Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – AM [email protected]

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – PR [email protected]

Pr. Marcelo Torres

Pr. Marcelo Torres

Sede Estadual - SE [email protected]

Pr. Ademir Pereira

Pr. Ademir Pereira

Sede Estadual - RN [email protected]  

Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Estadual – CE   [email protected]  

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Distrital – DF   [email protected]

Pr. David Scarinci

Pr. David Scarinci

Sede Estadual – PA   [email protected]

Pr. Jean Vilela

Pr. Jean Vilela

Sede Estadual – MG [email protected]

Pr. Márcio Candido

Pr. Márcio Candido

Sede Estadual – PE [email protected]

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Nacional – SP   [email protected]  

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – MA [email protected]

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – PB [email protected]

Pr. Alexandre Teodoro

Pr. Alexandre Teodoro

Sede Estadual – RJ [email protected]

Pr. Dionatan Freitas

Pr. Dionatan Freitas

Sede Estadual - GO [email protected]

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal [email protected]

Pr. Weslley Santos

Pr. Weslley Santos

Sede Estadual – AL [email protected]

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – BA   [email protected]

Pr. Wadson Medeiros

Pr. Wadson Medeiros

Sede Estadual – RS [email protected]

Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Estadual - PI [email protected]

Avanço de 0,9% da produção industrial é surpresa positiva, diz economista

A produção industrial de dezembro de 2020, divulgada nesta terça-feira (2) pelo IBGE, avançou 0,9% ante uma expectativa de contração de 0,4%. Para o economista-chefe da Ativa Investimentos, Étore Sanchez, o resultado pegou muitos de surpresa e se mostrou ainda mais inesperado na comparação anual, em que o avanço foi de 8,2%, frente a uma expectativa de 5,5%.

"Vale destacar que o resultado surpreendeu até o mais otimista dos agentes que esperavam avanço de 8,1% na comparação anual. A surpresa se concentrou no desempenho de Bens de Capital que subiu excelentes 35% na comparação anual. Evidentemente o desempenho das demais categorias de uso também foi positivo, com destaque secundário para Bens de Consumos Duráveis e Bens Intermediários", explica.

O economista destaca que, ainda que a produção industrial não tenha representatividade elevada no PIB brasileiro, ajuda a compor uma perspectiva menos negativa para 2020. "Vale pontuar que o avanço da produção, principalmente na capacidade produtiva, poderá remover eventuais pressões de oferta, com potencial implicações sobre uma descompressão de preços".

Fonte: spacemoney


bannerMemorial

Aguarde Novas Atualizações