemplo, a cobertura com as duas primeiras doses estacionou em 87%; já na África do Sul, o índice é de apenas 32%. Na Coreia do Sul e no Vietnã, a estagnação ocorreu em 81% da população; já Uruguai e Argentina atingiram um platô de cerca de 72% da população vacinada com o esquema primário, e o México, de 57%.

Nos Estados Unidos, cerca de 67% da população recebeu o esquema primário das vacinas. Já no Brasil, o índice da população vacinada com 2 doses ou dose única (esquema primário) é de 78%.

Outros países além do Brasil – incluindo os EUA – enfrentam alta de mortes, como Rússia, Itália e China, segundo o último relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS).

No entanto, Eliseu Waldman, da USP, avalia que é difícil fazer comparações com outros países. Nos Estados Unidos, por exemplo, a hesitação e a recusa em se vacinar são consideravelmente maiores do que no Brasil.

Outros fatores que contribuem para variações nos cenários são o grau de desenvolvimento e distribuição da riqueza em um país e o acesso e a qualidade dos serviços de saúde – principalmente da assistência hospitalar para formas graves da Covid.

Fonte: G1

Quem é o jovem holandês que promete ser capaz de limpar 80% do lixo do oceano até 2030

Boyan Slat decidiu se dedicar à limpeza do mar aos 16 anos e atualmente comanda uma ONG com projetos em alto mar e em rios de vários lugares do mundo. Ele diz que gostaria de atuar também no Brasil. Sua organização afirma ter equipamentos para limpar 80% do lixo plástico até 2030 e 90% até 2040.

O holandês Boyan Slat tinha 16 anos quando, em uma viagem para fazer mergulho submarino na Grécia, encontrou mais sacolas plásticas do que peixes no mar. Da experiência ele tirou inspiração para criar um dispositivo que recolhe o lixo plástico do oceano.

Hoje com 27 anos, Boyan virou CEO da iniciativa The Ocean Cleanup, que garante ter meios para retirar 80% do plástico no mar até 2030, e cerca de 90% até 2040. A promessa consta em uma carta enviada pelo jovem à organização da Conferência do Oceano da Organização das Nações Unidas (ONU), que acontece em Lisboa até esta sexta-feira (1).

Com a criação, o ativista ganhou fama: em 2014 ele recebeu o título de “Campeão do Planeta” da ONU, o que lhe rendeu a aparição em diversas listas de jovens promissores, como a Forbes 30 Under 30 e a da revista Time. No site da iniciativa que ele comanda, há detalhes sobre o sistema de limpeza, mas também são vendidas camisetas e garrafas reutilizáveis com sua marca – Boyan virou quase uma celebridade.

O principal sistema criado por ele funciona como uma espécie de barragem móvel, que é levada por dois barcos. Esse coletor de lixo vai se enchendo conforme os barcos avançam a uma velocidade determinada, e conforme o plástico vai se movendo por conta das correntes marítimas.

Quando fica cheia, essa espécie de rede é fechada, selada e levada até o barco, onde é descarregada. Depois que os navios que operam o sistema ficam cheios de plástico, o lixo é levado até um centro de reciclagem em terra firme.

Para encontrar os locais ideais para limpeza, a ONG utiliza modelos matemáticos que preveem em quais lugares do oceano o plástico tem mais chances de se acumular.

Além deste sistema de coleta no mar, a ONG comandada pelo holandês também desenvolveu um equipamento movido a energia solar para retirar o lixo dos rios antes mesmo que ele chegue até o oceano.

Chamados de “interceptores”, esses equipamentos também funcionam criando barreiras para o lixo plástico. Atualmente, a ONG já tem dez dessas sistemas funcionando em rios de diferentes lugares do mundo, da Jamaica à Indonésia, passando por países como Malásia e República Dominicana.

Sistema em ação

Boyan Slat tinha apenas 18 anos quando inventou, em 2013, o primeiro protótipo do sistema de limpeza dos mares. Logo depois, em 2014, ele recebeu um prêmio da ONU e começou a ganhar reconhecimento. Foi nessa época que ele passou a atrair investidores para o seu projeto, que atualmente incluem nomes como a banda Coldplay e a fabricante de refrigerantes The Coca-Cola Company.

Apesar disso, as primeiras operações de limpeza começaram apenas em 2018, quando a The Ocean Cleanup testou o equipamento System 001. Depois, em 2019, uma evolução do mesmo sistema fez a primeira extração de plástico na região conhecida como a Grande Ilha de Lixo do Pacífico. Desde então, o System 001 evoluiu para System 002 – conhecido também como Jenny – para realizar algumas operações de limpeza pontuais ao longo dos anos de 2021 e 2022.

Agora, o plano ambicioso da ONG é chegar a 10 sistemas em operação na região do Oceano Pacífico que mais concentra lixo plástico, e dobrar o número de equipamentos em funcionamento em rios a cada ano.

Seus planos de expansão incluem o Brasil porque, segundo ele, o país é um dos que tem mais rios com potencial para a remoção do lixo plástico.

“Certamente há muito trabalho para ser feito no Brasil, e nós adoraríamos trabalhar com empresas locais e governos para tentar levar os interceptores para os rios do Brasil também”, afirmou.

“É um bom investimento para os governos porque é muito mais caro limpar esse lixo na costa, depois que ele já afetou as praias e o turismo, do que simplesmente coletar enquanto ele ainda está nos rios”, completou.

Redução do lixo

A criação de Boyan é focada em meios para retirar o lixo que já está no mar, mas o próprio inventor reconhece que é necessário pensar também em estratégias para evitar que a produção de plástico se mantenha nos níveis atuais. Segundo a ONU, 89% do lixo plástico encontrado no mar vem de itens de uso único, como sacolas de plástico e embalagens.

De acordo com os dados mais recentes do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), o montante de plástico no oceano é estimado em algo entre 75 e 199 milhões de toneladas. Esse lixo afeta mais de 800 espécies marinhas e costeiras, seja pelo risco de emaranhamento no lixo, seja por mudanças no seu habitat.

Por conta disso, as discussões da Conferência do Oceano da ONU têm sido focadas na redução do uso de plástico e, a longo prazo, na completa substituição deste material, e não em iniciativas de limpeza pontuais como a que foi criada por Boyan.

Uma das iniciativas é o chamado Compromisso Global da Nova Economia do Plástico, que foi reconhecido por 22 novos países durante a conferência. Entre os novos signatários do acordo há ainda governos locais, como os dos estados de São Paulo, Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe, que juntos reúnem quase a metade da população brasileira.

Conferência do Oceano

Responsável por cobrir mais de 70% da área do planeta, o oceano é essencial para a manutenção da vida na Terra, mas sua saúde está em perigo – este alerta é o principal foco da Conferência do Oceano da ONU, que ocorre em Portugal até esta sexta (1º).

O evento reúne delegações de diversos países para promover o desenvolvimento de ações concretas, tanto de países como de instituições privadas, para que as metas da Agenda 2030, também conhecidas como Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), sejam atingidas. No caso do oceano, trata-se do ODS 14, Vida no Mar, que inclui compromissos como a de reduzir significativamente a poluição marinha até 2025.

Além de fornecer alimento e trabalho, o oceano também tem um papel fundamental na regulação climática do planeta: é ele que garante que a temperatura da Terra fique em níveis adequados para a sobrevivência de diversas espécies, inclusive o homem.

Mas, por conta da ação humana, os mares têm sofrido diversos desafios, que passam pelo aumento da poluição, causada principalmente por plásticos, e também pela elevação da acidez da água, provocada pela alta nas emissões de carbono na atmosfera.

Esta reportagem foi produzida no âmbito da 2022 UN Ocean Conference Fellowship, organizada pela Earth Journalism Network da Internews com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian (Reino Unido).

Fonte: G1

Substância achada em bactéria da Amazônia pode inovar tratamento de câncer e impedir a metástase

Estudo brasileiro aponta possível capacidade do pigmento, encontrado no rio Negro, de bloquear a migração das células tumorais para outras partes do corpo.

Um estudo recente realizado por uma estudante de doutorado da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) aponta que uma substância natural produzida por uma bactéria originária do rio Negro, no Amazonas, pode ser promissora no combate ao câncer ao evitar a metástase (espalhamento para outras partes do corpo) de tumor colorretal.

Por anos, estudiosos dedicam esforços para entender a atuação da violaceína, produzida pela bactéria Chromobacterium violaceum, no auxílio do combate ao câncer. O laboratório da universidade já estudou a ação da violaceína em diversos tipos de câncer, como a leucemia, próstata, pâncreas e mama.

Recentemente, a doutoranda do Instituto de Biologia da Unicamp Patrícia Fernandes de Souza identificou a capacidade do pigmento de impedir o agravamento do câncer colorretal.

Orientada pela professora de bioquímica do instituto Carmen Veríssimo Ferreira-Halder, elas descobriram que a violaceína tem a habilidade de diminuir ou bloquear a ação de algumas proteínas que possibilitam o crescimento do tumor, a metástase e a resistência ao tratamento.

“De alguma forma, a violaceína acaba desligando vias ou rotas metabólicas que são importantes para manter o tumor vivo e, muitas vezes, manter o tumor agressivo”, conta a professora.

O estudo busca identificar os principais agentes do tumor que ocasionam a piora dos quadros clínicos para, futuramente, desligá-los e fornecer informações relevantes para o desenvolvimento de remédios.

A violaceína e o câncer colorretal

De acordo com dados estimados pelo Inca (Instituto Nacional de Câncer), o segundo tipo de câncer mais incidente, tanto em homens quanto em mulheres, é o colorretal. Apesar disso, segundo a doutoranda, a maioria dos pacientes é assintomático e descobre o tumor em um estado avançado da doença, o que dificulta o tratamento.

Pensando nisso, o estudo detalha, principalmente, a via que permite que uma célula tumoral se torne invasiva, processo denominado transição epitélio-mesênquima. Quando ela ganha esta capacidade, consegue invadir diferentes locais e migrar para outros órgãos, ocasionando a metástase.

A partir de modelos que imitam tumores humanos, chamados de esferoides, a pesquisa constatou que a violaceína consegue bloquear esta transformação e induzir aquela célula tumoral à morte por apoptose – tipo de eliminação que é o mais indicado, pois destrói a célula sem causar uma reação impactante ao paciente, como uma resposta inflamatória.

Em laboratório, a equipe utilizou um método – fator de crescimento, chamado TGF-β – que estimulou a transformação da célula de câncer colorretal em uma com capacidade de migração, ou seja, com características metastáticas. Até mesmo neste caso, a violaceína conseguiu bloqueá-la.

“Nós tivemos a ideia de mimetizar o que acontece em seres vivos, porque esse TGF-β está presente no nosso organismo”, explica a doutoranda.

Aumento da eficácia de medicamentos

A pesquisa constatou ainda que a combinação da violaceína com o quimioterápico 5-fluorouracil, muito utilizado em tratamentos, melhorou a ação do medicamento e diminuiu as doses necessárias de duas a cinco vezes.

“Nós observamos que quando a gente trata essa célula com violaceína e com o quimioterápico, foi necessária uma dose menor para conseguir observar o efeito de inibição da proliferação da célula e também na impulsão da morte das células por apoptose”, detalha a professora.

A habilidade da violaceína de induzir a morte celular por apoptose também é um facilitador para o desenvolvimento de quimioterápicos. Um dos grandes desafios do tratamento de pacientes com câncer, segundo a orientadora do estudo, é combinar o efeito terapêutico com a qualidade de vida.

A maioria dos quimioterápicos tem efeitos colaterais fortes e a diminuição das doses pode significar uma redução das reações, além do aumento da qualidade de vida do paciente.

Próximos avanços

Os próximos avanços do estudo da doutoranda procurarão entender mais detalhadamente a forma de atuação e o porquê da violaceína ocasionar o declínio das proteínas associadas à metástase.

O grupo também irá aprofundar os estudos na utilização das doses e realizar testes com diferentes quimioterápicos. A linha de pesquisa do laboratório da universidade consegue avaliar as vias metabólicas, identificar proteínas importantes e a forma de atuação da violaceína nelas. Entretanto, para além destas informações, há a necessidade de modelos mais completos.

Os protótipos que já foram utilizados no estudo serviram para respaldar o próximo grande passo: o teste em animais.

“Com tudo que já temos comprovado, o passo seguinte é tratar animais”, informa o professor convidado do Instituto de Biologia da Unicamp Nelson Eduardo Duran.

E acrescenta: “Em alguns casos, nós já temos dados preliminares do tratamento em animais com violaceína, que ainda estão sendo analisados, mas tudo indica que realmente funciona muito bem”.

Contribuíram também para o desenvolvimento do estudo os doutores Alessandra Faria, Stefano Clerici, Erica Akagi, os professores Giselle Justo (UNIFESP) e Hernandes Carvalho (UNICAMP) e os assistentes técnicos Dra. Cláudia Soraggi e Luís Henrique Ribeiro (UNICAMP). As agências CAPES, CNPq e FAPESP financiaram a pesquisa (artigo publicado em J Cell Biochem. DOI: 10.1002/jcb.30295).

*Estagiária do R7 sob supervisão de Fernando Mellis

Fonte: R7