Skip to content

CASAIS COM PAZ E VIDA

Observatório espacial detectou vapor de água em torno do cometa Read, o que sugere que o gelo pode ser preservado em uma parte mais quente do sistema solar.

Astrônomos usaram o Telescópio Espacial James Webb para observar um cometa raro em nosso sistema solar, fazendo uma descoberta científica há muito esperada e tropeçando em outro mistério ao mesmo tempo.

Pela primeira vez, foi detectada água em um cometa do cinturão principal, ou um cometa localizado no cinturão principal de asteroides entre as órbitas de Marte e Júpiter. A descoberta veio após 15 anos de tentativas de astrônomos usando diferentes métodos de observação.

O observatório espacial detectou vapor de água em torno do cometa Read, o que sugere que o gelo pode ser preservado em uma parte mais quente do sistema solar. Um estudo detalhando as descobertas foi publicado na segunda-feira na revista científica Nature.

Os cometas normalmente existem no Cinturão de Kuiper e na Nuvem de Oort, regiões geladas além da órbita de Netuno que podem preservar alguns dos materiais congelados que sobraram da formação do sistema solar. Os cometas se aventuram em órbitas longas e ovais ao redor do sol que podem levar milhares de anos e têm caudas que se desenvolvem à medida que os objetos gelados ocasionalmente passam perto do sol. Sua aparência difusa e caudas de material diferenciam os cometas dos asteroides.

Mas uma rara subclasse de cometas chamada cometas do cinturão principal são objetos no cinturão de asteroides com órbitas circulares ao redor do sol que exibem periodicamente um comportamento semelhante ao de um cometa, como derramamento de material que cria uma aparência difusa e uma cauda arrastada.

Em vez de derramar material gelado por sublimação, quando um sólido se transforma diretamente em gás, os cometas do cinturão principal pareciam apenas ejetar poeira. Dada a sua localização no sistema solar interno quente, mais próximo do sol do que os cometas típicos, não se esperava que os cometas do cinturão principal retivessem muito gelo – até agora. E a descoberta pode acrescentar mais evidências à teoria de como a água se tornou um recurso abundante na Terra no início de sua história.

Cometas e asteroides ricos em água podem ter colidido com a Terra primitiva e levado água ao nosso planeta.

“Nosso mundo cheio de água, repleto de vida e único no universo, até onde sabemos, é um mistério – não temos certeza de como toda essa água chegou aqui”, disse a coautora do estudo Stefanie Milam, cientista do projeto Webb no Goddard Space Flight Center da Nasa em Greenbelt, Maryland, em um comunicado. “Entender a história da distribuição de água no sistema solar nos ajudará a entender outros sistemas planetários e se eles poderiam estar a caminho de hospedar um planeta semelhante à Terra.”

Investigando cometas raros

Os cometas do cinturão principal foram descobertos em 2006 pelo coautor do estudo Henry Hsieh, cientista sênior do Planetary Science Institute em Tucson, Arizona. O Cometa Read foi um dos cometas originais usados para criar a subcategoria.

Os dados precisos coletados pelo Espectrógrafo de infravermelho próximo do Webb ajudaram os astrônomos a determinar a assinatura do vapor d’água em torno do Cometa Read logo após sua aproximação do sol.

“No passado, vimos objetos no cinturão principal com todas as características dos cometas, mas apenas com esses dados espectrais precisos do Webb podemos dizer que sim, é definitivamente o gelo de água que está criando esse efeito”, disse o principal autor do estudo, Michael Kelley, astrônomo e principal pesquisador da Universidade de Maryland em College Park, em um comunicado. “Com as observações de Webb do cometa Read, podemos agora demonstrar que o gelo de água do início do sistema solar pode ser preservado no cinturão de asteroides.”

Junto com a descoberta veio um novo quebra-cabeça. Cometa Read não tem dióxido de carbono detectável, que é um ingrediente que compõe cerca de 10% do material vaporizado pelo sol em todos os outros cometas.

É possível que as temperaturas mais altas do cinturão principal de asteroides façam com que o cometa Read perca seu dióxido de carbono ao longo do tempo, disseram os pesquisadores.

“Estar no cinturão de asteroides por muito tempo pode fazer isso – o dióxido de carbono vaporiza mais facilmente do que o gelo de água e pode se infiltrar ao longo de bilhões de anos”, disse Kelley.

O cometa Read também pode ter se formado em um bolso mais quente do sistema solar sem dióxido de carbono, disse Kelley.

A equipe de observação está ansiosa para estudar outros cometas do cinturão principal e compará-los com os dados de Webb do cometa Read para ver se os objetos celestes também carecem de dióxido de carbono e determinar os próximos passos para desvendar os segredos de cometas raros.

“Agora que Webb confirmou que há água preservada tão perto quanto o cinturão de asteroides, seria fascinante acompanhar essa descoberta com uma missão de coleta de amostras e aprender o que mais os cometas do cinturão principal podem nos dizer”, disse Milam.

Fonte: CNN BRASIL

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE