Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Estadual – PE [email protected]

Pr. Danilo Queiroz

Pr. Danilo Queiroz

Sede Estadual – CE   [email protected]  

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – BA   [email protected]

Pr. Márcio Candido

Pr. Márcio Candido

Sede Estadual – PA [email protected]

Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – AM [email protected]

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal [email protected]

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Nacional – SP   [email protected]  

Pr. Weslley Santos

Pr. Weslley Santos

Sede Estadual – AL [email protected]

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – PR [email protected]

Pr. Jean Vilela

Pr. Jean Vilela

Sede Estadual – MG [email protected]

Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Estadual - PI [email protected]

Pr. Dionatan Freitas

Pr. Dionatan Freitas

Sede Estadual - GO [email protected]

Pr. Raphael Batista

Pr. Raphael Batista

Sede Estadual – RS [email protected]

Pr. Ademir Pereira

Pr. Ademir Pereira

Sede Estadual - RN [email protected]  

Pr. Alexandre Teodoro

Pr. Alexandre Teodoro

Sede Estadual – RJ [email protected]

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Distrital – DF   [email protected]

Pr. Marcelo Torres

Pr. Marcelo Torres

Sede Estadual - SE [email protected]

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – PB [email protected]

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – MA [email protected]

Egito, Quênia, México: veja o que aconteceu em países atingidos por pragas de gafanhotos

A preocupação com os efeitos de nuvens de gafanhotos, como a registrada nesta terça-feira (23) na fronteira entre Brasil e Argentina, levou a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) a monitorar de perto registros de enxames desse animal. Desde o início da série histórica, em 1997, alguns casos da praga se notabilizaram pelo mundo.

Em 2004, uma nuvem de gafanhotos chegou a Cairo, capital do Egito — em episódio que fez muita gente se lembrar das Dez Pragas do Egito, contada na Bíblia no livro do Êxodo. O caso chamou a atenção porque o enxame atingiu uma metrópole com quase 15 milhões de habitantes. As imagens dos insetos tapando a visão das Pirâmides de Gizé correram o mundo.

De acordo com reportagens da agência Reuters naquele ano, os gafanhotos que chegaram ao Egito haviam causados estragos em países do norte da África, como MauritâniaMali Níger. O Chipre, país insular no Mediterrâneo, também foi atingido por enxames.

Mais recentemente, entre o fim de 2019 e o início 2020, gafanhotos geraram alertas da FAO a países do leste da África para as piores infestações dos últimos 70 anos. A situação foi pior no Quênia, na Somália e na Etiópia, e fazendeiros relataram preocupação com a fome depois que os insetos comeram plantações inteiras de produtos como milho e feijão.

A situação por lá ainda é considerada "uma ameaça" segundo a FAO, principalmente no noroeste do Quênia, onde um novo enxame está em formação. Países do sul da Ásia como Índia Paquistão também estão em alerta.

Gafanhotos em outras regiões

A porção norte da África registra a maior parte dos registros de nuvens de gafanhotos de acordo com os monitoramentos periódicos da FAO. Ainda assim, como tem ocorrido na fronteira Brasil-Argentina, outros continentes foram atingidos pela praga nos últimos anos.

Caso de Cancún, destino turístico do México que viu milhares de gafanhotos durante um surto em setembro de 2006. Os impactos do inseto às plantações da região preocupavam porque o país acabava e sofrer com o Furacão Wilma.

Gafanhotos em destinos turísticos também foram um problema nas Ilhas Canárias, pertencentes à Espanha, que passou por uma série de enxames com cerca de 100 milhões de insetos em novembro de 2004. Fenômeno estava relacionado a uma infestação considerada das mais graves da história no leste da África naquele ano.

Fonte: G1


bannerMemorial

Aguarde Novas Atualizações