Skip to content

Alimentar pássaros livres faz bem para a saúde humana, revela pesquisa

Mais pessoas estão aderindo ao hobby de alimentar pássaros livres em seus quintais e agora um estudo da Universidade Virginia Tech, em Blacksburg/Virginia, nos Estados Unidos, revela que essa atividade pode trazer benefícios para a saúde humana.

Os resultados preliminares indicam que a interação com aves pode trazer uma sensação de bem-estar e felicidade. E quem faz isso sabe que é verdade mesmo.

A FeederWatch, uma rede de observação de aves, apoiou a pesquisa com pessoas que contaram suas experiências ao alimentar os pássaros.

Uma experiência pessoal

Ashley Dayer, principal autora dos estudos, é apaixonada por alimentação de pássaros.

Ela decidiu pesquisar mais sobre o assunto depois de observar um forte apego da família com a atividade.

A cientista conta que sentia falta de conhecimentos que falavam sobre “o que está acontecendo com as aves” e “a ciência por trás do que está ocorrendo com as pessoas”.

“Eu morei com alguém que gostava muito de alimentar pássaros e vi como isso pode ser importante”, disse ela.

Sem alimentar pássaros

O estudo surgiu após agências locais terem recomendado interromper a alimentação de aves devido a surtos de doenças.

No entanto, a pesquisadora Dayer e sua equipe descobriram que essas recomendações tinham sido feitas sem provas de que realmente iria impedir a propagação das doenças.

Foi depois disso que ela parou para pensar em como a atividade para poderia impactar significativamente a vida das pessoas.

Resultados

Na primeira semana, o estudo recebeu mais de 8.000 inscrições de pessoas que queriam relatar sua experiência.

Elas compartilham informações sobre suas respostas emocionais aos pássaros e mamíferos que veem, doenças ou mortes de pássaros.

Os cientistas já perceberam que as pessoas ficam mais tristes quando encontram um passarinho morto, não importa se isso aconteceu por causa de outros animais, do tempo ruim ou de doenças.

Hawley disse que espera que a pesquisa “nos ajude a criar orientações para alimentar aves que reduzam o risco para elas e maximizem os benefícios para as pessoas que as alimentam”.

Fonte: sonoticiaboa