Pr. Wesley Santos

Pr. Wesley Santos

Sede Estadual – PR [email protected]

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Internacional – SP   [email protected]  

Pr. Dionatan Freitas

Pr. Dionatan Freitas

Sede Estadual - GO [email protected]

Pr. William Alves

Pr. William Alves

Sede Estadual – [email protected]

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – RJ [email protected]

Pr. Gilvan Gomes

Pr. Gilvan Gomes

Sede Estadual - SE [email protected]

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal [email protected]

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – BA   [email protected]

Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Estadual – MG [email protected]

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – PE [email protected]

Pr. Emerson Stevanelli

Pr. Emerson Stevanelli

Sede Estadual – PB [email protected] [email protected]

Pr. Leonardo Pinheiro

Pr. Leonardo Pinheiro

Sede Estadual – MA [email protected]

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Estadual - PI [email protected]

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – AL [email protected]

Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Distrital – DF   [email protected]

Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – AM [email protected]

Pr. Crescio Rezende

Pr. Crescio Rezende

Sede Estadual - RN [email protected]

Pr. Raphael Batista

Pr. Raphael Batista

Sede Estadual – RS [email protected]

Pr. Reinaldo Rosário

Pr. Reinaldo Rosário

Sede Estadual – CE [email protected]

Frase “Precisamos conversar” é a maior causa de infarto em homens

Depois que ouvem isso, a pressão arterial sobe, os batimentos cardíacos ultrapassam o limite e alguns relatam ouvir zumbidos no ouvido

Um levantamento da Universidade Colúmbia feito com 1 000 homens entre 34 e 60 anos descobriu que a apreensão deles após ouvir a frase “Precisamos conversar” da boca da parceira ultrapassou o sedentarismo e a obesidade como causas de doença cardíaca.

Segundo o estudo, depois que os homens ouvem a frase, a pressão arterial sobe, os batimentos cardíacos ultrapassam o limite e alguns relatam ouvir zumbidos no ouvido.

O antídoto para o problema é repetir “Sim, desculpe” até o fim e torcer para sobreviver.

Publicado em VEJA de 7 de novembro de 2018, edição nº 2607

               Fonte: VEJA

 

 

 

bannerMemorial

Domingo, dia 25/11, às 8h 2019 - O ANO ACEITÁVEL DO SENHOR SEDE INTERNACIONAL                   Av. Cruzeiro do Sul, 1965 - Santana - SP