Pr. Weslley Santos

Pr. Weslley Santos

Sede Estadual – AL [email protected]

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – BA   [email protected]

Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Estadual - PI [email protected]

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal [email protected]

Pr. Wadson Medeiros

Pr. Wadson Medeiros

Sede Estadual – RS [email protected]

Pr. Ademir Pereira

Pr. Ademir Pereira

Sede Estadual - RN [email protected]  

Pr. Marcelo Torres

Pr. Marcelo Torres

Sede Estadual - SE [email protected]

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Distrital – DF   [email protected]

Pr. Alexandre Teodoro

Pr. Alexandre Teodoro

Sede Estadual – RJ [email protected]

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – MA [email protected]

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – PR [email protected]

Pr. Jean Vilela

Pr. Jean Vilela

Sede Estadual – MG [email protected]

Pr. David Scarinci

Pr. David Scarinci

Sede Estadual – PA   [email protected]

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Nacional – SP   [email protected]  

Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – AM [email protected]

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – PB [email protected]

Pr. Márcio Candido

Pr. Márcio Candido

Sede Estadual – PE [email protected]

Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Estadual – CE   [email protected]  

Talibã chega a um mês no poder sem governo “inclusivo” nem reconhecimento internacional

Em 15 de agosto, em meio à já caótica operação de retirada das forças dos EUA e seus aliados da Otan do Afeganistão, o Talibã assumia o controle da capital, Cabul, praticamente sem resistência e prometendo um governo funcional e integrado ao mundo. Um mês depois, praticamente nenhuma das promessas foi cumprida, e as frequentes idas e vindas políticas atrapalham e atrasam iniciativas da comunidade internacional para fornecer ajuda ou dialogar com o novo regime, que ainda não foi formalmente reconhecido por nenhum país.

O grupo, que comandou o Afeganistão de maneira brutal entre 1996 e 2001, retornou ao poder depois de uma ofensiva que, em questão de meses, colocou praticamente todos os distritos do país sob seu controle. Muitas vezes sem resistência das forças de segurança, treinadas e armadas pelos EUA ao longo de duas décadas, o grupo fundamentalista entrou na capital sem dificuldades, enquanto o presidente Ashraf Ghani fugia do país.

A velocidade da vitória militar surpreendeu até mesmo as lideranças talibãs: alguns chegaram a reconhecer que um plano de governo não estava pronto àquela altura. Ao mesmo tempo, representantes do grupo davam entrevistas com promessas de um Gabinete "inclusivo" —apesar de antemão descartar posições ministeriais para mulheres— e de um Talibã moderado, que queria deixar no passado a imagem da milícia que reprimia mulheres e minorias étnicas e religiosas e executava pessoas no gramado do Estádio Ghazi, em Cabul.

Nos dias seguintes, a prática contrariou as promessas, a começar pelas mulheres. Em meados de agosto, a milícia ordenou que as profissionais, com exceção do setor da saúde, não fossem trabalhar, citando “razões de segurança”. Diferentemente do que acontecia nos anos 1990, as mulheres por enquanto podem frequentar escolas e universidades, mas, nas salas de aula do ensino superior, os estudantes devem ser separados por gênero, incluindo com cortinas dividindo as salas de aula — o currículo também está sendo revisto. Além disso, integrantes do governo deposto e antigos rivais, a quem foi prometida anistia, estão sendo perseguidos.

— Por mais que o Talibã tenha emitido declarações públicas prometendo anistiar ex-funcionários de segurança e servidores civis do governo, proibindo buscas em casas e garantindo o direito das mulheres sob a lei islâmica, informações (...) que consideramos bem fundamentadas indicam que a prática contraria frequentemente tais compromissos — declarou, na segunda-feira, a alta comissária da ONU para os direitos humanos, Michelle Bachelet.

O Gabinete de governo interino, anunciado há pouco mais de uma semana, não traz a prometida inclusão. Os ministros são em sua maioria membros da etnia majoritária pachto vindos da própria milícia ou de grupos aliados — é o caso de Sirajuddin Haqqani, que está à frente do Ministério do Interior e é procurado pelas autoridades dos EUA por terrorismo, com uma recompensa de US$ 10 milhões oferecida pelo Departamento de Estado.

O Ministério não traz representantes de minorias étnicas ou religiosas, e muito menos coloca mulheres em postos de comando, algo que o Talibã já anunciou que não fará mesmo no futuro. Essa ausência recebeu críticas até de países como o Irã que, embora rival histórico do Talibã, já havia acenado com relações com o novo governo.

— Certamente não é o governo inclusivo que a comunidade internacional e a República Islâmica do Irã esperavam ver — declarou o porta-voz da Chancelaria iraniana, Said Khatibzadeh, na segunda-feira. — Teremos que esperar para ver se o Talibã responde às demandas internacionais.

Essa situação provocou um movimento inexistente no primeiro governo Talibã. Diariamente, centenas de pessoas, na maioria mulheres, saem às ruas de várias cidades do país para protestar em defesa de seus direitos, contra a repressão do grupo e por uma nação mais inclusiva. Alguns dos atos foram dispersados com uso de violência pelos combatentes do grupo, incluindo com tiros para o alto.

Sem reconhecimento

A indefinição sobre os planos do Talibã, acentuada pelas constantes mudanças de discursos de seus representantes, faz com que a comunidade internacional prefira a cautela ao lidar com o grupo. O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, declarou que o bloco precisa coordenar algum tipo de presença diplomática e fechar acordos com a milícia para fornecer assistência, mas sem estabelecer laços formais.

O Qatar, que sedia o escritório político do Talibã desde 2013 e foi um intermediário importante no processo da retirada dos estrangeiros, rejeitou um reconhecimento oficial, citando as questões sobre os direitos humanos, mas mantém diálogo direto com a milícia, incluindo sobre as operações do aeroporto de Cabul. O Paquistão, antigo aliado do Talibã, também tenta resolver velhas divergências antes de estabelecer laços formais com o país vizinho, muito embora já tenha enviado alimentos e doações para Cabul.

Nem a China, que já mantinha contatos com o Talibã pelo menos desde 2018, diz quando vai reconhecer o novo governo — mesmo assim, manteve sua embaixada em Cabul aberta e prometeu ajuda de US$ 31 milhões, dinheiro mais que necessário agora.

A já combalida economia afegã praticamente entrou em colapso depois que o grupo tomou o poder, quando vários setores paralisaram suas operações, e as novas autoridades se viram diante do congelamento das linhas de financiamento internacionais e do bloqueio de cerca de US$ 10 bilhões do Banco Central afegão em instituições financeiras nos EUA. Para tentar atender a necessidades urgentes, um grupo de países se comprometeu, em conferência na ONU na segunda-feira, a doar US$ 1 bilhão em assistência humanitária.

— O povo do Afeganistão precisa de uma linha de ajuda. Depois de décadas de guerra, sofrimento e insegurança, eles estão diante talvez de sua hora mais sombria. É hora de a comunidade internacional ficar ao seu lado — declarou o secretário-geral da ONU, António Guterres.

Em entrevista coletiva, nesta terça-feira, o chanceler interino afegão, Amir Khan Muttaqi, defendeu a retomada imediata das linhas de ajuda externa, declarando que muitos projetos essenciais foram paralisados por falta de dinheiro. Ele não mencionou as acusações de pouca diversidade no governo ou as restrições impostas às mulheres — apenas afirmou que a ajuda ao Afeganistão não deve se tornar uma questão política.

— Ajudamos os EUA até a retirada da última pessoa, mas infelizmente os EUA, em vez de agradecer, congelaram nossos ativos financeiros — declarou Muttaqi. — Os EUA são um grande país, deveriam ter uma grande paciência, nós precisamos ajudar uns aos outros.

Fonte: O Globo

bannerMemorial

Aguarde atualizações