Pr. Marcelo Torres

Pr. Marcelo Torres

Sede Estadual - SE [email protected]

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Distrital – DF   [email protected]

Pr. Weslley Santos

Pr. Weslley Santos

Sede Estadual – AL [email protected]

Pr. Márcio Candido

Pr. Márcio Candido

Sede Estadual – PE [email protected]

Pr. Wadson Medeiros

Pr. Wadson Medeiros

Sede Estadual – RS [email protected]

Pr. David Scarinci

Pr. David Scarinci

Sede Estadual – PA   [email protected]

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal [email protected]

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – PR [email protected]

Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – AM [email protected]

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – MA [email protected]

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – PB [email protected]

Pr. Alexandre Teodoro

Pr. Alexandre Teodoro

Sede Estadual – RJ [email protected]

Pr. Ademir Pereira

Pr. Ademir Pereira

Sede Estadual - RN [email protected]  

Pr. Jean Vilela

Pr. Jean Vilela

Sede Estadual – MG [email protected]

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – BA   [email protected]

Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Estadual - PI [email protected]

Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Estadual – CE   [email protected]  

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Nacional – SP   [email protected]  

O app espião que ajudou o FBI a desbaratar rede criminosa internacional

Mais de 800 suspeitos de crimes foram presos em todo o mundo depois de serem induzidos a usar um aplicativo de mensagens criptografadas do FBI, dizem autoridades.

A operação, realizada pela Austrália em conjunto com o FBI (polícia federal dos EUA), encorajou os criminosos a baixarem o app espião ANOM. Isso permitiu que polícia monitorasse conversas sobre tráfico de drogas, lavagem de dinheiro e até mesmo planos de assassinato.

Os alvos incluíam gangues de traficantes e pessoas com ligações com máfias.

Drogas, armas, veículos de luxo e dinheiro também foram apreendidos na operação, realizada em mais de uma dezena de países. Isso incluiu oito toneladas de cocaína, 250 armas e mais de US$ 48 milhões (R$ 240 milhões) em várias moedas e criptomoedas em todo o mundo.

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, disse que a operação "desferiu um forte golpe contra o crime organizado" em todo o mundo.

A agência policial da União Europeia Europol descreveu a Operação Trojan Shield/Greenlight como a "maior operação contra comunicação criptografada".

Como funcionou o golpe ANOM?

O FBI começou a operar uma rede de dispositivos criptografada chamada ANOM, que foram distribuídos secretamente para o submundo do crime por meio de informantes.

A ideia da operação surgiu depois que duas outras plataformas criptografadas foram derrubadas por agentes, provocando uma demanda entre as gangues de criminosos por meios seguros de comunicação.

Os dispositivos foram inicialmente usados por criminosos mais graduados na hierarquia das gangues, dando aos demais criminosos a confiança para usar a plataforma.

O fugitivo australiano e suposto traficante de drogas Hakan Ayik foi fundamental para o golpe dado pelas autoridades, tendo inadvertidamente recomendado o aplicativo para outros criminosos depois de receber um aparelho de policiais disfarçados, informou a polícia.

Apelidado de "gangster do Facebook" pelos meios de comunicação australianos, Ayik é visto em fotografias de redes sociais com grandes tatuagens e um físico musculoso. Os meios de comunicação locais dizem que ele vive na Turquia desde que fugiu da prisão, levando um estilo de vida luxuoso com uma esposa holandesa.

A polícia recomendou que Ayik se entregue para as autoridades o mais rápido possível, pois ele próprio pode estar em perigo por ter ajudado involuntariamente o FBI com a operação.

O que as autoridades descobriram?

Os policiais foram capazes de ler milhões de mensagens em "tempo real" descrevendo tramas de assassinato, planos de importação de drogas em massa e outros esquemas.

"Eles falam o tempo todo sobre drogas, violência, espancamentos, pessoas inocentes que vão ser assassinadas, uma série de coisas", disse o comissário da Polícia Federal Australiana Reece Kershaw.

No total, cerca de 9 mil policiais em todo o mundo estiveram envolvidos na operação.

Calvin Shivers, da Divisão de Investigação Criminal do FBI, disse que a operação permitiu às agências policiais "virar o jogo contra as organizações criminosas", com informações coletadas para prevenir assassinatos e vários outros crimes.

"Pudemos ver fotos de centenas de toneladas de cocaína escondidas em carregamentos de frutas", disse ele.

Declarações de agências de segurança não citaram nenhum dos presos na operação.

Na Austrália, 224 pessoas foram presas, incluindo membros de gangues de motociclistas, mafiosos e grupos do crime organizado.

A polícia disse que também apreendeu três toneladas de drogas e 45 milhões de dólares australianos (R$ 175 milhões) em dinheiro e bens, e atuou em 20 "ameaças de morte", potencialmente salvando a vida de um "número significativo de inocentes".

Morrison disse que o golpe, que foi chamado de Operação Ironside na Austrália, foi "um divisor de águas na história do combate ao crime australiano".

A polícia da Nova Zelândia disse que 35 pessoas no país foram presas e cerca de 3,7 milhões de dolares neozelandeses (R$ 13,5 milhões) de bens confiscados.

"Acreditamos que o término dessas operações terá um impacto significativo no crime organizado da Nova Zelândia", disse o diretor detetive superintendente do Grupo de Crime Organizado Nacional, Greg Williams.

O vice-diretor executivo da Europol, Jean-Philippe Lecouffe, descreveu a operação como um "sucesso excepcional".

A agência não divulgou quantas detenções foram feitas em cada país, mas autoridades locais disseram que houve 70 pessoas presas na Suécia e 49 na Holanda, de acordo com a agência de notícias Reuters.

Linda Staaf, chefe de inteligência da polícia sueca, disse que a operação ajudou a prevenir mais de 10 assassinatos planejados na Suécia.

Fonte: G1

bannerMemorial

Domingo, dia 27/06, às 10h Encontro da Família     SEDE NACIONAL             Av. Cruzeiro do Sul, 1965 - Santana - São Paulo - SP