Erros de pesquisas de intenção de voto mancham credibilidade de institutos, dizem especialistas

Principais empresas do país erraram previsões para o primeiro turno; metodologia é obsoleta, segundo especialistas.

Os resultados do primeiro turno das eleições, que ocorreram nesse domingo (2), frustraram as previsões das pesquisas feitas pelos principais institutos de levantamento sobre a preferência do eleitorado do país. Na eleição presidencial, por exemplo, Datafolha e Ipec davam menos de 40% dos votos para o presidente Jair Bolsonaro (PL) e apontaram a possibilidade de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ganhar sem a necessidade de segundo turno, mas ambos erraram.

VEJA A COBERTURA COMPLETA DA ELEIÇÃO NA PÁGINA ESPECIAL DO R7

Desde agosto, o Ipec fez sete pesquisas de intenção de voto ao Palácio do Planalto. Considerando os votos válidos, o petista oscilou de 52% para 51%. Levando em conta a margem de erro de 2 pontos percentuais estabelecida pelo instituto, o Ipec se aproximou do resultado divulgado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que registrou 48% dos votos para Lula.

No entanto, a empresa não chegou nem perto do total de votos obtidos por Bolsonaro. O presidente teve 43%, segundo o TSE. Nos sete levantamentos do Ipec, contudo, o chefe do Executivo começou e terminou com 37% dos votos válidos. Com o Datafolha, não foi diferente. Em seis pesquisas feitas desde agosto, Lula iniciou com 51% dos votos válidos e terminou com 50%. Bolsonaro, por sua vez, tinha 35% na primeira amostra e 36% na última.

Os levantamentos para alguns governos estaduais também não se confirmaram. Em Mato Grosso do Sul, o Ipec divulgado na véspera da eleição listava André Puccinelli (MDB) com a maior intenção de votos, mas ele acabou nem indo ao segundo turno, que será disputado por Capitão Contar (PRTB) e Eduardo Riedel (PSDB).

No Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB) aparecia com 40% dos votos válidos, segundo o Ipec, 10 pontos percentuais à frente de Onyx Lorenzoni (PL). No fim, Onyx terminou a apuração à frente, com 37,5% dos votos, e Leite se classificou para o segundo turno com uma diferença de apenas 2.441 votos para o 3º colocado, Edegar Pretto (PT).

No Rio de Janeiro, antes das eleições, o Datafolha apontava o governador Cláudio Castro (PL) com 46% e Marcelo Freixo (PSB) com 40%, o que configuraria segundo turno. No entanto, Castro foi reeleito em primeiro turno: recebeu 58,57% dos votos, contra 27,38% para Freixo. Outro exemplo foi São Paulo. Fernando Haddad (PT) era tido como o favorito por Ipec e Datafolha, que davam 41% e 39% para ele, respectivamente. Tarcísio de Freitas (Republicanos) aparecia em segundo, com 31% em ambos os institutos. Os dois acabaram indo para o segundo turno, mas com Tarcísio na frente. De acordo com o TSE, o candidato do Republicanos teve 42,32% dos votos, contra 35,7% de Haddad.

Senado

Algumas previsões das empresas para o Senado também falharam. Em Goiás, o Ipec previa a eleição de Marconi Perillo (PSDB), com 31%. No entanto, quem venceu foi Wilder Morais (PL), com 25,25% — no Ipec, ele era apenas o 4º colocado.

Para São Paulo, Márcio França (PSB) era posto como favorito por Datafolha e Ipec, com 45% e 43%, respectivamente. O eleito, entretanto, foi o ex-ministro Marcos Pontes (PL), com 49,68%, que estava em 2º nas pesquisas.

Outra estimativa que não se confirmou foi em Santa Catarina. Jorge Seif (PL), que tinha apenas 19% das intenções de voto, segundo o Ipec, venceu a disputa com 39,79%. Raimundo Colombo (PSD) liderava as pesquisas do instituto, mas ficou em 2º.

No Rio Grande do Sul, o Ipec também não acertou. O instituto punha Olívio Dutra (PT) como favorito, mas o vencedor foi Hamilton Mourão (Republicanos).

Perda de credibilidade

Na avaliação de especialistas, a quantidade de erros compromete a credibilidade das empresas. Doutor em ciência política, Leandro Gabiati diz que os institutos de pesquisa fazem parte do processo eleitoral e ajudam o eleitor a entender melhor em qual contexto ele vai votar, mas avisa que a baixa assertividade atrapalha o cenário eleitoral.

Segundo ele, até o segundo turno, que acontece em 30 de outubro, a tendência é que a sociedade não acredite nas pesquisas de intenção de voto que serão divulgadas. “Os institutos continuarão fazendo pesquisas. Os que contratam vão continuar contratando, mas certamente com muita dúvida e muito questionamento naquilo que venham a apresentar nos próximos 30 dias. Ainda que acertem, a desconfiança está posta.”

O cientista político Rócio Barreto acredita que os institutos também precisam aperfeiçoar a metodologia dos levantamentos. Na avaliação dele, as empresas deixaram de considerar alguns aspectos do eleitorado, como o voto dos indecisos. “É preciso investigar melhor o motivo de a pessoa estar indecisa. Perguntar em quem ela poderia votar caso mude de ideia, se ela tem um plano B para a eleição. Esse percentual pode fazer a diferença no resultado da pesquisa.”

Para Barreto, o mais importante no momento é que os institutos deem uma explicação sobre os resultados equivocados. “A partir do momento em que eles conseguirem explicar as razões do erro, acredito que conseguem ganhar a confiança novamente. Caso contrário, isso continuará prejudicando a imagem das empresas e fazer com que elas percam confiança.”

Ambos afirmam que é provável que, a partir do próximo ano, o Congresso Nacional discuta alguma medida para estabelecer normas e parâmetros para a realização das pesquisas. “Com o novo Congresso, devemos ter algum movimento entre os parlamentares para regrar a atividade das empresas de pesquisa. Há muita insatisfação e indignação em relação aos institutos”, analisa Gabiati.

R7 pediu que o Ipec se manifestasse, mas não teve retorno até a publicação desta matéria. A reportagem não conseguiu contato com o Datafolha.

Fonte: R7

Governo inclui cinco novos medicamentos no Farmácia Popular

Esta é a primeira vez desde 2011 que novos medicamentos são incluídos no programa.

O governo vai incorporar cinco novos medicamentos no programa Farmácia Popular, de distribuição gratuita de remédios. O anúncio, feito na quinta-feira (29) durante o simpósio do Ministério da Saúde sobre o Dia Mundial do Coração e doenças cardiovasculares, vem depois de o jornal O Estado de S. Paulo revelar um corte de 60% no orçamento programa em 2023 — o que vai restringir o acesso da população a 13 tipos diferentes de princípios ativos de remédios.

É a primeira vez desde 2011 que novos medicamentos são incluídos no programa. Eles são direcionados ao tratamento de hipertensão e diabetes, e ficarão disponíveis para a população em 30 dias após a publicação da portaria no Diário Oficial da União (DOU), prevista para esta sexta-feira, 30.

Segundo o Ministério da Saúde, a estimativa é de que 2,7 milhões de pessoas sejam beneficiadas.

Veja os medicamentos que serão incluídos:

Besilato de Anlodipino 5 mg (hipertensão arterial | gratuito)

Succinato de Metoprolol 25 mg (hipertensão arterial | gratuito)

Espironolactona 25 mg (hipertensão arterial | gratuito)

Furosemida 40 mg (hipertensão arterial | gratuito)

Dapagliflozina 10 mg (diabetes mellitus tipo 2 associada a doença cardiovascular | modalidade de copagamento)

A presidente da ProGenéricos, Telma Salles, avalia como muito benéfica a inclusão dos novos medicamentos no programa.

“Essas são as doenças que mais acometem a população. Então, atualizar essa lista, dando mais possibilidade de acesso, é muito bom. É uma revisão oportuna, para um governo que se coloca como um agente capaz de responder rapidamente a um alerta da sociedade, quando fragilizou a questão do orçamento”, afirma.

Ela pondera, porém, que o corte previsto de 60% nos recursos terá de ser revisto para acomodar essa inclusão. “É menos verba para comprar mais (medicamentos). Vai ter de ter uma recomposição do orçamento do programa, porque senão conta não vai fechar”, observa.

“Mas eu acho que é importante que o Congresso Nacional se sensibilize com a matéria e que o governo tenha essa disposição”, diz.

Corte

Como revelou O Estado de S. Paulo, o governo Jair Bolsonaro, ao enviar o projeto de Orçamento de 2023 ao Congresso, passou a tesoura no programa Farmácia Popular para abrir espaço ao orçamento secreto. A verba para os medicamentos gratuitos caiu de R$ 2,04 bilhões no orçamento de 2022 para R$ 804 milhões no projeto de 2023 enviado ao Congresso no final de agosto — um corte de R$ 1 2 bilhão.

Os remédios oferecidos de graça pelo programa — que tem foco na população de baixa renda – e que serão atingidos pelo corte de verba chegam a custar até R$ 65 por caixa, segundo levantamento da ProGenéricos a pedido do Estadão.

Segundo o Ministério da Saúde, o programa Farmácia Popular atende mais de 20 milhões de brasileiros, em mais de 30 mil farmácias credenciadas, distribuídas em 4.397 municípios.

Fonte: CNN BRASIL

Inscrição de concurso do INSS com mil vagas e salário de R$ 5,9 mil termina nesta segunda

O valor da taxa é de R$ 85 e poderá ser paga até o dia 21 de outubro; a prova está prevista para o dia 27 de novembro.

INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) encerra nesta segunda-feira (3) a inscrição para o concurso de 1.000 vagas para o cargo de técnico do seguro social, que tem salário de R$ 5.905,79. A aplicação das provas objetivas está prevista para o dia 27 de novembro.

As inscrições poderão ser feitas até hoje somente via internet, no endereço eletrônico http://www.cebraspe.org.br/concursos/inss_22, do Cebraspe (Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos), responsável pela realização do concurso.

O valor da taxa de inscrição é de R$ 85 e poderá ser paga até o dia 21 de outubro. Poderão pedir isenção total do valor da taxa de inscrição os candidatos com cadastro atualizado no CadÚnico (Cadastro Único) ou que sejam doadores de medula óssea reconhecidos pelo Ministério da Saúde.

Do total de vagas oferecidas, 5% (90) são destinadas a pessoas com deficiência e 20% (202) a pessoas negras. Poderão se candidatar pessoas com ensino médio completo ou curso técnico equivalente, concluído até a data da posse e com diploma expedido por instituição de ensino reconhecida pelo MEC (Ministério da Educação).

O concurso terá duas etapas, ambas de caráter classificatório e eliminatório: uma prova objetiva, a ser realizada em 27 de novembro, e um curso de formação.

A prova terá duração de 3h30 e, além de conhecimentos específicos da legislação da seguridade social, contará com as disciplinas de língua portuguesa, ética no serviço público, noções de direito constitucional, noções de direito administrativo, noções de informática e raciocínio lógico-matemático.

O curso de formação será realizado nas cidades de Belém (PA), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Florianópolis (SC), Fortaleza (CE), João Pessoa (PB), Manaus (AM), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP) e terá a carga horária de até 180 horas presenciais, em tempo integral, com atividades que poderão ser desenvolvidas nos turnos diurno e noturno. O candidato matriculado receberá auxílio financeiro correspondente a 50% do salário do cargo.

Entre as atividades que serão executadas pelos novos servidores estão o atendimento ao público; orientação, informação e conscientização previdenciária; e ações relacionadas ao reconhecimento de direitos previdenciários. As vagas serão para 97 gerências administrativas do INSS em todas as unidades federativas.

Clique aqui e acesse o edital.

Fonte: R7

Prêmio Nobel de Medicina vai para Svante Pääbo, biólogo sueco

Geneticista sueco foi premiado por “suas descobertas sobre os genomas de hominídeos extintos e a evolução humana”.

Svante Pääbo ganhou o Prêmio Nobel de Medicina por “suas descobertas sobre os genomas de hominídeos extintos e a evolução humana”, anunciou a Academia Sueca nesta segunda-feira (3).

O Comitê do Nobel disse que Pääbo, um geneticista sueco, “realizou algo aparentemente impossível” quando sequenciou o primeiro genoma neandertal e descobriu que o Homo sapiens cruzou com os neandertais.

A evidência para sua descoberta surgiu pela primeira vez em 2010, depois que Pääbo foi pioneiro em métodos para extrair, sequenciar e analisar DNA antigo de ossos neandertais.

Graças ao seu trabalho, os cientistas podem comparar os genomas neandertais com os registros genéticos de humanos vivos hoje.

“A pesquisa seminal de Pääbo deu origem a uma disciplina científica inteiramente nova, paleogenômica”, disse o comitê.

 “Ao revelar diferenças genéticas que distinguem todos os humanos vivos de hominídeos extintos, suas descobertas fornecem a base para explorar o que nos torna exclusivamente humanos”.

Quando ele revelou suas descobertas pela primeira vez em 2010, Pääbo disse que “ter uma primeira versão do genoma neandertal cumpre um sonho de longa data”.

Pääbo trabalhou como diretor do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva em Leipzig, Alemanha, desde 1997, e é pesquisador honorário do Museu de História Natural de Londres.

Além do genoma neandertal, ele também “descobriu os denisovanos – um tipo completamente novo de humano”, disse Stringer.

O DNA denisovano vive em alguns humanos hoje porque, uma vez que nossos ancestrais Homo sapiens encontraram os denisovanos, eles copularam e deram à luz – algo que os geneticistas chamam de mistura.

“Acho que o genoma neandertal foi sua maior contribuição individual. Ele revelou que os neandertais cruzaram conosco. Isso foi contestado por muitos anos, inclusive por mim. Mas ele mostrou que a maioria de nós tem DNA antigo (de neandertais e/ou denisovanos). Esse DNA também pode ser medicamente importante”, acrescentou Stringer.

Fonte: CNN BRASIL

Receita paga hoje último lote de restituição do IR a 1,2 milhão

Valor com correção de 4,22% será depositado na conta bancária ou transferido por meio de Pix, como indicado na declaração

A Receita Federal libera, nesta sexta-feira (30), o pagamento do quinto e último lote de restituição do Imposto de Renda 2022. Serão beneficiados 1.220.501 contribuintes, no valor total de R$ 1,9 bilhão.

VEJA SE VOCÊ ESTÁ NO 5º E ÚLTIMO LOTE DE RESTITUIÇÃO DO IR

O pagamento será depositado ou transferido via Pix, conforme solicitado na declaração. Os contribuintes presentes neste lote receberão a restituição com acréscimo, referente à variação mensal da taxa Selic em relação ao valor indicado no momento da entrega do documento. A correção será de 4,22%.

Com este lote, a Receita conclui o pagamento de todas as restituições do exercício 2022 que não apresentaram inconsistência. Quem não recebeu nos lotes anteriores e não estiver neste teve a declaração retida na malha fina do Fisco.

Como consultar

Para saber se a restituição está disponível, o contribuinte deve acessar a página da Receita na internet (www.gov.br/receitafederal), clicar em “Meu Imposto de Renda” e, em seguida, em “Consultar a Restituição”.

A página apresenta orientações e os canais de prestação do serviço, o que permite uma consulta simplificada ou uma consulta completa da situação da declaração por meio do extrato de processamento, acessado no e-CAC. Se identificar alguma pendência na declaração, o contribuinte poderá efetuar a retificação, corrigindo as informações que porventura estejam equivocadas.

A Receita disponibiliza, ainda, aplicativo para tablets e smartphones que possibilita consultar diretamente em suas bases informações sobre a liberação das restituições do IRPF e a situação cadastral de uma inscrição no CPF.

Como é feito o pagamento

O pagamento da restituição é realizado na conta bancária informada na declaração de Imposto de Renda, de forma direta ou por indicação de chave Pix. Se, por algum motivo, o crédito não for realizado (por exemplo, a conta informada foi desativada), os valores ficarão disponíveis para resgate por até um ano no Banco do Brasil.

Nesse caso, o cidadão poderá reagendar o crédito dos valores de forma simples e rápida pelo Portal BB, acessando o endereço https://www.bb.com.br/irpf ou ligando para a Central de Relacionamento BB por meio dos telefones 4004-0001 (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) e 0800-729-0088 (telefone especial, exclusivo para deficientes auditivos).

Caso o contribuinte não resgate o valor de sua restituição no prazo de um ano, ele poderá requerer o saldo pelo Portal e-CAC, disponível no site da Receita Federal, acessando o menu Declarações e Demonstrativos > Meu Imposto de Renda e clicando em “Solicitar Restituição Não Resgatada na Rede Bancária”.

Calendário da restituição do IR 2022

1º lote: 31 de maio (já pago).
2º lote: 30 de junho (já pago).
3º lote: 29 de julho (já pago).
4º lote: 31 de agosto (já pago).
5º lote: 30 de setembro.

Contribuintes

Do total do pagamento da restituição nesta sexta-feira, R$ 221 milhões são para contribuintes que têm prioridade legal: 5.201 idosos acima de 80 anos, 36.492 entre 60 e 79 anos, 4.247 contribuintes com alguma deficiência física ou mental ou moléstia grave e 15.378 cuja maior fonte de renda seja o magistério. Foram contemplados ainda 1.159.183 contribuintes não prioritários.

Fonte: R7

De Covid grave à trombose: saiba quais doenças podem estar ligadas ao seu tipo sanguíneo

Pesquisas recentes apontaram, por exemplo, que pessoas com sangue A têm mais chance de sofrer ataque cardíaco.

Existem diversas especulações sobre o tipo sanguíneo estar relacionado a uma predisposição para determinadas doenças, até mesmo a Covid-19. A fim de sanar essas curiosidades, o R7 separou algumas das teorias mais difundidas.

“Nós temos quatro tipos sanguíneos do grupo ABO, que é o O, A, B, e o AB. O tipo O é o mais frequente no Brasil e na maior parte do mundo, em alguns países, principalmente na África Equatorial, o tipo O chega a 80% da população; em algumas regiões chega a 90%”, explica o médico do hemocentro de Ribeirão Preto e membro do comitê de hematologia da ABHH (Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular), Gil Cunha de Santis.

Os quatro tipos sanguíneos são classificados de acordo com a presença ou ausência de aglutinogênio (antígeno), são eles:

  • Sangue A:contém antígenos A na superfície das hemácias e só pode receber sangue de pessoas tipo A ou O;
  • Sangue B: produz antígenos tipo B e só pode receber sangue do tipo B ou O;
  • Sangue AB:têm antígenos tipo A e B, portanto é um receptor universal – de todos os tipos sanguíneos;
  • Sangue O:tido como comum, é conhecido como doador universal, pois não possui antígenos A ou B. Pode doar para todos os grupos, mas só recebe sangue de pessoas tipo O.

Sangue A

Um estudo publicado pela Associação Americana do Coração (AHA, na sigla em inglês) constatou que pessoas com esse tipo sanguíneo são mais propensas a ter ataque cardíaco ou sofrer insuficiência cardíaca – se comparadas a pessoas com o tipo O.

A mesma pesquisa definiu que homens desse grupo tinham maiores chances de desenvolver trombose, por exemplo, quando comparados com homens com tipo sanguíneo O.

Os voluntários com sangue A também eram 51% mais propensos a ter trombose venosa profunda e tinham mais chance (47%) de desenvolver embolia pulmonar.

“Quando você tem trombose venosa – é muito mais comum nas pernas –, um pedaço do trombo pode ser descolado, aí ele se chama êmbolo, e ele vai para o pulmão, onde ele obstrui alguma artéria, e pode dar a embolia pulmonar”, esclarece o médico.

Vale ressaltar que as duas condições citadas anteriormente são distúrbios que afetam a coagulação do sangue, então também podem aumentar o risco de insuficiência cardíaca.

Ingoh (Instituto Goiano de Oncologia e Hematologia) ainda pontua a associação desse grupo sanguíneo com a ocorrência do câncer gástrico.

Na mesma linha, uma pesquisa publicada na eLife mostrou que o câncer de pâncreas foi associado especificamente a esse tipo de sangue.

Resultados publicados na revista Neurology, da Associação Americana de Neurologia, também concluíram que pessoas com sangue tipo A têm 18% mais risco de sofrer um derrame antes dos 60 anos em comparação com qualquer outro tipo sanguíneo.

Um estudo do New England Journal of Medicine também descobriu que pessoas do tipo A tinham um risco 45% maior de contrair a Covid-19 do que as que estão em outros subgrupos.

Além disso, uma pesquisa brasileira publicada na revista científica Transfusion and Apheresis Science constatou ainda que esse tipo sanguíneo está associado a um maior risco de desenvolver Covid grave em relação ao sangue O.

Sangue B

Uma pesquisa divulgada no Journal of Cancer Epidemiology constatou que pessoas do tipo B tinham uma probabilidade 59% maior de serem diagnosticadas com câncer.

A Associação Americana do Coração também incluiu o tipo sanguíneo B no grupo com maior probabilidade de ter um ataque cardíaco ou passar por insuficiência cardíaca.

Os homens, assim como aqueles com sangue A, também têm chances aumentadas de desenvolver trombose, trombose venosa profunda (51%) e embolia pulmonar (47%).

O Ingoh ainda pontua que o sangue B tem uma chance maior de desenvolver câncer pancreático.

Um lado positivo, segundo a pesquisa publicada na eLife, é que o risco de cálculo renal nesse grupo é menor em comparação ao tipo O.

Sangue AB

Alguns problemas de memória podem estar ligados ao tipo sanguíneo AB, segundo um estudo do Journal of Neurology. Cientistas demonstraram que esse grupo tinha um risco 82% maior de enfrentar um comprometimento cognitivo.

O sangue AB também está incluso no tipo mais propenso a ter ataque cardíaco ou insuficiência cardíaca, de acordo com a AHA.

Para o Ingoh, essa variação sanguínea também corre maior risco de ter câncer pancreático.

O estudo da eLife, por sua vez, mostrou que a colelitíase – presença de pedras (cálculo) no interior da vesícula biliar – foi mais comum nesse sangue, junto ao tipo A, em comparação ao tipo O.

Sangue O

Diferentemente do grupo A, o tipo sanguíneo O foi relacionado a uma probabilidade 35% menor de sofrer uma infecção pelo coronavírus.

“O indivíduo que é do tipo O tem uma menor propensão a ter trombose mais grave e ele tem menos inflamação também. Então, são dois aspectos que são interligados e um influencia o outro: menos trombose, menos inflamação – e a Covid provoca muita inflamação, é uma doença hiperinflamatória. Talvez, isso explique porque o tipo O tenha conferido alguma vantagem”, relata o hematologista.

Já o Instituto Goiano de Oncologia e Hematologia pontuou que as úlceras (gástricas e duodenais) acontecem com mais frequência nesse grupo.

“O tipo O parece também favorecer a infecção pela H. pylori, que é uma bactéria que ataca o estômago, só que não costuma ser uma infecção grave, em geral, é assintomática”, diz Cunha.

O estudo publicado na eLife também descobriu que os distúrbios hemorrágicos (sangramentos) são mais frequentes nesse grupo, em comparação ao sangue A.

Além disso, houve maior ocorrência de hipertensão induzida pela gravidez no sangue O, se comparado aos grupos sanguíneos A e AB.

A mesma pesquisa teve um novo achado e demonstrou que pessoas classificadas como O podem ter mais chance de ter cálculo do rim e ureter, quando comparadas ao sangue B.

Cunha ainda diz que na África, região com a presença majoritária do tipo O, “tem mais malária pelo plasmodium falciparum, que é o mais grave, e o indivíduo tipo O tem uma resistência maior a esse tipo de malária, morre menos por malária”.

Por fim, outro trabalho brasileiro, também publicado na Transfusion and Apheresis Science, descobriu que os pacientes desse grupo precisam de mais transfusão de sangue durante um transplante ortotópico de fígado – comumente utilizado para o tratamento de doenças hepáticas irreversíveis e sem possibilidade de tratamento clínico.

Gil conclui que não necessariamente todas as pessoas dos tipos sanguíneos citados anteriormente terão essas condições, por exemplo, “a trombose é rara, em geral, o risco é baixíssimo, só que é maior no A, porque o A é o segundo tipo mais comum”.

*Estagiária do R7 sob supervisão de Fernando Mellis.

Fonte: R7

Fotos do James Webb e Hubble mostram impacto da missão Dart com asteroide; veja

Observatórios foram testemunhas do primeiro teste da humanidade de tecnologia de deflexão de asteroides.

Dois dos telescópios mais poderosos do espaço observaram uma espaçonave da Nasa colidir intencionalmente com um asteroide esta semana.

Telescópio Espacial James Webb e o Telescópio Espacial Hubble capturaram imagens do momento em que a nave espacial Double Asteroid Redirection Test, ou Dart, colidiu com Dimorphos na segunda-feira (26). As imagens foram divulgadas nesta quinta-feira (29).

Os observatórios foram testemunhas do primeiro teste da humanidade de tecnologia de deflexão de asteroides. Embora nem Dimorphos nem Didymos, o maior asteroide que orbita, representem uma ameaça para a Terra, o sistema de asteroides duplos era um alvo perfeito para a espaçonave Dart tentar mudar ligeiramente o movimento de um desses objetos.

As imagens do Webb e do Hubble podem ser usadas para aprender mais sobre a superfície de Dimorphos, que nunca havia sido vista até que essas imagens detalhadas coletadas pelo Darr retornassem da espaçonave na segunda-feira.

As observações do telescópio também podem esclarecer quanto material foi liberado da superfície do asteroide no momento do impacto e a rapidez com que foi ejetado.

Ambos os telescópios visualizam o universo em diferentes comprimentos de onda de luz, o que pode mostrar se a nuvem de material estava cheia de poeira ou incluía pedaços maiores de rocha.

Os cientistas usarão observações do Webb e do Hubble, juntamente com telescópios terrestres, para determinar se o Dart alterou com sucesso o movimento do asteroide.

O telescópio Webb não foi projetado para rastrear asteroides velozes, mas a equipe do observatório conseguiu localizar Dimorphos e capturar 10 imagens do asteroide. A câmera de infravermelho próximo de Webb foi usada para espionar pequenas plumas de material se afastando do ponto de impacto. Mais instrumentos de Webb observarão o asteroide no futuro para revelar informações adicionais sobre sua composição.

O Hubble observou Dimorphos com sua Wide Field Camera 3 antes do impacto, bem como 15 minutos após a colisão para ver as coisas se desenrolarem na luz visível. O observatório capturou 45 imagens.

O material pulverizado pelo impacto parece raios sendo liberados do asteroide. O pico mais óbvio à esquerda é onde o Dart atingiu o asteroide. Mas os astrônomos notaram que alguns dos raios parecem ligeiramente curvados e querem estudá-los para determinar o porquê.

O Didymos pareceu triplicar após o impacto e permaneceu estável mesmo oito horas depois, com base no que o Hubble capturou.

O Hubble continuará de olho em Dimorphos nas próximas três semanas para ver como a pluma se expande e se dissipa ao longo do tempo.

Na terça-feira, as primeiras imagens foram divulgadas de telescópios terrestres e do LICIACube da Itália, um satélite do tamanho de uma caixa de sapatos, que seguiu a missão Dart.

Juntos, os dados de tantos pontos de vista diferentes da colisão informarão outra missão que pretende se dirigir ao local do impacto.

Em 2024, a missão Hera da Agência Espacial Europeia será lançada para estudar o sistema de asteroides duplos em grande detalhe.

“Estamos ansiosos pelo impacto da Dart há mais de 17 anos, e é muito emocionante vê-lo através dos olhos dos maiores observatórios espaciais Webb e Hubble”, disse Ian Carnelli, gerente da missão Hera, em um comunicado.

“Essas imagens nos fornecem pistas do que aconteceu nas primeiras horas após o impacto e claramente há muito mais acontecendo do que havíamos previsto.”

Fonte: CNN BRASIL

Dia Mundial do Coração: veja os exercícios benéficos para a saúde cardíaca

Atividades físicas regulares contribuem para reforçar a saúde cardíaca e podem ajudar a prevenir o desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

Os cuidados com a saúde cardíaca devem fazer parte da rotina desde o início da vida. A alimentação saudável, o controle do estresse e a atividade física moderada são medidas essenciais para a prevenção de doenças cardiovasculares. O Dia Mundial do Coração, celebrado neste 29 de setembro, faz um alerta para a atenção a um dos principais órgãos do corpo humano.

Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda de 150 a 300 minutos, no mínimo, de atividade aeróbica por semana para adultos saudáveis e uma média de 60 minutos por dia para crianças e adolescentes.

sedentarismo está associado a várias doenças que aumentam o risco de problemas cardiovasculares. A falta de atividade física favorece o acúmulo de gordura nas paredes dos vasos sanguíneos, o que dificulta a passagem de sangue, compromete o funcionamento do órgão e pode levar ao infarto, além do risco de provocar acidente vascular cerebral (AVC) e trombose.

“Quanto mais precocemente começamos a cuidar do coração, menores os fatores de risco ao longo da vida. Hoje, temos a obesidade infantil e taxas elevadas de colesterol no sangue das crianças. A pandemia de Covid-19 aumentou o sedentarismo nessa faixa etária e pode ser gerador de um fator de risco maior para problemas cardíacos”, afirma Vanessa Guimarães, cardiologista do Hospital Sírio-Libanês, de São Paulo.

Especialistas consultados pela CNN destacam que os exercícios aeróbicos, em geral, podem trazer benefícios para a saúde do coração.

“Exercícios aeróbicos e que requerem o uso de força de resistência são benéficos para o coração. São exercícios que aumentam os condicionamentos muscular e cardíaco. Isso tudo deve ser avaliado individualmente para cada pessoa, especialmente aquelas que têm algum risco para o coração”, comenta Vanessa.

Caminhada e corrida

caminhada é benéfica para pessoas de todas as idades por ser um exercício de menor intensidade. De acordo com os especialistas, ela pode ser ideal para quem ficou muito tempo sem praticar qualquer tipo de atividade por conta da pandemia de Covid-19.

Por exigir menos esforço físico, as caminhadas podem ajudar a criar o hábito de reservar um tempo diário para o movimento. Já a corrida, além de ganhos cardiovasculares, ajuda na redução de peso, devido ao alto gasto calórico da atividade aeróbica.

Segundo o professor e preparador físico Marcio Atalla, a caminhada e a corrida podem ser alternadas. “Não precisa começar a correr longas distâncias. Alterne entre correr e caminhar. Além de condicionar a parte cardiovascular, você também prepara aos poucos a musculatura e articulação para as exigências da corrida”, explica.

Ciclismo

ciclismo é uma atividade física moderada e que apresenta um impacto menor em comparação com outras atividades, como a corrida. Segundo Marcio Atalla, o exercício pode ser ideal para as pessoas que estão acima do peso.

“O ciclismo é uma atividade com ganho cardiorrespiratório e que preserva as articulações pela falta de impacto. Para quem está fora de forma, pode ser uma ótima atividade física para ganhar condicionamento e fortalecer os membros inferiores”, diz Atalla.

Por ser uma atividade moderada, o ciclismo pode ser praticado até cinco vezes por semana. A quantidade ideal de treinos, a duração e a intensidade deve ser recomendada por especialistas, como cardiologistas e médicos do esporte.

Natação

Ao nadar, você utiliza a musculatura do corpo inteiro, como se fosse uma grande orquestra em que braços, pernas e abdômen têm um papel essencial para o resultado final. Por ser um dos esportes mais completos, a modalidade também traz ganhos para a condição cardiorrespiratória e, por consequência, para o condicionamento físico.

Segundo Atalla, a natação é vantajosa principalmente para crianças e pessoas acima do peso. Além de ser uma atividade relacionada à sobrevivência, a natação promove uma série de ganhos motores e para as articulações.

“Quem tem excesso de peso acaba cansando mais rápido em atividades como basquete ou corrida, que sobrecarregam as articulações. Fazer uma atividade na água é bacana pela diminuição do impacto das articulações”, analisa.

A importância da avaliação médica

A lista de exercícios aeróbicos também conta com modalidades como o surfe, o skate, a dança, além de treinos envolvendo subir e descer escadas e pular corda. De acordo com a médica Vanessa Guimarães, do hospital Sírio-Libanês, antes de começar qualquer exercício físico, é fundamental passar por uma avaliação médica.

“Temos tanto as arritmias que podem ser induzidas pelo exercício físico como condições que nunca foram avaliadas e que são descobertas quando a pessoa vai fazer uma atividade física. A avaliação física antes das atividades, do início da academia, por exemplo, é necessária, inclusive para crianças que desejam fazer esportes com tendência de alto rendimento”, ressalta.

Segundo a especialista, a prática de exercícios físicos pode aumentar o rendimento cardíaco, além de ajudar a manter o controle de peso, o bom humor e o funcionamento adequado do sistema imunológico. No entanto, os benefícios estão associados à prática moderada das atividades. O excesso pode ser prejudicial à saúde.

“O exercício em excesso pode aumentar o risco de lesões, tanto musculares, como ligamentosas e das articulações. Isso pode ser evitado com o exercício moderado, que gera bom condicionamento e que vai ter bons resultados, num prazo maior e de forma mais saudável. O excesso de carga, tempo e intensidade nunca vai ser recomendado por qualquer profissional sério da área. O nosso corpo tem um limite”, explica.

Para as pessoas diagnosticadas com algum tipo de doença cardiovascular, o cuidado para as atividades deve ser redobrado. Indivíduos com hipertensão, por exemplo, podem vivenciar um aumento da pressão arterial durante a realização do exercício.

“É importante que o paciente hipertenso faça a atividade, tendo seu benefício hormonal, diminuição da resistência insulínica e menor risco vascular, por exemplo, mas ele deve estar medicado. Ele não pode fazer a atividade sem estar em uso da medicação habitual e com os exames que o médico avalia para saber o nível adequado de intensidade”, frisa.

Os benefícios ocultos da atividade física

A psicóloga Luciana Ferreira Angelo acrescenta que, além dos ganhos para a saúde física, a atividade também promove a sensação de bem-estar e relaxamento, que pode ser benéfica para o coração.

“Um dos benefícios psiconeurológicos da atividade física é a neuroplasticidade, uma característica do sistema nervoso central que promove mudança e adaptação do sistema de acordo com experiências e necessidades. A área é estimulada quando fazemos exercícios físicos”, conta Luciana, coordenadora do curso de aperfeiçoamento e especialização em Psicologia do Esporte do Instituto Sedes Sapientiae, de São Paulo.

O movimento também está associado ao aumento do nível de fatores relacionados ao desenvolvimento e manutenção dos neurônios. O exercício físico auxilia na liberação da neurotrofina (BDNF), que é uma proteína importante para a manutenção e sobrevivência dos neurônios.

“A atividade também melhora o desempenho cognitivo. Pesquisas apontam o ganho de benefícios em memória, atenção e concentração. Além de relatos de melhora em desempenho acadêmico e redução de risco para demência“, acrescenta.

A especialista afirma que os benefícios ainda incluem o aumento dos níveis de neurotransmissores, como a serotonina, que auxilia na regulação do humor, apetite e sono e que também está associada à sensação de relaxamento.

As atividades físicas podem trazer, ainda, melhorias para as relações sociais, autoestima, confiança e regulação emocional. Especialmente aquelas que podem ser praticadas em grupo.

“Os exercícios podem proporcionar diferentes transformações estruturais e funcionais no cérebro. É um tratamento não medicamentoso para transtornos psicológicos vinculado à melhora de relações sociais, um fator imprescindível para uma boa qualidade de vida”, afirma Luciana Ferreira.

Fonte: CNN BRASIL

Brasil vai crescer mais que a China pela 1ª vez em 42 anos, diz Guedes

Durante participação no Flow Podcast, ministro da Economia relatou planos para a economia brasileira ao assumir ministério e comentou sobre teto de gastos e orçamento.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, participou na noite desta terça-feira (27) do Flow Podcast, onde abordou temas como PIB, teto de gastos, orçamento e auxílio emergencial e Auxílio Brasil. O ministro destacou o crescimento da economia brasileira, especialmente ao comparar com outros países.

“Vai ser a primeira vez em 42 anos que o Brasil vai crescer mais do que a China”, apontou. “Estamos crescendo mais do que eles, estamos com a inflação mais baixa do que eles. Tivemos, agora, nesse trimestre, a maior deflação da história, três meses seguidos”, disse.

Guedes reforçou sobre a recuperação do país “em V”, e que foi desacreditado quando fez a projeção. “Fizeram previsões catastróficas”, disse. “Resultado, o Brasil voltou a crescer 4,5%, este ano todo mundo dizia que teria recessão”, argumentou. “Este ano, estamos crescendo mais do que os Estados Unidos, mais do que a França, mais do que a Alemanha. A China, que era o grande motor de crescimento do mundo, este ano, a previsão do Banco Mundial, é de 2,8%. Pois se o Brasil não crescer nada daqui até o fim do ano, ele já cresceu os 2,8%.”

O crescimento, ressaltou o ministro, foi apesar de algumas crises, entre elas a pandemia. “Fomos atingidos por dois ou três acidentes econômicos fulminantes. E mesmo assim, no primeiro trimestre de 2020, o Brasil estava começando a decolar. Até agora, nós não tínhamos conseguido bater a arrecadação no início de 2020, que era um sinal de que a economia já estava começando a decolar. Nosso plano original era crescer 1% no primeiro ano, fazer as reformas, 2% no segundo ano, ir acelerando, 3%, 3,5%. O Brasil já está no caminho da prosperidade, recuperando sua dinâmica de crescimento.”

Em relação à pandemia, Guedes disse que o primeiro ano do governo teve reformas, citando a Previdência, o acordo com a União Europeia, a área de Livre Comércio da Europa, “fomos fazendo acordos comerciais”. “O Brasil estava no chão, nós começamos a levantar o Brasil. Sofremos a crise hídrica, sofremos a crise que houve com o colapso da Argentina. Ao mesmo tempo, aconteceu Brumadinho, que nos tirou 0,3 a 0,4 [por cento] de crescimento do PIB.”

E destacou a criação do auxílio emergencial quando estourou a pandemia no país, que, segundo ele, foram 68 milhões de brasileiros protegidos. “Perdemos 1 milhão de empregos formais em 60 dias, parecia o fim do mundo”, lembrou.

Para Guedes, no início da pandemia, o presidente Jair Bolsonaro pode ter ter tido dificuldade de entender a gravidade do vírus. “A pessoa tomou uma facada, aí de repente aparece um vírus desse ele fala ‘pô, isso aí deve ser um pouco menos’”. Mas diz que o governo fez tudo que era possível. “Sou testemunha que compramos tudo que era vacina”.

O ministro também comentou sobre as críticas ao presidente Jair Bolsonaro na gestão da pandemia. “As pessoas falaram que o presidente não liga para a saúde. Claro que ele liga, mas tem também a onda econômica. São duas ondas. Se o PIB cair 10% as pessoas vão passar fome na rua. Vai ser uma tragédia maior ainda. Uma coisa é estar doente com recursos, outra é ficar doente sem recursos. Ia ser um drama maior ainda. Então ele alertava as duas coisas.”

Questionado sobre seus investimentos no exterior, Guedes disse que acabou “perdendo dinheiro”. “Passei anos investindo e, quando ia colher, vim para essa missão [de ministro]. Vendi tudo a preço de investimento. Única coisa que posso dizer é que ainda bem que trabalhei para 200 milhões de pessoas. Perdi dinheiro, mas nenhum arrependimento de ter vindo [para o ministério]. Missão cumprida”.

Orçamento

Sobre o orçamento, Guedes disse que ele “é uma lei”, com participação do Executivo e do Legislativo. “O parlamento tem muito mais condições de melhorar o Orçamento do que eu. Nós temos uma visão muito voltada para economia, o Parlamento entra no social. Não tivemos problema ao longo de 4 anos, por que estão dizendo que vai ter problema ano que vem? Quem faz o Orçamento é o Executivo e o Legislativo, o Legislativo corrige possíveis falhas. Tira dinheiro de um lugar, bota noutro e ponto final.”

Teto de gastos

Ao falar sobre o teto de gastos, Guedes citou mais uma vez que o teto de gastos foi mal construído e que, a essência da política é o comando do orçamento. “O teto é para impedir o inchaço da máquina pública que os governos anteriores fizeram”, disse. Mas, afirma, “fizeram o teto com defeitos, o piso subindo o tempo inteiro, nos comprimindo contra o teto, com despesas obrigatórias.” “Esse comando do orçamento, que é a essência da política, exercer a política é decidir para onde vão os recursos públicos.”

O ministro voltou a apontar que o teto é um “símbolo”, para exemplificar que são “fake news” as notícias sobre “furar o teto e destruir o arcabouço fiscal”. “O teto é para não deixar o governo federal inchar. Não estou inchando o governo federal, estou dando dinheiro para a população brasileira, para salvar a população brasileira. Sabe o que aconteceram com os nossos gastos? Saíram de 19% do PIB para 26,5%, para ajudar a população brasileira. No ano seguinte, 18,7%, voltou tudo. Então, nós cumprimos a nossa missão, salvamos a população brasileira.”

Empregos

Segundo Guedes, uma série de medidas ajudou a preservar 11 milhões de empregos durante a pandemia e a criar empregos. “Do fundo do poço que foi julho de 2020, até hoje criamos 16 milhões de novos empregos, mais do que Estados Unidos, Inglaterra e Alemanha juntos. Foram 8,8 milhões com carteira assinada e 7,3 milhões de empregos informais. Ou seja, nós protegemos 27 milhões de empregos, nesses dois anos.”

Ciro Gomes

Ao final da entrevista, Paulo Guedes comentou sobre o candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT). Falou sobre seu tom agressivo, mas disse que Ciro tem “a indignação do cara que quer consertar”. “Votei nele contra FHC [Fernando Henrique Cardoso]”.

O ministro fez críticas a opiniões econômicas de Ciro. “Ele não pode cometer o erro de achar que é um grande economista. Que aí ele fala umas coisas cheias da boa intenção, mas vai enfiar o pé no balde rápido.” No entanto, destacou que o ex-governador do Ceará teve destaque na área de educação no estado nordestino.

Fonte: CNN BRASIL

Mais de 45% das famílias recusam doação de órgãos em 2022; Saúde faz campanha

Atualmente, mais de 59 mil pessoas estão na fila à espera de um órgão no país; recusa familiar é um dos principais entraves para a realização dos procedimentos.

O Brasil é o segundo país do mundo que mais realiza transplantes, atrás apenas dos Estados Unidos. De acordo com o Ministério da Saúde, em 2021, foram feitos cerca de 23,5 mil procedimentos. Desse total, cerca de 4,8 mil foram transplantes de rim, 2 mil de fígado, 334 de coração e 84 de pulmão, entre outros. O país tem mais de 600 hospitais de transplantes autorizados.

No país, a doação de órgãos e tecidos acontece somente após a autorização familiar. Os órgãos doados vão para pacientes que necessitam de um transplante e estão aguardando em uma lista de espera única, organizada por estado ou região, e monitorada pelo Sistema Nacional de Transplantes (SNT). Pelo Sistema Único de Saúde (SUS), os pacientes recebem assistência integral e gratuita, incluindo exames preparatórios, cirurgia, acompanhamento e medicamentos pós-transplante, pela rede pública de saúde.

A recusa familiar é o principal motivo que impede a doação de órgãos no Brasil, de acordo com uma pesquisa conduzida pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Segundo a Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), 43% das famílias recusaram a doação de órgãos de seus parentes após morte encefálica comprovada em 2021. Atualmente, mais de 59 mil pessoas estão na fila esperando por um órgão. Em 2022, mais de 45% das famílias não concordaram com a doação.

Com o objetivo de promover a conscientização sobre a importância dos transplantes, o Ministério da Saúde lançou nesta terça-feira (27), Dia Nacional da Doação de Órgãos, uma campanha nacional de incentivo à prática. De acordo com o ministério, a campanha será veiculada em TV, rádio, mídia exterior em lugares de grande circulação de pessoas, em portais online, além de redes sociais. O material também mostra a importância de conversar e manifestar o desejo da doação para os familiares, que serão os responsáveis por essa decisão.

Dados sobre transplantes

Ministério da Saúde também apresenta uma ferramenta de avaliação e visualização de dados referente ao cenário atual da lista de espera e dos transplantes de órgãos realizados em 2022. A ação, segundo a pasta, tem o objetivo de promover maior conscientização e também apoio a decisões sobre a doação de órgãos e medula óssea pelos gestores do Sistema Nacional de Transplantes (SNT).

Os painéis contêm informações de lista de espera e de transplantes de órgãos e medula óssea realizados durante o ano, até o momento, com atualização semanal.

Com as informações da lista de espera, o público poderá visualizar a quantidade de pessoas que aguardam por um órgão para realização do transplante na última data de compilação dos dados. No painel, é possível visualizar a quantidade de pacientes aguardando pelo tipo de órgão e modalidade de transplante.

Fonte: CNN BRASIL