Pr. Dionatan Freitas

Pr. Dionatan Freitas

Sede Estadual - GO [email protected]

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – BA   [email protected]

Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Estadual – MG [email protected]

Pr. William Alves

Pr. William Alves

Sede Estadual – PA [email protected]

Pr. Gilvan Gomes

Pr. Gilvan Gomes

Sede Estadual - SE [email protected]

Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – AM [email protected]

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal [email protected]

Pr. Emerson Stevanelli

Pr. Emerson Stevanelli

Sede Estadual – PB [email protected]

Pr. Ademir Pereira

Pr. Ademir Pereira

Sede Estadual - RN [email protected]  

Pr. Danilo Queiroz

Pr. Danilo Queiroz

Sede Estadual – CE   [email protected]  

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – AL [email protected]

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – PE [email protected]

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Estadual - PI [email protected]

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Internacional – SP   [email protected]  

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – RJ [email protected]

Pr. Raphael Batista

Pr. Raphael Batista

Sede Estadual – RS [email protected]

Pr. Leonardo Pinheiro

Pr. Leonardo Pinheiro

Sede Estadual – MA [email protected]

Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Distrital – DF   [email protected]

Pr. Wesley Santos

Pr. Wesley Santos

Sede Estadual – PR [email protected]

Calote perde ritmo, mas dívida média de inadimplente é de R$ 3.250

O calote perdeu ritmo no primeiro semestre de 2019, mas o brasileiro ainda tem dívidas de R$ 3.250, em média, segundo pesquisa divulgada na manhã desta segunda-feira (15) pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas). 

Os atrasos de dívidas que mais cresceram em junho deste ano foram as de luz e água, com alta de 17,2%. Em seguida aparecem as bancárias (2,7%), como cartão de crédito e cheque especial. 

Já as compras realizadas no carnê ou crediário em estabelecimentos comerciais caíram -5,2%, enquanto os atrasos em contas de internet, TV por assinatura e serviços de telefonia despencaram -20,3% no período.

A maioria das dívidas foi feita em bancos ou instituições financeiras (53%). A segunda maior representatividade fica por conta do comércio, que concentra 17% do total de dívidas não pagas, seguido pelo setor de comunicação (11%). 

Os débitos com as empresas concessionárias de serviços básicos como água e luz representam 10% das dívidas não pagas no Brasil.

O educador financeiro do SPC Brasil, José Vignoli, diz que o consumidor endividado deve priorizar o pagamento das pendências com juros mais altos, que normalmente são aquelas feitas com bancos e instituições financeiras. 

"É preocupante que esse segmento represente a maior fatia das contas em aberto no país. Uma opção que pode ser analisada em certos casos é a substituição da dívida por uma outra que cobra juros mais baixos, como é o caso do consignado”, orienta o educador financeiro do SPC Brasil, José Vignoli.

Perda de ritmo no semestre

O levantamento aponta que a inadimplência cresceu 0,9% no período em comparação com o final do ano passado. Esta é a segunda menor variação nos atrasos desde 2012, quando a inadimplência havia crescido 5,8% no primeiro semestre daquele ano. Já em 2017, o crescimento observado fora muito semelhante ao deste ano, com alta de 0,8%.

Em junho deste ano, o volume de consumidores inadimplentes teve alta de 1,7% frente ao mesmo mês de 2018. 

É o menor avanço na base anual de comparação desde dezembro de 2017 (1,3%).

Metodologia da pesquisa

O levantamento utiliza a base de dados do SPC Brasil e da CNDL e as informações se referem a capitais e interior das 27 unidades da federação. 

Fonte: R7


bannerMemorial

Aguarde Novas Atualizações