Skip to content

CASAIS COM PAZ E VIDA

Planeta, que tem cerca de 15 a 20 milhões de anos, está localizado a cerca de 385 anos-luz da Terra.

Os astrônomos capturaram a primeira imagem direta de um exoplaneta com o Telescópio Espacial James Webb.

O exoplaneta, ou planeta fora do nosso sistema solar, é um gigante gasoso com cerca de seis a 12 vezes a massa de Júpiter. O planeta, chamado HIP 65426 b, tem cerca de 15 a 20 milhões de anos — apenas um planeta bebê quando comparado a cEarth, que tem 4,5 bilhões de anos.

O planeta pode ser visto em quatro bandas diferentes de luz infravermelha, captadas pelos diferentes instrumentos de Webb. Webb vê o universo em luz infravermelha, que é invisível ao olho humano — e o torna o observatório espacial perfeito para revelar detalhes sobre mundos distantes.

“Este é um momento transformador, não apenas para Webb, mas também para a astronomia em geral”, disse Sasha Hinkley, professor associado de física e astronomia da Universidade de Exeter, no Reino Unido, em um comunicado.

Hinkley liderou as observações dentro de uma colaboração internacional.

O exoplaneta foi descoberto pela primeira vez em 2017 usando o Very Large Telescope do Observatório Europeu do Sul e seu instrumento SPHERE, localizado no Chile. O instrumento capturou imagens do planeta, em seguida, através de comprimentos de onda infravermelhos curtos, mas a capacidade do Webb de ver comprimentos de onda infravermelhos mais longos pode lançar luz sobre novos detalhes.

Os cientistas estão analisando os dados do HIP 65426 b do Webb e um próximo estudo será submetido a periódicos para revisão por pares.

O exoplaneta está cerca de cem vezes mais distante de sua estrela hospedeira do que a Terra está do Sol, o que permitiu que Webb e seus instrumentos separassem o planeta de sua estrela.

Alguns dos instrumentos de Webb estão armados com coronógrafos, ou máscaras que podem bloquear a luz das estrelas, permitindo que o telescópio capture imagens diretas de exoplanetas.

As estrelas são muito mais brilhantes que os planetas e, neste caso, HIP 65426 b é mais de 10 mil vezes mais fraca que sua estrela hospedeira em luz infravermelha próxima.

“Obter esta imagem foi como cavar um tesouro espacial”, disse Aarynn Carter, líder de análise das imagens e pesquisador de pós-doutorado na Universidade da Califórnia, em Santa Cruz, em um comunicado. “No começo, tudo o que eu conseguia ver era a luz da estrela, mas com um cuidadoso processamento de imagem consegui remover essa luz e descobrir o planeta.”

Enquanto o Telescópio Espacial Hubble foi o primeiro a capturar imagens diretas de exoplanetas, a exploração infravermelha de exoplanetas de Webb está apenas começando. O telescópio já compartilhou o primeiro espectro de um exoplaneta ao detectar uma assinatura de água em sua atmosfera e encontrou a primeira evidência clara de dióxido de carbono na atmosfera de um exoplaneta.

E o observatório espacial só começou a fazer observações científicas neste verão.

“Acho que o mais empolgante é que estamos apenas começando”, disse Carter. “Há muito mais imagens de exoplanetas por vir que moldarão nossa compreensão geral de sua física, química e formação. Podemos até descobrir planetas anteriormente desconhecidos também.”

Fonte: CNN BRASIL

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE