Professores da rede estadual de ensino entram em greve em SP

 

Os professores da rede estadual de educação de São Paulo iniciaram na manhã desta segunda-feira (22) uma greve por tempo indeterminado. A paralisação foi determinada em assembleia realizada na sexta-feira (19) durante um protesto que fechou a avenida Paulista, na região central de São Paulo.

De acordo com a Apeoesp, sindicato da categoria, os professores reivindicam reposição salarial de 36,74% e complementação do reajuste referente a 2012; cumprimento da lei do piso --no mínimo 33% da jornada para atividades de formação e preparação de aulas--, fim dos descontos de faltas e licenças médicas para efeito de aposentadoria especial; entre outras reivindicações.

Segundo o sindicato, nesta segunda-feira, os grevistas foram às escolas para explicar os motivos da paralisação para alunos, pais e professores que não entraram em greve.

A Secretaria Estadual da Educação informa que as aulas continuaram normalmente e que ainda faz um balanço para saber o tamanho da adesão em todo o Estado. A Apeoesp não soube dizer o número de professores que aderiram ao movimento.

Está prevista para a próxima sexta-feira (26) uma nova assembleia da categoria para decidir os rumos da greve.

OUTRO LADO

Sobre as reivindicações, a Secretaria Estadual de Educação afirmou, em nota divulgada na sexta-feira, que a Apeoesp "se pauta por uma agenda político-partidária completamente alheia ao compromisso centrado no aprendizado dos alunos" e acrescentou que o governo "implantou em 2011 uma inédita política salarial e que nesta semana encaminhou à Assembleia Legislativa um projeto de lei complementar para conceder novo aumento aos profissionais da Educação".

A secretaria afirmou ainda que cumpre integralmente a lei nacional do piso salarial do professor.

 

Fonte: Folha de São Paulo