Israel articula criação de cinturão de segurança no Oriente Médio

Algo que para muitos era impossível, em tese, já se tornou uma possibilidade real para estrategistas do Exército de Defesa de Israel, segundo a tenente-coronel (reserva) Sarit Zehavi, CEO e fundadora da Alma Research and Education Center -  organização sem fins lucrativos e centro de pesquisa e educação especializado nos desafios de segurança de Israel.

Zehavi considera que os acordos entre Israel, Emirados Árabes e Bahrein, assinados no segundo semestre de 2020, e uma aproximação diplomática com a Arábia Saudita, já possibilitam uma troca de informações e cooperação em segurança para neutralizar interesses hostis do Irã. Até mesmo com a possibilidade de haver uma presença concreta de militares israelenses na região, o que antes pareceria impossível.

"Não há mobilizações de tropas, mas, coloquemos uma ideia do acordo desta maneira: se o Irã pode criar uma frente contra Israel, no Libano e Síria, com o Hezbollah, agora Israel pode criar uma frente israelense para o Irã, no Emirados e Bahrein, países que têm interesse em cooperar com Israel porque também são ameaçados. Estão mais próximos e geograficamente é muito útil essa aliança para neutralizar o Irã", observa.

"O resultado destas alianças, em curto prazo, já mostra que Israel não está só, não está isolada, que há países da região que veem Israel como um estado legítimo e que é importante cooperar com ele, não só por assuntos de segurança, mas econômicos e sociais também", completa.

Para Zehavi, o acordo em geral visa o incremento de relações comerciais, de intercâmbio de tecnologia, mas a segurança é um fator essencial, que possibilita o andamento de negociações em todas as áreas.

Para o professor Danilo Porfírio de Castro Vieira, doutor em análise do Desenvolvimento do Terrorismo Contemporâneo pela Unesp (Universidade Estadual Paulista) e autor do livro "Ação política norte-americana e o jihadismo no Oriente Médio", oficialmente, esse tratados com Emirados Árabes e Bahrein e informal com a Arábia Saudita, visam a estabelecer na uma integração econômica, linhas de transporte, circulação de pessoas, na perspectiva do transporte.

No entanto, os interesses estratégicos informais, foram fundamentais para a aproximação.

"Temos que entender que, formal ou informalmente, estabelecer o alinhamento com Israel desses paíes, que por sinal são sunitas, satélites da Arábia Saudita, é uma iniciativa que vem no intuito de articular ações e discursos uniformes para conter qualquer forma de avanço ou hegemonia do Irã no fortalecimento de um arco xiita na região."

Apesar de, na teoria, ele considerar que a aliança possa trazer uma estabilidade na região, ele alerta para algumas arestas que podem servir como empecilho.

"A aliança fortalece a Israel e Arábia Saudita, potencialmente enfraquece o Irã, mas, por outro lado, o Irã tem boas relações com a Rússia, que também está presente na Síria e se preocupa com ingerências de Israel dentro da Síria. A Rússia já mostrou insatisfação em relação a isso, minha preocupação é a participação russa nessa nova realidade", observa.

Castro Vieira inclui entre os seus temores a possibilidade do aumento do radicalismo em algumas questões, como a palestina.

"A princípio, com os acordos de Israel, teremos uma promessa de estabilidade precária, mas estabilidade. No entanto, o acontecerá em seguida, como ficará a questão palestina? Se a Arábia Saudita e outros países do golfo fecharem aliança, as ações de autonomia palestina se enfraquecerão e de alguma maneira o Hamas será mais fortalecido", analisa.

Os palestinos terão eleição para o Conselho Legislativo Palestino, com 132 cadeiras, em 22 de maio próximo, enquanto a eleição para a presidência da Autoridade Nacional Palestina, que governa a região, ocorrerá em 31 de julho.

Há o risco de nova divisão da Fatah, partido do atual governo, mas que, em 2006, devido à fragmentação, perdeu poder na Faixa de Gaza, que passou a ser controlada pelo Hamas.

O grupo radical, considerado terrorista por Israel e Estados Unidos, vislumbra essa nova possibilidade, após desavenças na Fatah, com a concordância de Marwan Barghouti e Nasser al-Kidwa, em se unir na próxima eleição, contra o atual presidente da Autoridade Nacional Palestina.

A tenente-coronel Zehavi, porém, acredita que a aliança de Israel com países do Golfo carrega justamente em sua essência a capacidade de enfraquecer grupos como o Hamas.

"A perspectiva para o futuro é a importância de se criar um cinturão com cada vez mais países, que dê mais segurança no mar e no ar, diminuir a ameaça do Irã, reduzir cada vez mais o apoio a organizações terroristas, como Hamas e Hezbollah, bloquear influência do Irã em outras áreas, como Líbano, Síria e Iraque. Há um grande a trabalho a ser feito e isso já começou", ressalta.

Fonte: R7