Skip to content

Faixa de Gaza: analistas acreditam que guerra seguirá até Israel destruir Hamas

Conflito de quase oito semanas causou destruição generalizada, deixando mais de 14.800 pessoas mortas na região.

A trégua de sete dias entre Israel e Hamas terminou na sexta-feira (1º), após as negociações chegarem a um impasse e Israel acusar o grupo radical islâmico de violar o acordo ao disparar contra Israel.

A guerra de quase oito semanas que precedeu a calmaria nos combates causou destruição generalizada e viu mais de 14.800 pessoas mortas em Gaza, de acordo com o Ministério da Saúde palestino na Cisjordânia, que extrai seus dados das autoridades de saúde administradas pelo Hamas em Gaza.

No entanto, para a próxima ronda de combates, os Estados Unidos deixaram claro a Israel que a escala da devastação não deverá se repetir.

Se Israel irá ouvir é uma questão diferente. Analistas dizem que a guerra deverá continuar até que o Hamas seja esmagado, e desta vez poderá ser muito mais violenta.

O anúncio dos militares israelenses sobre a retomada dos combates ocorreu momentos após o término da trégua entre Israel e o Hamas. O acordo viu as partes em conflito trocarem reféns detidos em Gaza por palestinos detidos em prisões israelenses.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, prometeu esta semana que Israel lutaria até o fim. O seu governo informou os EUA, antes do fim da trégua, que pretendia voltar eventualmente o seu foco para a parte sul do enclave após o recomeço dos combates.

Benny Gantz, que faz parte do gabinete de guerra, disse na quarta-feira (29) que os combates “se expandiriam para onde quer que fossem necessários em toda a Faixa de Gaza. Não haverá cidades de refúgio”.

Não está claro se haverá outra trégua, mas com mais de 100 reféns ainda em cativeiro do Hamas, ela poderia, teoricamente, ser retomada por vários dias se ambas as partes concordassem em prorrogar por um dia para cada 10 reféns libertados, disseram analistas.

O acordo, no entanto, incluía principalmente mulheres e crianças. Das 137 pessoas que Israel acredita ainda estarem em cativeiro do Hamas, 20 são mulheres e 2 têm menos de 18 anos, informou o gabinete do primeiro-ministro na sexta-feira.

Durante o ataque de 7 de outubro, o Hamas matou mais de 1.200 pessoas em Israel e sequestrou cerca de 240 outras pessoas, disseram as autoridades israelenses.

As negociações com mediadores catarianos e egípcios sobre a libertação dos reféns detidos estão em andamento, disse à CNN uma fonte familiarizada com as negociações, mesmo depois do anúncio de Israel de que iria retomar a sua operação.

Israel pagou “um grande preço” pela pausa nos combates, disse à CNN Yaakov Amidror, pesquisador sênior do Instituto de Estudos Estratégicos de Jerusalém, que anteriormente foi conselheiro de Segurança Nacional de Netanyahu, observando que a trégua “quebrou o ímpeto das Forças de Defesa de Israel (FDI) e deu ao Hamas a capacidade de se reagrupar”.

“Entendemos isso e estávamos prontos para pagar esse preço, porque é um preço que deveria ser pago pela libertação dos reféns”, disse ele, acrescentando que Israel está se preparado para combates mais intensos para recuperar o tempo perdido.

O que acontece agora?

Os EUA estão exercendo pressão sobre Israel para evitar vítimas civis em massa na próxima ronda de combates.

“Ressaltei o imperativo dos Estados Unidos de que a perda massiva de vidas civis e o deslocamento na escala que vimos no norte de Gaza não se repitam no sul”, disse o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, em entrevista televisionada em Tel Aviv, na quinta-feira (30).

Blinken disse que “deixou claro” a Israel que deve implementar planos de proteção humanitária e salvaguardar hospitais, centrais elétricas e instalações. Ele disse que Netanyahu concordou em tomar medidas para proteger os civis.

Como isso se manifestará ainda não está claro.

Frank Lowenstein, que trabalhou como Enviado Especial para as Negociações Israel-Palestina no governo do presidente dos EUA Barack Obama, durante a guerra Israel-Gaza de 2014, disse à CNN que se Israel seguir o conselho dos EUA, “será uma indicação muito forte de quanta influência realmente temos sobre os israelenses.

Se Israel adotar no sul a mesma abordagem militar que adotou no norte, “isso poderá levar a um desacordo cada vez mais aberto com a administração Biden”, disse ele.

“Dado que os israelenses provavelmente querem evitar uma grande discórdia pública, há uma probabilidade razoável de que tomem pelo menos algumas medidas para moderar a sua abordagem na próxima fase.”

Funcionários do governo Biden têm discutido com seus homólogos israelenses como proteger os civis que fugiram para o sul de Gaza, caso as FDI ataquem a área novamente, disseram autoridades dos EUA à CNN anteriormente.

As opções que estão sendo consideradas incluem a transferência de civis que foram para o sul de volta ao norte assim que as operações militares terminarem, disse um alto funcionário dos EUA à CNN. Até agora, Israel alertou os palestinos deslocados contra o retorno ao norte, dizendo que a área continua insegura.

Não está claro como centenas de milhares de residentes deslocados poderão regressar ao norte, onde até metade das casas foram destruídas, mostram análises de satélite.

Na sexta-feira, as FDI lançaram panfletos em Khan Younis, a maior cidade do sul de Gaza, chamando-a de “zona de combate” e dizendo aos residentes para “evacuarem imediatamente”.

Khan Younis, Rafah e as províncias do Médio, no sul, abrigam cerca de 920 mil pessoas deslocadas internamente, afirma a Agência das Nações Unidas de Assistência e Obras aos Refugiados da Palestina (UNRWA), que estima que cerca de 1,8 milhões de pessoas – mais de 80% da população de Gaza – foram deslocados através da Faixa de Gaza desde 7 de outubro.

Gershon Baskin, um antigo negociador de reféns israelenses que já atuou como canal para o Hamas, disse que seria difícil para os habitantes de Gaza regressarem às suas casas no norte, já que a maioria desses bairros “não são mais habitáveis”.

No entanto, ele não vê a guerra terminar sem que os militares israelenses se desloquem para o sul, especialmente para Khan Younis e Rafah.

Guerra urbana

Se os combates se deslocarem para o sul, “definitivamente será diferente”, disse Riad Kahwaji, fundador e CEO do Instituto de Análise Militar do Oriente Próximo e do Golfo, uma consultoria de estratégia e segurança em Dubai.

Essa parte de Gaza, disse Kahwaji à CNN, é densamente povoada.

“Esta área foi designada como área segura, e Israel fez com que quase um milhão de palestinos que viviam no norte se deslocassem para o sul, sob o pretexto de que as operações militares estavam no norte, embora ainda houvesse bombardeios no sul”, disse ele.

Não está claro qual seria a forma da operação de Israel no sul, mas Kahwaji disse que Israel pode ter dificuldades para manter o apoio ocidental enquanto imagens de derramamento de sangue e devastação fluem de Gaza.

“As imagens de edifícios destruídos, com bebês sendo mortos e mulheres sendo arrastadas pelos escombros, mancharam gravemente a imagem de Israel.”

Com as extensões da trégua, o Hamas pode ter esperado que a pressão internacional se acumulasse sobre Israel para evitar o reinício da guerra, disse Baskin, o antigo negociador, observando que a sociedade israelense apoia esmagadoramente uma operação que elimine o Hamas.

Lowenstein, o antigo enviado dos EUA, sugeriu que o foco imediato seria provavelmente “fornecer zonas seguras e passagem no sul”, acrescentando que, no entanto, “está longe de ser claro até que ponto isso é viável”, uma vez que centenas de milhares de civis deslocados estão vivendo “em uma área muito pequena”.

“E as condições humanitárias já catastróficas provavelmente ficarão ainda mais terríveis à medida que o tempo piorar e a situação de saúde se deteriorar ainda mais”, disse ele.

Kahwaji declarou que um elemento que provavelmente será um fator nos cálculos militares de Israel é a análise custo-benefício de cada tática: operações terrestres contra ofensivas aéreas.

Israel tem confiado principalmente em ataques aéreos e bombardeios direcionados em sua guerra contra o Hamas, o que o poupou de grandes baixas de tropas, disse ele. Se decidir por uma ofensiva principalmente baseada em terra no sul para diminuir as perdas civis, será um desafio para os seus soldados, acrescentou.

“A guerra urbana é a guerra mais difícil”, disse Kahwaji. “É considerado um inferno para qualquer soldado em uma operação ofensiva.”

Amidror, o antigo conselheiro de Netanyahu, disse que embora Israel faça o que pode para minimizar as perdas civis, não pode interromper a sua operação militar porque o Hamas utiliza civis como “escudos humanos”.

“Suponhamos que não exista uma forma técnica de combater e destruir o Hamas sem prejudicar os civis”, disse Amidror. “Qual é o seu conselho? Dar imunidade ao Hamas porque eles têm muito sucesso nas tentativas de usar civis como escudos humanos?”

“Do nosso ponto de vista [de Israel], o Hamas não tem qualquer imunidade e iremos destruir o Hamas”, disse ele. “E se os civis em Gaza estão pagando um preço por isso, lamentamos muito, mas a questão deve ser aplicada ao Hamas.”

Fonte: CNN BRASIL