Skip to content

CASAIS COM PAZ E VIDA

Coreia do Norte disparou cerca de 80 tiros de artilharia em uma zona de fronteira marítima durante a noite desta sexta (4).

Coreia do Sul disse que enviou aviões de guerra em resposta a 180 voos militares norte-coreanos perto da fronteira compartilhada entre os dois países na sexta-feira, horas depois que o Norte disparou cerca de 80 tiros de artilharia em protesto aos exercícios militares conjuntos de Seul com os Estados Unidos.

Aeronaves norte-coreanas foram detectadas em várias áreas ao norte da “linha de ação tática” ao norte da Linha de Demarcação Militar entre as duas Coreias, de acordo com o Estado-Maior Conjunto da Coreia do Sul.

A linha virtual é traçada ao norte da fronteira militar e é usada como base para as operações de defesa aérea sul-coreana, disse uma autoridade sul-coreana. Ele se recusou a fornecer a distância da linha virtual do MDL, mas as notícias locais disseram que era de 20 a 50 quilômetros.

A Coreia do Sul enviou 80 aeronaves, incluindo caças furtivos F-35A, em resposta, enquanto cerca de 240 jatos participando dos exercícios aéreos Vigilant Storm com os Estados Unidos continuaram seus exercícios, disseram os militares.

Um voo de 10 aviões de guerra norte-coreanos fez manobras semelhantes no mês passado, levando a Coreia do Sul a despachar jatos.

As manobras do Norte seguem o disparo de mais de 80 rodadas de artilharia durante a noite e o lançamento de vários mísseis no mar na quinta-feira, incluindo um possível míssil balístico intercontinental (ICBM). A Coreia do Norte também disparou pelo menos 23 mísseis na quarta-feira (2) – um recorde para um único dia.

A série de lançamentos levou os Estados Unidos e a Coreia do Sul a estender os exercícios do Vigilant Storm, que irritaram Pyongyang.

Reunidos em Washington, o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, e o ministro da Defesa sul-coreano, Lee Jong-sup, prometeram buscar novas medidas para demonstrar a “determinação e capacidades” da aliança após repetidas provocações norte-coreanas, de acordo com um comunicado conjunto entre os dois países.

Um alto funcionário do governo dos EUA disse que, embora os Estados Unidos tenham dito desde maio que a Coreia do Norte estava se preparando para retomar os testes nucleares pela primeira vez desde 2017, não estava claro quando poderia realizar tal teste.

Os Estados Unidos acreditam que a China e a Rússia têm influência para persuadir a Coreia do Norte a não retomar os testes de bombas nucleares, disse a autoridade à Reuters.

Diplomatas disseram que Washington pediu ao Conselho de Segurança da ONU que se reunisse publicamente sobre a Coreia do Norte nesta sexta, um pedido apoiado por outros membros do conselho, como Reino Unido, França, Albânia, Irlanda e Noruega.

Nos últimos anos, o conselho de 15 membros se dividiu sobre como lidar com a Coreia do Norte e, em maio, China e Rússia vetaram um esforço liderado pelos EUA para impor mais sanções da ONU em resposta aos lançamentos de mísseis norte-coreanos. Enquanto isso, Pyongyang condenou os exercícios militares aliados.

Em Seul, o presidente alemão Frank-Walter Steinmeier condenou a Coreia do Norte por ameaçar a segurança internacional com repetidos lançamentos de mísseis e instou Pyongyang a retornar ao diálogo.

“Acho que o regime de Pyongyang é o único responsável pela situação atual”, disse Steinmeier por meio de um intérprete durante uma entrevista coletiva após conversas com o presidente sul-coreano Yoon Suk-yeol.

Enquanto isso, Pyongyang condenou os exercícios militares aliados.Na quinta-feira, Pak Jong Chon, secretário do Comitê Central do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte, disse que Washington e Seul tomaram uma decisão muito perigosa ao estender os exercícios e estão “empurrando” a situação para fora de controle.

“Os Estados Unidos e a Coreia do Sul descobrirão que cometeram um erro terrível que não pode ser revertido”, disse Pak.

Fonte: CNN BRASIL

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE